Avançar para o conteúdo principal

Atacando as Coisas

Ok! "Vamo" lá tentar "botar" esta traquitana toda num só post!

Comecemos pelo referendo.
Podia dizer, como tanta gente tem dito por aí, que há coisas mais importantes para referendar do que a co-adopção e adopção por homossexuais, mas não digo. É verdade que há coisas mais importantes, sim há, não há é coisas mais importantes que dêem tanta certeza aos meninos jotinhas que vão ter o apoio do povinho. Ah, pois é, bebé! Os meninos jotinhas estão à espera que a nata conservadora da sociedade tuga se rebele e os apoie numa causa p'ra lá de estúpida que é esta guerrinha que não tem ponta por onde se lhe pegue.
Se, em vez da adopção e co-adopção por casais homossexuais, referendassem os cortes nas pensões, não teriam o apoio que esperam ter com este referendo da treta que só irá existir para lhes restituir a força que têm vindo a perder desde que o PSD está no governo. É que isto na política parece que vale mesmo tudo, até tirar olhos. Tira-se os olhos ao povinho e o povinho já não vê a merda que a gente faz. 
Assunto referendo: despachado (espero que com os jotinhas às costas)!
(Quanto à minha opinião sobre a adopção e co-adopção por casais homossexuais não me vou estar a repetir, podem relê-la AQUI se vos apetecer.)

Passando aos praxistas. 
Sou contra todo o tipo de praxes e tretas que o valham. Acho os meninos e as meninas que praxam os colegas verdadeiros ignóbeis. Os praxados também não são melhores, mas enfim, estão em posição desfavorável, facto este que me dá alguma contenção em proferir os nomes menos bonitos que lhes tinha reservado. 
Ok, não os digo!
Se aqueles miúdos morreram no Meco por causa de praxes, tudo isto fica ainda mais triste. Tenha o dux culpa, ou não tenha, no cartório, a verdade é que aqueles miúdos acabaram por morrer por causa de uma brincadeira estúpida onde uns parvalhões-mor humilharam uns totós que achavam que assim iriam ser amigos dos parvalhões e que ser amigo dos parvalhões é uma cena muita fixe. E isto é triste. Isto é muito triste. Não só porque há gente a morrer, mas também porque a gente que morre acha que é assim que as pessoas se integram em grupos e que é necessário integrar-se em grupos a todo o custo, mesmo que esses grupos estejam repletos de gente parva.
Assunto praxistas: despachado!
Algumas fotos de praxes muita giras AQUI se vos apetecer.

Vamos "atão" à beijoca do Cavaco ao Cris... 
Oh sim, sentido de oportunidade é o que não falta a este (des)governo... Futebol sempre a bombar! Não vá o povinho distrair-se e começar a reparar o quão fodido está. (Ups, asneirita!)
Assunto "kissies from hell": done!

Panteão é mais uma do "futebol sempre a bombar". Sempre, não pára, não pode parar! Ou o pessoal ainda começa a pensar...
Assunto Panteão Nacional: metam lá mas é esta gentinha do governo. Mas não é só daqui a muitos anos (ou quando morrerem) é já! Ok?

Quanto às Cratinices, hoje não me apetece, ok? 
Como ele está sempre a cratinar, Cratinices é que não hão-de faltar numa próxima vez!
A não ser que se demita já amanhã...  

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O Pintas

Estudei Gestão Equina numa terra no centro de Portugal.
A escola dividia-se entre uma antiga escola, no centro da aldeia, convertida em internato masculino e salas de aulas e uma herdade a uns setecentos ou oitocentos metros já quase fora da localidade.
Os alunos tinham aulas ora na escola, ora na herdade e seguiam geralmente a pé de um lado para o outro.
Um dia, o Pintas apareceu por lá (já não me lembro bem onde o encontrámos pela primeira vez), um cão talvez arraçado de dálmata, pois era branco com pintas negras.
Deram-lhe o nome de "Pintas", mas havia quem o chamasse de "Beethoven". Na verdade, podiam chamá-lo como quisessem que o cão reconhecia quando a conversa era com ele.
O Pintas fazia o caminho herdade/escola e escola/herdade vezes sem conta. Penso que a intenção era acompanhar os seus amigos preferidos no caminho que separava as duas instalações escolares... Seguia a nosso lado como se fosse mais um aluno. Deixava-nos na herdade e seguia de novo para a …

Afectos e machismo

Temos um PR adorado pelos seus abraços e beijinhos;Temos um acórdão do Tribunal da Relação do Porto que cita a Bíblia para desculpar a violência doméstica exercida sobre uma mulher adúltera.

Proponho o seguinte exercício: - Imaginar que o PR era uma mulher que investia em abraços e beijinhos aos populares; - Imaginar que o acórdão desculpava a violência doméstica exercida sobre um homem adúltero.
Que resultado obteríamos deste exercício? Calculo que surgiria a teoria de que a PR seria uma promíscua, carente de afectos, ou que se estaria a "atirar" a todo homem que lhe aparecesse à frente...Calculo que o homem agredido seria achincalhado por permitir sofrer violência doméstica por parte de uma mulher e que, em simultâneo, seria perdoado do adultério, tanto por ter uma mulher violenta, quanto por ter "carne fraca"... Enquanto condicionarmos a nossa avaliação das situações pelos géneros dos intervenientes, estaremos sempre em desigualdade. Enquanto não conseguirmos sep…