Avançar para o conteúdo principal

Christine - O Carro Assassino

Como é que um país com um sorteio organizado pelas Finanças chamado "Factura da Sorte" pode ter credibilidade?
Que país é este, cujo governo incentiva a fiscalização cidadão-a-cidadão?

Um país que promove a tributação entre cidadãos ofertando-lhes presentes é um país corrupto que corrompe o próprio povo com o intuito de encher os cofres do Estado, e gastando dinheiro do Estado para oferecer presentes a quem se deixar corromper mais. 
Como podemos acreditar que pagamos impostos para financiar um Estado Social que nos proporcionará saúde e educação se o dinheiro que nos roubam dos salários vai para a compra de carros de "gama elevada", que a AT vai ofertar a quem obrigar outros a pagar-lhe mais, em vez de o injectar nas escolas e nos hospitais públicos? 
Como podemos acreditar em quem se deixa levar por sorteios da "factura da sorte"?
Como podemos permitir que a "economia paralela" que é o próprio governo, nos venha falar em "combater a economia paralela e a evasão fiscal" se é ele quem mais alimenta quem foge aos impostos quando financia negociatas "público-privadas" e swaps e outras merdas dessas?

Pensam que somos estúpidos, ou quê?
Ai das Finanças, se ousar sortear-me a merda de uma banheira topo de gama! Enfio-lha pelas ventas acima que é um instante! Quero lá saber de carros e porcarias dessas, ainda por cima "topo de gama"! Isso serve para quê, hã? Come-se? Trata-me o cancro se ele voltar? Dá-me trabalho se eu ficar no desemprego? Subsidia os estudos do meu filho até ele os acabar?
Porque é isto que eu quero do Estado! É isto que eu exijo do Estado! Quanto aos carros, deixem lá isso, que se eu quiser e tiver possibilidade, eu trato disso, ok? E escolho o modelo e a cor, já agora...

Não me lixem, que lixada já eu ando com esta porcaria toda! 
Aviso já, que facturas só peço as de educação e saúde que são as que devem deduzir o IRS. E deviam deduzir bem mais do que deduzem! O resto é areia para os olhos!
Por que raio de carga de água as minhas idas ao cabeleireiro devem deduzir o meu IRS, hã? Ou os jantares nos restaurantes? Mas o que é que a AT tem a ver com os sítios onde eu vou arranjar o cabelo ou jantar ou dormir ou o raio que a parta?

Além disso, eu quero lá saber se o Zé do café paga impostos ou não, se ele nem tem dinheiro para dar de comer à criançada! Agora das grandes empresas público-privadas, e outras que tais, onde o governo injecta o meu dinheiro, e o de todos os outros totós caça-facturas que andam por aí, já quero saber, ah pois quero! Porque esses sim, vivem à custa das facturas que eu obrigaria o Zé do café a passar. Esses sim, engordam à custa da fome dos filhos do Zé do café! Esses sim, devoram-nos a educação e a saúde! Esses sim, podem pagar estes e mais impostos!

E, já agora, gostava de saber quem é que vai fornecer as Christines à AT...
Só naquela...

Mensagens populares deste blogue

Facebook lovers

Chegam ao restaurante de mãos dadas como nos tempos em que ele ainda não tinha a barriguinha que lhe força os botões da camisa e ela as duas camadas de base em tonalidades diferentes que escondem os traços que o tempo lhe foi desenhando no rosto.
Ele afasta a cadeira para ela se sentar num gesto que reproduz o cavalheirismo dos filmes românticos de Hollywood. Ela senta-se com olhar meloso, encarnando a personagem feminina da trama, e ajeita a saia que lhe aperta as formas agora mais arredondadas.

Num silêncio premeditado, o frente-a-frente impõe-se. Afinal é dia dos namorados e o romantismo é a palavra de ordem.
O gesto automático tira o telemóvel do bolso da camisa dele que só acaba quando o objecto é pousado sobre a mesa. Está ansioso, mas não quer lhe notem a inquietação. Afinal, é só mais um dia dos namorados.

A voz sai-lhe tão melosa quanto o olhar que ela lhe dirige:
- Estás linda! - semicerra os olhos como que a comprovar a veracidade das suas palavras.
Aponta-lhe a objectiva …

Macacos do Nariz

O J. voltou a perguntar qual era o verdadeiro nome dos macacos do nariz e, uma vez mais, não lhe soubemos responder.
O pai tentou: -Detritos nasais!
Eu tentei: -Fluídos nasais secos!
As nossas tentativas não satisfizeram nenhum de nós três ...  O J. diz: -Temos que perguntar à Drª, como ela é médica deve saber ...
Fiquei a pensar onde poderia encontrar a resposta a esta questão sem ter que perguntar à médica ... 
Consultei a enciclopédia, o dicionário, procurei na net e ... nada, nem a mais pequena referência à designação científica para macacos do nariz ...

Confesso que nunca me tinha passado pela cabeça que os macacos do nariz tinham outro nome ...

As coisas em que este miúdo me põe a pensar ...

Este blogue vai descansar uns diazinhos, mas volta, com a maior brevidade possível!


Ler e escrever

Há uma candura e uma vontade de regressar à infância de quem lê e escreve. Ler, e escrever, vai para lá do que é o real. Leva-nos para um mundo imaginário, conduzido por quem escreve, mas só nosso, tão pessoal. Talvez por isso, ler e escrever sejam estreitos encontros com a solidão...

Quando se lê um livro, mergulha-se numa dimensão à parte. Trilha-se um caminho de ficção e trilha-se outro que só existe no nosso interior. Percorrem-se as dúvidas e as certezas, os sonhos e a realidade, como se fossem sempre tão próximos. Parte-se da fantasia para a existência, sem nunca se sair completamente de dentro de nós.
Ler, e escrever, é uma viagem ao tempo em que a imaginação nos comandava as emoções. É explorar o quarto escuro que nos apavorava ou os jardins que nos deslumbravam. É ir, e não voltar, aos lugares onde nos sentíamos sós e incompletos, mas ao mesmo tempo cheios de desconhecimento, inocência e ilusão.
Ler, e escrever, é um exercício egoísta, em que não cabe lá mais ninguém para além d…

Voo da Paixão

Voámos alto, em noites gélidas que tornámos escaldantes. Voámos tão alto, que pude ver as estrelas e a Lua.
Mas o voo não é interminável e temos que pousar. Pousar para reabastecer, pousar para descansar e para voltar a voar... de novo... uma vez mais...
Quantas vezes o fizemos? Quantas vezes precisaremos de o voltar a fazer?

Se a paixão nos faz voar, o amor faz-nos pousar.