Avançar para o conteúdo principal

Às Vezes, Gostava de Ser Pequenina Outra Vez...

Às vezes, gostava de ser pequenina outra vez... 
Passar as tardes em casa da minha bisavó a fazer roupinhas para as bonecas. Acordar com o cheio do café da cafeteira da minha tia-avó e almoçar sopa de legumes e carne assada com puré. 

Às vezes, apetecia-me ouvir a voz da minha bisavó outra vez, sentir o cheiro a sabonete das mãos do meu avô e ouvi-lo comer sopa e beber vinho tinto. Queria dar voltas de bicicleta à casa da minha avó até ela gritar para eu parar de marcar o chão do terraço com os pneus da bicicleta. Queria subir às árvores e ver gatinhos nascer. 

Às vezes, queria sentar-me ao colo do meu pai a ver televisão, jogar crapô com a minha avó, comer pão com manteiga e Ovomaltine e fingir que ando a cavalo no corrimão do varandim. Queria andar de patins como se fosse uma patinadora que ganha todas as provas e cantar como uma cantora da Eurovisão.

Às vezes, queria ser uma índia e navegar de canoa debaixo da mesa da sala. Queria fazer suflé de peixe com a minha mãe e chamar-lhe brincada, brincar aos polícias e ladrões e ser os polícias, os ladrões e todas as outras personagens da história. 

Às vezes, gostava de pedir desejos que eu só poderia formular quando me caíssem pestanas, que eu apanharia e apertaria entre o indicador e o polegar e teria de adivinhar se estariam coladas ao dedo de cima ou ao de baixo. Os meus desejos ainda seriam pintar-me como a minha mãe, ir à terra dos índios e atravessar a estrada sozinha.

Às vezes, queria ser pequenina outra vez e achar que ainda me falta muito tempo para ser grande.

Comentários

  1. Como era bom ser pequenina outra vez, nem que fosse só por breves momentos...
    Boa semana.
    Beijinhos

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue

Estamos a matar a infância das nossas crianças!

Se há cerca de vinte, trinta anos, não se sabia tanto quanto se sabe hoje sobre pedagogia, psicologia ou educação, actualmente este conhecimento é muito mais vasto. Tão vasto que tendemos a instrumentalizar a forma como educamos as nossas crianças.

Olhamos para os nosso filhos e vemo-los como projectos pessoais. Queremos que sejam os melhores e sempre melhores que eles próprios, que estejam sempre a evoluir para que sejam bem sucedidos na vida. É normal, porque independentemente das nossas crenças, queremos o melhor para eles, porque os amamos. Mas esta forma de amar e de os tentar conduzir para o sucesso está a matar-lhes a infância. 
Não são poucas as vezes que ouvimos coisas do género:  "Quero que o Rui seja um óptimo engenheiro";  "Estou a fazer tudo para que a Ana seja a melhor professora que já leccionou";  "O que mais quero é que o André vença no mundo do trabalho como o melhor designer gráfico".
Também dizemos que A ou B tem que frequentar determi…