Avançar para o conteúdo principal

Atacando as Coisas

Ok! "Vamo" lá tentar "botar" esta traquitana toda num só post!

Comecemos pelo referendo.
Podia dizer, como tanta gente tem dito por aí, que há coisas mais importantes para referendar do que a co-adopção e adopção por homossexuais, mas não digo. É verdade que há coisas mais importantes, sim há, não há é coisas mais importantes que dêem tanta certeza aos meninos jotinhas que vão ter o apoio do povinho. Ah, pois é, bebé! Os meninos jotinhas estão à espera que a nata conservadora da sociedade tuga se rebele e os apoie numa causa p'ra lá de estúpida que é esta guerrinha que não tem ponta por onde se lhe pegue.
Se, em vez da adopção e co-adopção por casais homossexuais, referendassem os cortes nas pensões, não teriam o apoio que esperam ter com este referendo da treta que só irá existir para lhes restituir a força que têm vindo a perder desde que o PSD está no governo. É que isto na política parece que vale mesmo tudo, até tirar olhos. Tira-se os olhos ao povinho e o povinho já não vê a merda que a gente faz. 
Assunto referendo: despachado (espero que com os jotinhas às costas)!
(Quanto à minha opinião sobre a adopção e co-adopção por casais homossexuais não me vou estar a repetir, podem relê-la AQUI se vos apetecer.)

Passando aos praxistas. 
Sou contra todo o tipo de praxes e tretas que o valham. Acho os meninos e as meninas que praxam os colegas verdadeiros ignóbeis. Os praxados também não são melhores, mas enfim, estão em posição desfavorável, facto este que me dá alguma contenção em proferir os nomes menos bonitos que lhes tinha reservado. 
Ok, não os digo!
Se aqueles miúdos morreram no Meco por causa de praxes, tudo isto fica ainda mais triste. Tenha o dux culpa, ou não tenha, no cartório, a verdade é que aqueles miúdos acabaram por morrer por causa de uma brincadeira estúpida onde uns parvalhões-mor humilharam uns totós que achavam que assim iriam ser amigos dos parvalhões e que ser amigo dos parvalhões é uma cena muita fixe. E isto é triste. Isto é muito triste. Não só porque há gente a morrer, mas também porque a gente que morre acha que é assim que as pessoas se integram em grupos e que é necessário integrar-se em grupos a todo o custo, mesmo que esses grupos estejam repletos de gente parva.
Assunto praxistas: despachado!
Algumas fotos de praxes muita giras AQUI se vos apetecer.

Vamos "atão" à beijoca do Cavaco ao Cris... 
Oh sim, sentido de oportunidade é o que não falta a este (des)governo... Futebol sempre a bombar! Não vá o povinho distrair-se e começar a reparar o quão fodido está. (Ups, asneirita!)
Assunto "kissies from hell": done!

Panteão é mais uma do "futebol sempre a bombar". Sempre, não pára, não pode parar! Ou o pessoal ainda começa a pensar...
Assunto Panteão Nacional: metam lá mas é esta gentinha do governo. Mas não é só daqui a muitos anos (ou quando morrerem) é já! Ok?

Quanto às Cratinices, hoje não me apetece, ok? 
Como ele está sempre a cratinar, Cratinices é que não hão-de faltar numa próxima vez!
A não ser que se demita já amanhã...  

Mensagens populares deste blogue

Anita no Facebook

O Facebook anda a fazer-me mal. O chato é que preciso daquilo como ferramenta de trabalho e acaba por ser difícil desligar de vez ou até fazer um intervalinho com fins terapêuticos.
Ultimamente, ando tão farta de por ali andar que já tudo me parece os livros da Anita.
Antes do Verão: Anita corre quilómetros para caber no biquíni
Em férias:  Anita mete o pezinho na areia e o nariz no mar
Em dias de sol: Anita vai à esplanada com as amigas e diverte-se a potes
No fim das férias:  Anita volta para o trabalho chateadíssima, mas, pronto, a vida é assim e tem que trabalhar
À hora das refeições:  Anita cozinha um delicioso jantar cheio de super-alimentos e de baixas calorias ou  Anita vai almoçar a um sítio todo fashion, come imenso marisco e bebe sangria de champagne
Tarde de sábado:  Anita vai a uma exposição qualquer interessantíssima ou Anita sai à rua e vê as pessoas a passar
Sábado à noite:  Anita dança e bebe gin 
Tarde de domingo:  Anita vê um filme com a família ou Anita tem umas flores lindas…

Espaços vagos

O luto não se faz só pelas pessoas que nos faltam e que se vão pelo fim da vida. Faz-se também e amiúde por aquilo que vamos perdendo: a paz, a realização pessoal, os sítios em que nos sentimos bem e que temos de abandonar, os ambientes, os cheiros. Perdemos bocados de nós à medida que vamos ganhando outros ou transmutando os que tínhamos.

Há uma necessidade de luto não só na morte, mas na vida. É preciso o silêncio, a auto-comiseração, a dor profunda que nos permite emergir renovados e abertos ao que vem a seguir. Se não deixamos ir aquilo que nos sai da pele e da alma, dificilmente conseguimos arranjar espaço para aquilo que se segue. Somos limitados em espaço, temos pouco terreno para muitas coisas e enchemos o que temos com aquilo que nos preenche de verdade.
Ao contrário do que nos parece, a perda faz-nos bem. Faz-nos evoluir, torna-nos mais fortes e permite-nos valorizar tanto o que se foi, quanto o que virá. Só os espaços vagos se podem ocupar e se não os ocupamos com aquilo qu…