Avançar para o conteúdo principal

Dona Dolores

Eu vinha aqui dizer qualquer coisita sobre o Cristiano Ronaldo para depois não virem dizer que não sou boa portuguesa e que não tenho orgulho nos pés do moço, blá blá blá, blá blá blá, blá blá blá... 

Mas mudei de ideias. 

Como não se vai falar de outra coisa nos tempos mais próximos, intercalando-se o Cris, com o Eusébio e o Mandela e porque este é um blogue de mães, ou melhor de uma misera mãe, decidi, então, falar da Dona Dolores, assim a modos que por solidariedade maternal e para tentar ser original.

Adorei ver a Dona Dolores a limpar a lagrimita à écharpe! 

Pronto, está falado!

Comentários

  1. Limpou? Não vi!Que triste que fico, perdi um momento único...
    Abracinho meu!

    ResponderEliminar
  2. Coitada. A senhora nitidamente não é muito polida, mas estava feliz!

    ResponderEliminar
  3. Por acaso também reparei! Eheheheh!

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue

O Pintas

Estudei Gestão Equina numa terra no centro de Portugal.
A escola dividia-se entre uma antiga escola, no centro da aldeia, convertida em internato masculino e salas de aulas e uma herdade a uns setecentos ou oitocentos metros já quase fora da localidade.
Os alunos tinham aulas ora na escola, ora na herdade e seguiam geralmente a pé de um lado para o outro.
Um dia, o Pintas apareceu por lá (já não me lembro bem onde o encontrámos pela primeira vez), um cão talvez arraçado de dálmata, pois era branco com pintas negras.
Deram-lhe o nome de "Pintas", mas havia quem o chamasse de "Beethoven". Na verdade, podiam chamá-lo como quisessem que o cão reconhecia quando a conversa era com ele.
O Pintas fazia o caminho herdade/escola e escola/herdade vezes sem conta. Penso que a intenção era acompanhar os seus amigos preferidos no caminho que separava as duas instalações escolares... Seguia a nosso lado como se fosse mais um aluno. Deixava-nos na herdade e seguia de novo para a …

Afectos e machismo

Temos um PR adorado pelos seus abraços e beijinhos;Temos um acórdão do Tribunal da Relação do Porto que cita a Bíblia para desculpar a violência doméstica exercida sobre uma mulher adúltera.

Proponho o seguinte exercício: - Imaginar que o PR era uma mulher que investia em abraços e beijinhos aos populares; - Imaginar que o acórdão desculpava a violência doméstica exercida sobre um homem adúltero.
Que resultado obteríamos deste exercício? Calculo que surgiria a teoria de que a PR seria uma promíscua, carente de afectos, ou que se estaria a "atirar" a todo homem que lhe aparecesse à frente...Calculo que o homem agredido seria achincalhado por permitir sofrer violência doméstica por parte de uma mulher e que, em simultâneo, seria perdoado do adultério, tanto por ter uma mulher violenta, quanto por ter "carne fraca"... Enquanto condicionarmos a nossa avaliação das situações pelos géneros dos intervenientes, estaremos sempre em desigualdade. Enquanto não conseguirmos sep…