Avançar para o conteúdo principal

A Liberdade de Viver Um Dia de Cada Vez

Durante a minha luta oncológica, disseram-me várias vezes "tem que aprender a viver um dia de cada vez!" 
Nunca consegui. Pensava " viver um dia de cada vez, o tanas! Isto não é viver, é uma merda! Para quê prolongar esta merda? Tratamentos, stress, a vida por um fio, dúvida, sempre a dúvida se o dia seguinte chegará, dor em mim e nos outros. Não quero prolongar isto, quero que passe rápido para a seguir sim, viver de verdade! Todos os dias, vivê-los e saboreá-los, depois". 
Assim fiz. Durante aquele ano de tratamentos, mais coisa menos coisa, vivi em estado moribundo. Deixei que me virassem do avesso, fui às quimios, às radios, às consultas, aos exames, às pequenas cirurgias, etc., etc. Bebi os dois litros de água diários, religiosamente, deixei de fumar, de comer as coisas que me faziam mal, tomei todos os medicamentos que me receitaram à hora certa, enfim, portei-me como a mais bem-comportada das doentes. Na verdade, não vivi aqueles tempos, apenas andei por aí na esperança que acabassem depressa. Mas fui conseguindo aproveitar os poucos momentos bons que me apareciam, com alguma tristeza latente e com a sensação de que poderia ser a última vez que iria viver aquilo, mas aproveitando. Cada minuto de amor, era vivido intensamente. Talvez não vivido, mas sentido, sentido intensamente. 
Um dia de cada vez nunca consegui. Queria todos aqueles dias num, numa hora, num minuto, num segundo. Tudo o mais rápido possível para, a seguir, viver. Desejava poder fazer forward àquela parte da vida como a uma parte chata de uma canção. Acho que, por um lado, até o consegui, pois apaguei da memória muitos momentos dolorosos dessa altura. Tenho essa capacidade de seleccionar memórias, de guardar apenas aquilo que me parece que vale a pena. O resto varro lá bem para trás de todas as memórias que pretendo ir buscar amiúde, arrumo-o tão bem que raramente o volto a encontrar.

Agora que já passaram alguns anos sobre este coma voluntário, e que já me sinto capaz de tentar analisar o porquê de optar por viver moribunda nos dias que podiam ter sido os meus últimos, acho que o fiz sim por medo, claro, mas também pela perspectiva da liberdade futura. Foi como se aceitasse a clausura apenas para poder ser livre outra vez. Privar-me de tudo o que fosse necessário para depois voltar a voar. Ao meu ritmo, à minha vontade. Voar tão só. Voar alto em direcção ao prazer, ao lado bom da vida.
É óbvio que podia ter corrido mal e eu ter morrido pelo caminho como tantos outros morrem. Mas daquela vez não correu mal. Libertei-me da doença (não sabemos por quanto tempo, mas libertei) e ainda aqui estou, não plenamente feliz, mas ainda aqui estou. 

E fico a matutar no "não plenamente feliz"...
O que me impede de ser "plenamente feliz" agora?

Ainda não conseguir viver um dia de cada vez. Não pela doença e as merdas que traz a reboque, que me têm deixado descansar um pouco apesar da sombra que mantêm sobre mim, mas porque os meus dias não são suficientemente bons para que os queira devagar. Continuo a querê-los rápidos, muito rápidos.

Porquê?

Pela falta de liberdade. Estou livre de doença por agora (pelo menos até à próxima consulta), mas não estou livre de verdade. Não faço o que me dá prazer e isso é uma prisão. Por mais que esteja com quem gosto, por mais saudável que seja, se não fizer profissionalmente o que me dá prazer, vou estar sempre presa. E estar presa a maior parte dos meus dias faz-me querê-los rápidos e que cheguem ao fim o mais depressa possível. Para inverter isto e atrasar o correr da vida, tenho que saber fazer a maior parte dos dias boa, tenho que fazer mais coisas de que gosto do as de que não gosto, tenho que estar mais em sítios agradáveis do que em desagradáveis e tenho que dar um sentido e uma direcção à minha vida. Tenho muito trabalhinho para fazer, ainda.

Agora que já sei que quero viver um dia de cada vez como sempre me aconselharam, também sei que o que não quero é esta vida presa.
Quero voltar a voar. Ao meu ritmo, à minha vontade. Voar tão só. Voar alto em direcção ao prazer e às partes boas da vida, saudável e com quem amo ao lado, mas essencialmente, quero viver livre, livre para viver um dia de cada vez.

Mensagens populares deste blogue

"Bom dia e as melhoras!"

IPO - 9h da manhã

Indicam-me a sala de espera da radiologia. Há uma televisão que vai distraindo as pessoas sentadas, alinhadas, de frente para ela.
Sento-me no sofá por baixo da televisão e de frente para os espectadores pouco atentos às notícias da manhã.
O ar que se respira nas salas de espera do IPO é sempre um pouco solene. Vive-se a incerteza e espera-se o desconhecido. O silêncio e as palavras ditas em murmúrios impregnam o ambiente de uma musicalidade suave. Como se fosse o som de fundo de uma floresta imergida na fatalidade perene.

Chamam-me para o exame. Sigo a "operacional" - como chamam hoje às funcionárias dos hospitais - até ao gabinete onde me devo despir da cintura para cima e vestir a bata branca com centenas de IPOs estampados.
Faço o que me mandam e tiro o piercing do umbigo. Tiro o piercing do umbigo sempre que sou irradiada. Tenho a sensação que o metal do brinco pode projectar as radiações para lugares inusitados se não o fizer. Talvez seja uma crença o…

A sesta

Às vezes ainda sinto o cheiro do colchão forrado a plástico impermeável azul do infantário. Volto à sala dos quatro anos, onde, na semi-obscuridade, tento dormir.
Vejo as persianas descidas quase até acima e conto os quadradinhos de luz que saem das duas últimas filas dos estores que ficaram por fechar. Fixo os olhos na luz e na vontade de sair para rua num dia bonito de Verão. Estou aprisionada naquela sala transformada em dormitório infantil e sinto, hoje, a mesma impaciência que sentia pelo fim da hora da sesta.

A Preciosa e a Isabel cochicham junto à porta, enquanto controlam quem ainda não dorme. Estão sentadas nas cadeiras minúsculas e rodeadas por um clarão de luz. Invejo-as por ninguém as obrigar a dormir, por estarem ali na conversa, ao contrário de mim que estou aprisionada no colchão com a cara colada ao plástico azul. Tento descolar-me do colchão, mas o movimento da minha cabeça denunciar-me-ia às educadoras.
Olho para o meu colega do lado, também de quatro anos, que dorme…

Macacos do Nariz

O J. voltou a perguntar qual era o verdadeiro nome dos macacos do nariz e, uma vez mais, não lhe soubemos responder.
O pai tentou: -Detritos nasais!
Eu tentei: -Fluídos nasais secos!
As nossas tentativas não satisfizeram nenhum de nós três ...  O J. diz: -Temos que perguntar à Drª, como ela é médica deve saber ...
Fiquei a pensar onde poderia encontrar a resposta a esta questão sem ter que perguntar à médica ... 
Consultei a enciclopédia, o dicionário, procurei na net e ... nada, nem a mais pequena referência à designação científica para macacos do nariz ...

Confesso que nunca me tinha passado pela cabeça que os macacos do nariz tinham outro nome ...

As coisas em que este miúdo me põe a pensar ...

Este blogue vai descansar uns diazinhos, mas volta, com a maior brevidade possível!


Marcadores #6

- A Gabrielle é inocente, podes acreditar! Quando a conheceres vais ter vontade de a defender, vais ver – Cármen estava exausta, por isso Ana resolveu fazer uma pausa na conversa para a mãe descansar. Levantou-se e dirigiu-se à cozinha para ir buscar um copo de água. Quando voltou, abriu a gaveta da mesinha-de-cabeceira e tirou várias qualidades de comprimidos. Olhou para o papelinho que os acompanhava que descrevia as quantidades e horários e começou a separar os que pertenciam àquela hora. Juntou seis que Cármen teria de deglutir uns atrás dos outros. Passou-os um a um, para a mão da mãe, que os tentou empurrar garganta abaixo com a ajuda de doridos golos de água.             Cármen quebrou o silêncio para dizer que guardava cartas trocadas com Gabrielle no tempo em que a amiga trabalhou na Alemanha e que gostava que a filha as lesse. Era uma forma de conhecer Gabrielle, explicou. Apontou para uma caixinha de madeira que se encontrava sobre a cómoda debaixo da janela que continh…