Avançar para o conteúdo principal

Corridas, Galinhas e Provas, Ou Exames, Ou o Raio C'A Parta De Como Se Chama Aquela Porcaria Que As Crianças Vão Ter que Fazer No Final do Quarto Ano

Hoje ao fim do dia, fui correr com o meu puto. (Ah pois, ele agora já é puto. É que isto de estar quase a fazer dez anos tem destas coisas, o estatuto muda num ápice!) 
O puto, além de agora ser puto, corre que se farta e eu, eu vou atrás dele que me lixo! A arrastar-me...
Mas hoje, consegui o maravilhoso recorde de correr vinte minutos seguidos... Hã? Hã? Digam lá que não foi o máximo! Vá, digam lá, atrevam-se a dizer que não foi o máximo, que eu não publico o vosso comentário e pronto, faz de conta que se amedrontaram e perderam a coragem de dizer que não foi o máximo!
É óbvio que foi o máximo!!!!!

É claro que o puto corre sempre mais tempo e mais rápido do que eu, mas enfim, tem menos vinte e nove anos e este é um argumento a que me posso sempre agarrar!

Além de ter aderido à moda das corridas, também ando a dar numa de galinha.
Decoro os pratos com sementes, ora de chia, ora de outra coisa qualquer. Ficam giros, os pratos, todos pintalgados de sementes pequeninas.
Quanto ao resultado das corridas e das sementes, não noto nada. Mas que é fixe andar com os cabelos ao vento (ainda que eles estejam um bocado curtos para o efeito "gaja gira que corre") e comer comidas às pintinhas, lá isso é! 

Por fim, e entrando no ponto do "raio c'a parta de como se chama aquela porcaria que as crianças vão ter que fazer no final do quarto ano" já deito aquela merda pelos olhos! E é claro que sou contra e que detesto a ideia do meu filho ter que fazer aquela porcaria. Ainda mais, porque aquilo não tem ponta por onde se lhe pegue e, em vez de exames, ou provas, ou o caneco, aquilo são ratoeiras para apanhar os ratinhos dos nossos filhos.
Assim, enquanto uns vão chumbando no quarto ano à conta daquela bosta, outros vão chumbando no sexto à conta de uma bosta idêntica, e os que chegam à universidade são em muito menor número do que os que lá chegam hoje em dia, o que nem sequer quer dizer que chegarão os melhores. Talvez os mais ardilosos...

É triste, muito triste, ver turmas inteiras a treinar intensivamente para fazer um teste, ou melhor dois, que não testa nada, a não ser se os professores treinaram intensivamente ou não os seus alunos para fazerem aquele cocó de olhos fechados. E enquanto os professores e alunos estão distraídos a treinar aquela merda, ninguém prepara as crianças para a nova etapa que se avizinha (talvez até porque como não vão ser muitos a lá chegar, isso interesse pouco) que é a entrada no segundo ciclo, ciclo este que traz a tira-colo uma carrada de novas disciplinas, um horário mais diversificado a cumprir, um conjunto de novas regras, uma colectânea de professores (mais pequenina do que há alguns anos, já que muitos também foram despachados como os alunos vão ser a partir deste ano) e mais colegas, maiores e mais fortes, a conhecer. E como os professores que não têm turmas de quarto ano e os pais que constituem as associações de pais andam distraídos com as geniais festas de finalistas, que são mais uma das merdices que inventaram para porem as crianças a brincar aos adultos (como se não tivessem tempo suficiente pela frente para encetarem brincadeiras parvas dessas) a preparação dos miúdos para esta nova etapa das suas vidas fica atirada para último plano, porque o que interessa é que cresçam depressa e vão "masé"trabalhar.

Enfim, o ensino está a caminhar a passos largos para deixar de ensinar alguma coisa e passar a apenas formatar os discos cada vez mais rígidos dos alunos e a escola a deixar de ter a função de formar pessoas e passar a ser única e exclusivamente uma linha de montagem de mão-de-obra inculta e barata.

Por isso e a partir de agora, eu e o meu filho, tal galinha e pintainho, vamos mas é dar umas corridinhas e comer sementes, que é bem mais instrutivo do que andarmos preocupados com estas cenas ou "raio c'a parta de como se chama aquela porcaria que as crianças vão ter que fazer no final do quarto ano".

Mensagens populares deste blogue

"Bom dia e as melhoras!"

IPO - 9h da manhã

Indicam-me a sala de espera da radiologia. Há uma televisão que vai distraindo as pessoas sentadas, alinhadas, de frente para ela.
Sento-me no sofá por baixo da televisão e de frente para os espectadores pouco atentos às notícias da manhã.
O ar que se respira nas salas de espera do IPO é sempre um pouco solene. Vive-se a incerteza e espera-se o desconhecido. O silêncio e as palavras ditas em murmúrios impregnam o ambiente de uma musicalidade suave. Como se fosse o som de fundo de uma floresta imergida na fatalidade perene.

Chamam-me para o exame. Sigo a "operacional" - como chamam hoje às funcionárias dos hospitais - até ao gabinete onde me devo despir da cintura para cima e vestir a bata branca com centenas de IPOs estampados.
Faço o que me mandam e tiro o piercing do umbigo. Tiro o piercing do umbigo sempre que sou irradiada. Tenho a sensação que o metal do brinco pode projectar as radiações para lugares inusitados se não o fizer. Talvez seja uma crença o…

A sesta

Às vezes ainda sinto o cheiro do colchão forrado a plástico impermeável azul do infantário. Volto à sala dos quatro anos, onde, na semi-obscuridade, tento dormir.
Vejo as persianas descidas quase até acima e conto os quadradinhos de luz que saem das duas últimas filas dos estores que ficaram por fechar. Fixo os olhos na luz e na vontade de sair para rua num dia bonito de Verão. Estou aprisionada naquela sala transformada em dormitório infantil e sinto, hoje, a mesma impaciência que sentia pelo fim da hora da sesta.

A Preciosa e a Isabel cochicham junto à porta, enquanto controlam quem ainda não dorme. Estão sentadas nas cadeiras minúsculas e rodeadas por um clarão de luz. Invejo-as por ninguém as obrigar a dormir, por estarem ali na conversa, ao contrário de mim que estou aprisionada no colchão com a cara colada ao plástico azul. Tento descolar-me do colchão, mas o movimento da minha cabeça denunciar-me-ia às educadoras.
Olho para o meu colega do lado, também de quatro anos, que dorme…

Marcadores #6

- A Gabrielle é inocente, podes acreditar! Quando a conheceres vais ter vontade de a defender, vais ver – Cármen estava exausta, por isso Ana resolveu fazer uma pausa na conversa para a mãe descansar. Levantou-se e dirigiu-se à cozinha para ir buscar um copo de água. Quando voltou, abriu a gaveta da mesinha-de-cabeceira e tirou várias qualidades de comprimidos. Olhou para o papelinho que os acompanhava que descrevia as quantidades e horários e começou a separar os que pertenciam àquela hora. Juntou seis que Cármen teria de deglutir uns atrás dos outros. Passou-os um a um, para a mão da mãe, que os tentou empurrar garganta abaixo com a ajuda de doridos golos de água.             Cármen quebrou o silêncio para dizer que guardava cartas trocadas com Gabrielle no tempo em que a amiga trabalhou na Alemanha e que gostava que a filha as lesse. Era uma forma de conhecer Gabrielle, explicou. Apontou para uma caixinha de madeira que se encontrava sobre a cómoda debaixo da janela que continh…