Avançar para o conteúdo principal

A Arte de Abanar o Rabo

Aqui a mocita não se abana lá muito bem. Adora dançar, mas o pé, a perna e o rabo pesam que se fartam e sensualidade é coisa que escasseia por estes lados. Mas a mocita decidiu (a bem da sua sanidade mental, que também se estava a esgotar, e da saúde, que às vezes ameaça abandoná-la) deixar de fumar (já vai para o terceiro mês sem poluição atmosférica), comer melhor - ou menos mal, vá - e fazer exercício físico. 

Quanto ao tabaco, começou pelos cigarros electrónicos, passou para as pastilhas Niquitin (passo a publicidade, até porque já as retiraram do mercado) e acabou nas pastilhas comuns, que tem vindo a diminuir o consumo e servem apenas para a distrair a seguir às refeições. 

No que diz respeito à alimentação, diminuiu o consumo de carne e doces, aumentou o de legumes, de água e tisanas e apostou de tal forma nas especiarias que o filho já está enjoado de caril.

Em matéria de exercício físico, inscreveu-se num ginásio e corre um bocadito aos domingos. 

E era aqui que queria chegar: à cena do ginásio, porque há danças a dar c'um pau e daquelas pseudo-qualquer-coisa-a-cair-para-o-lado-que-te-der-mais-jeito! 
A miúda não se mexe com glamour, é certo, mas gosta de se mexer ao som de um qualquer sonzito manhoso (vulgo "dançar"). E no ginásio que frequenta, sonzito manhoso e aulas para abanar o esqueleto são coisas que não faltam. O problema é que o abanar de esqueleto mete quase sempre o abanar de rabo, que esqueleto sem rabo não tem piada nenhuma e rabo sem esqueleto não se consegue mexer! E quando mete rabo na história, a mocita atrapalha-se: Se o rabo é para ir para a direita, a miúda abana a perna para a esquerda (quando não é o braço), se é para ir para a esquerda a miúda atira a mamoca direita em direcção aos céus (pronto, não é aos céus, é ao tecto do ginásio). A verdade, é que há uma clara descoordenação entre rabo e som, ou, quiçá, entre o rabo e o cérebro da mocita...

À primeira vista, abanar o rabo pode parecer uma cagadice simples-simples, mas se olharmos com atenção, não é qualquer amadorzeco que o abana na conta e medida certas, e para o lado correcto. Abanar o rabo é coisa que exige coordenação, atenção e alguma leveza. Desculpem-me, mas abanar o rabo é tão-só coisa para profissionais ou artistas! Abanar o rabo é algo extremamente... Eu sei lá....

Só sei que, mais dia, menos dia, EU CHEGO LÁ! Ou não me chamo Mammy!

Mensagens populares deste blogue

O Espelho

Em pequena fui protectora das minorias, dos mal-tratados e dos ofendidos. Costumava juntar-me à mais gorda ou mais feia da turma, aquela menina com quem toda a gente gozava e com quem ninguém gostava de ser visto. Tratava melhor os que eram desprezados e tinha uma atenção especial para com quem levava mais reguadas. Ainda sou um bocado assim, porém não tanto, porque as pessoas  que eu considerava minorias me foram mostrando tantos lados das suas personalidades que deixei de as ver apenas como mal-tratadas, ofendidas e carentes de protecção. Percebi, ao longo dos anos, que somos muito mais do que aquilo que aparentamos. E ainda bem, digo-o hoje.
Olhando para trás, penso que talvez o fizesse por pena de as pessoas não terem as mesmas atenções que os outros, ditos populares, e como que para compensar os males que lhes faziam. 
Olhando depois para dentro de mim, penso que também agia daquela forma para desviar os olhares das minhas próprias fragilidades. Se eu protegesse outros, sentir-me…

Afectos e machismo

Temos um PR adorado pelos seus abraços e beijinhos;Temos um acórdão do Tribunal da Relação do Porto que cita a Bíblia para desculpar a violência doméstica exercida sobre uma mulher adúltera.

Proponho o seguinte exercício: - Imaginar que o PR era uma mulher que investia em abraços e beijinhos aos populares; - Imaginar que o acórdão desculpava a violência doméstica exercida sobre um homem adúltero.
Que resultado obteríamos deste exercício? Calculo que surgiria a teoria de que a PR seria uma promíscua, carente de afectos, ou que se estaria a "atirar" a todo homem que lhe aparecesse à frente...Calculo que o homem agredido seria achincalhado por permitir sofrer violência doméstica por parte de uma mulher e que, em simultâneo, seria perdoado do adultério, tanto por ter uma mulher violenta, quanto por ter "carne fraca"... Enquanto condicionarmos a nossa avaliação das situações pelos géneros dos intervenientes, estaremos sempre em desigualdade. Enquanto não conseguirmos separar c…