Avançar para o conteúdo principal

"A Arte Vem de Dentro"

O amor é, assim, uma coisa meio estranha de se explicar... Esconde-se-nos nas entranhas e vem à superfície em momentos de que não estamos à espera. Às vezes, um gesto, uma palavra, um olhar, um cheiro, dizem tudo. Às vezes, um gesto, uma palavra, um olhar, um cheiro, não dizem nada. Ou dizem que nada se passa ali. Às vezes, basta uma coisinha minúscula para nos apercebermos que o amor se foi. Ou uma coisinha minúscula para nos lembrar que ele sempre esteve ali.

Às vezes, olho para este homem e sinto o coração encher. Como se o insuflassem com uma bomba de encher pneus, o coração cresce, cresce, cresce. 
Acontece-me especialmente quando o cheiro, mas também quando o oiço dizer coisas tão certas que me fazem estremecer. Este homem enche-me o coração de amor e o corpo todo de orgulho, quando se sintoniza no mesmo posto que eu. E não são raras as vezes que isso acontece. 
Ao fim de tantos anos juntos, seria de esperar uma repetição contínua de momentos. A verdade é que as há, claro que há. Mas também há momentos mágicos, em que aquela pessoa que está ali à nossa frente, e que conhecemos tão bem, nos surpreende, nos fascina e nos toca no ponto G da alma. 

Há já algum tempo que temos por hábito discutir algumas questões filosóficas... Uma das mais recorrentes é "o que é a arte".
Por sermos ambos ávidos por arte, frequentamos alguns meios artísticos com prazer e, infelizmente, temo-nos deparado com ambientes artísticos demasiado elitistas e círculos completamente fechados ao público em geral. De tal modo fechados que quase só lá entram o autor e convidados. Estes locais têm-nos deixado perplexos e francamente decepcionados com o modo de como a arte é tratada neste país.

E aí "vem-nos à memória uma frase batida": o que é a arte afinal?

Será algo super elaborado que tem de ser explicado para o comum dos mortais entender? Ou será aquilo que nos chega e nos toca, que nos diz qualquer coisa, boa ou má, mas que mexe connosco?
No meio desta nossa habitual discussão, este homem diz "a arte vem de dentro!" 
E diz tudo. A arte vem de dentro de quem a cria e de quem a contempla. É assim, meio como o amor... 
A arte não se explica. Vem de dentro!

Mensagens populares deste blogue

Anita no Facebook

O Facebook anda a fazer-me mal. O chato é que preciso daquilo como ferramenta de trabalho e acaba por ser difícil desligar de vez ou até fazer um intervalinho com fins terapêuticos.
Ultimamente, ando tão farta de por ali andar que já tudo me parece os livros da Anita.
Antes do Verão: Anita corre quilómetros para caber no biquíni
Em férias:  Anita mete o pezinho na areia e o nariz no mar
Em dias de sol: Anita vai à esplanada com as amigas e diverte-se a potes
No fim das férias:  Anita volta para o trabalho chateadíssima, mas, pronto, a vida é assim e tem que trabalhar
À hora das refeições:  Anita cozinha um delicioso jantar cheio de super-alimentos e de baixas calorias ou  Anita vai almoçar a um sítio todo fashion, come imenso marisco e bebe sangria de champagne
Tarde de sábado:  Anita vai a uma exposição qualquer interessantíssima ou Anita sai à rua e vê as pessoas a passar
Sábado à noite:  Anita dança e bebe gin 
Tarde de domingo:  Anita vê um filme com a família ou Anita tem umas flores lindas…

Ler e escrever

Há uma candura e uma vontade de regressar à infância de quem lê e escreve. Ler, e escrever, vai para lá do que é o real. Leva-nos para um mundo imaginário, conduzido por quem escreve, mas só nosso, tão pessoal. Talvez por isso, ler e escrever sejam estreitos encontros com a solidão...

Quando se lê um livro, mergulha-se numa dimensão à parte. Trilha-se um caminho de ficção e trilha-se outro que só existe no nosso interior. Percorrem-se as dúvidas e as certezas, os sonhos e a realidade, como se fossem sempre tão próximos. Parte-se da fantasia para a existência, sem nunca se sair completamente de dentro de nós.
Ler, e escrever, é uma viagem ao tempo em que a imaginação nos comandava as emoções. É explorar o quarto escuro que nos apavorava ou os jardins que nos deslumbravam. É ir, e não voltar, aos lugares onde nos sentíamos sós e incompletos, mas ao mesmo tempo cheios de desconhecimento, inocência e ilusão.
Ler, e escrever, é um exercício egoísta, em que não cabe lá mais ninguém para além d…