Avançar para o conteúdo principal

Christine - O Carro Assassino

Como é que um país com um sorteio organizado pelas Finanças chamado "Factura da Sorte" pode ter credibilidade?
Que país é este, cujo governo incentiva a fiscalização cidadão-a-cidadão?

Um país que promove a tributação entre cidadãos ofertando-lhes presentes é um país corrupto que corrompe o próprio povo com o intuito de encher os cofres do Estado, e gastando dinheiro do Estado para oferecer presentes a quem se deixar corromper mais. 
Como podemos acreditar que pagamos impostos para financiar um Estado Social que nos proporcionará saúde e educação se o dinheiro que nos roubam dos salários vai para a compra de carros de "gama elevada", que a AT vai ofertar a quem obrigar outros a pagar-lhe mais, em vez de o injectar nas escolas e nos hospitais públicos? 
Como podemos acreditar em quem se deixa levar por sorteios da "factura da sorte"?
Como podemos permitir que a "economia paralela" que é o próprio governo, nos venha falar em "combater a economia paralela e a evasão fiscal" se é ele quem mais alimenta quem foge aos impostos quando financia negociatas "público-privadas" e swaps e outras merdas dessas?

Pensam que somos estúpidos, ou quê?
Ai das Finanças, se ousar sortear-me a merda de uma banheira topo de gama! Enfio-lha pelas ventas acima que é um instante! Quero lá saber de carros e porcarias dessas, ainda por cima "topo de gama"! Isso serve para quê, hã? Come-se? Trata-me o cancro se ele voltar? Dá-me trabalho se eu ficar no desemprego? Subsidia os estudos do meu filho até ele os acabar?
Porque é isto que eu quero do Estado! É isto que eu exijo do Estado! Quanto aos carros, deixem lá isso, que se eu quiser e tiver possibilidade, eu trato disso, ok? E escolho o modelo e a cor, já agora...

Não me lixem, que lixada já eu ando com esta porcaria toda! 
Aviso já, que facturas só peço as de educação e saúde que são as que devem deduzir o IRS. E deviam deduzir bem mais do que deduzem! O resto é areia para os olhos!
Por que raio de carga de água as minhas idas ao cabeleireiro devem deduzir o meu IRS, hã? Ou os jantares nos restaurantes? Mas o que é que a AT tem a ver com os sítios onde eu vou arranjar o cabelo ou jantar ou dormir ou o raio que a parta?

Além disso, eu quero lá saber se o Zé do café paga impostos ou não, se ele nem tem dinheiro para dar de comer à criançada! Agora das grandes empresas público-privadas, e outras que tais, onde o governo injecta o meu dinheiro, e o de todos os outros totós caça-facturas que andam por aí, já quero saber, ah pois quero! Porque esses sim, vivem à custa das facturas que eu obrigaria o Zé do café a passar. Esses sim, engordam à custa da fome dos filhos do Zé do café! Esses sim, devoram-nos a educação e a saúde! Esses sim, podem pagar estes e mais impostos!

E, já agora, gostava de saber quem é que vai fornecer as Christines à AT...
Só naquela...

Mensagens populares deste blogue

O Espelho

Em pequena fui protectora das minorias, dos mal-tratados e dos ofendidos. Costumava juntar-me à mais gorda ou mais feia da turma, aquela menina com quem toda a gente gozava e com quem ninguém gostava de ser visto. Tratava melhor os que eram desprezados e tinha uma atenção especial para com quem levava mais reguadas. Ainda sou um bocado assim, porém não tanto, porque as pessoas  que eu considerava minorias me foram mostrando tantos lados das suas personalidades que deixei de as ver apenas como mal-tratadas, ofendidas e carentes de protecção. Percebi, ao longo dos anos, que somos muito mais do que aquilo que aparentamos. E ainda bem, digo-o hoje.
Olhando para trás, penso que talvez o fizesse por pena de as pessoas não terem as mesmas atenções que os outros, ditos populares, e como que para compensar os males que lhes faziam. 
Olhando depois para dentro de mim, penso que também agia daquela forma para desviar os olhares das minhas próprias fragilidades. Se eu protegesse outros, sentir-me…

Afectos e machismo

Temos um PR adorado pelos seus abraços e beijinhos;Temos um acórdão do Tribunal da Relação do Porto que cita a Bíblia para desculpar a violência doméstica exercida sobre uma mulher adúltera.

Proponho o seguinte exercício: - Imaginar que o PR era uma mulher que investia em abraços e beijinhos aos populares; - Imaginar que o acórdão desculpava a violência doméstica exercida sobre um homem adúltero.
Que resultado obteríamos deste exercício? Calculo que surgiria a teoria de que a PR seria uma promíscua, carente de afectos, ou que se estaria a "atirar" a todo homem que lhe aparecesse à frente...Calculo que o homem agredido seria achincalhado por permitir sofrer violência doméstica por parte de uma mulher e que, em simultâneo, seria perdoado do adultério, tanto por ter uma mulher violenta, quanto por ter "carne fraca"... Enquanto condicionarmos a nossa avaliação das situações pelos géneros dos intervenientes, estaremos sempre em desigualdade. Enquanto não conseguirmos separar c…