Avançar para o conteúdo principal

Lençóis de Flanela

Cá em casa, desde que aderimos aos lençóis pretos que não tínhamos lençóis de flanela na cama. 
No fim-de-semana passado, pensei "que se lixe a cama bonita, quero é uma cama quentinha!". Fui buscar os velhinhos lençóis de flanela à gaveta e, com eles, tornámos a cama um lugar bem mais agradável.
Hoje de manhã, o J., que não conhecia estes lençóis (vejam lá, há quantos anos ando a deitar-me numa cama gelada!), quando veio para a nossa cama, ficou fascinado e não se queria levantar nem por nada deste mundo. "Mãe, não quero sair daqui! Está-se tão bem..."

Há bocado, quando o fui deitar, disse-me:
- Eu queria era ir dormir para a vossa cama...
- Pois, mas não pode ser. Cada um dorme na sua cama!
- Então, quero uns lençóis como os vossos. Uns assim, tãããããão quentiiiinhos. Onde os arranjaste?
- Oh, já são velhinhos! - respondi, a pensar que o meu filho, de nove anos, ainda não conhecia lençóis de flanela. Que falha desgraçada! Coitada da criança, tantos anos sem conhecer o prazer de se deitar numa cama que não está gelada...
- Arranjem uns desses para a minha caminha, arranjam? Onde se compram?
- Numa loja que venda lençóis. Sim, vamos arranjar. Queres como prenda de Natal? - perguntei para ver se finalmente me dizia o que queria que lhe déssemos no Natal.
- Pode ser... - respondeu simplesmente.

Quando o J. era pequenino, o pediatra aconselhou-nos a não lhe pormos lençóis de flanela na cama por causa das infecções respiratórias que sofria semana sim, semana sim, durante todo o inverno. Por isso, nunca comprámos lençóis destes para a cama dele e também deixámos de os pôr na nossa. Mais tarde, vieram os lençóis pretos a condizer com as capas de edredão e os velhinhos, de flanela, acabaram por ficar esquecidos na gaveta. Até ao fim-de-semana passado...

Esta noite, quando me despedi do J., ainda me disse:
- Amanhã, vou acordar mais cedo para ir para a vossa cama e dormir um bocadinho nos lençóis de naftalina!
- Naftalina?
- Sim. Ou lá como se chamam os lençóis quentinhos...
- Flanela!
- Pois... É isso!

Comentários

  1. :)
    Eu sempre usei de flanela, pois sou uma friorenta-nata e entrar em lençõis gelados, era para mim um sofrimento atroz.
    O ano passado descobri os polares. Verdade que depois de algumas lavagens ficam "sem cara, nem olhos", mas estou como tu, quero é uma cama quentinha. Por isso de Inverno, a cama do puto-reguila e a minha, são uns forninhos muito difíceis de abandonar! :)
    Beijoca

    ResponderEliminar
  2. Aqui em casa ainda usamos nas duas caminhas.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  3. Benedita,
    Ai os polares.... Não posso conhecer isso, senão o meu homem morre assado! ;)
    Bjs

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue

No Meu Colo

É incrível que quando vens de manhã deitar-te a meu lado, o abraço que me dás continue a ser com aqueles braços pequeninos de há anos. O estado semi-adormecido em que me encontro não distingue os anos que já passaram. Sinto as tuas mãos pequeninas a apertarem instintivamente o meu braço, como se ainda não conseguissem controlar a força ou o movimento; como se, ainda, tivessem os dedos gordinhos e minúsculos.  Abro os olhos e estás grande, mas a expressão do teu rosto é igual à do bebé que me cabia no colo. De certa forma, continuas a caber-me no colo...  O meu peito abraça-te, não os braços. E com o peito podemos abraçar o mundo. Cabe-nos tudo cá dentro. E tu, mesmo quando não estás, estarás sempre aqui dentro. No meu peito. E no meu colo. De certa forma, continuarás sempre a caber-me no colo. 

O Tuga é Fixe!

Sim, o tuga é fixe. E bondoso. Tão bondoso que até quando tira a selfie em frente ao velho monumento, o faz com cara de anjo e dentes arreganhados. Não interessa o calhau que lhe serve de fundo, interessa apenas o sorriso repleto de bondade. Resplandecente de bondade.  A benevolência é tal que está sempre pronto a dar o pedaço de pão ao pobre, a fazer o voluntariadozinho junto dos coitadinhos, a salvar o cão que lhe matou o filho, a levar o refugiado para casa... Coração imenso, grandioso. Só tem um bocadito de medo de votar diferente nas urnas, não vá um estranho para o poder e lhe troque as voltas. E mude alguma coisa no país que o faça deixar de saber onde está o coitadinho, como se pode desviar do pobre, se cortaram as unhas ao cão ou quem é o refugiado. E tem medo de exigir que os governos governem e que a igualdade se torne realidade. (É que estas coisas acabadas em "ade" sempre foram tão perigosas... Assim como a liberdade que, ao fim de quarenta anos, ainda não