Avançar para o conteúdo principal

Subir e Descer a Escadaria

Há coisas estranhas... 
Parece-me estranho quem faz manifestações tantas vezes, reivindica direitos, luta com força, e opõe-se, opõe-se e opõe-se ao governo, vir agora "atirar pedras" aos polícias que subiram a escadaria da assembleia, e aos que os deixaram subir. Acham mal os manifestantes polícias terem subido a escadaria da assembleia. Acham mal os outros polícias, que estavam de serviço, os terem deixado subir. Mas enquanto manifestantes já queriam subir a escadaria e já achavam mal as forças de segurança não os deixarem subir. Acho estranho e acho piada ao mesmo tempo. Tem piada as pessoas mudarem de opinião como quem muda de camisa, conforme o sítio onde estão. Se estão em casa a ver as notícias, os polícias deviam carregar carga nos manifestantes e os manifestantes deviam comportar-se civilizadamente. Se estão em frente à assembleia, os polícias deviam ser uns docinhos e deixá-los passar, enquanto se defendem das pedras que lhes atiram, para onde quisessem ir.

E acho piada as massas tornarem-se nas massas que o governo quer que sejam. As massas são amassadas e moldadas e acabam encaixando-se perfeitamente nas formas onde as metem.

Pessoalmente, estou muito contente pelo que aconteceu na manifestação dos polícias. Sinto-a como uma vitória nossa, nossa sim, nossa, de nós, povo.
Ao contrário do que acontece em certas greves, os polícias mostraram-se unidos. Porque os polícias não podem fazer greve, a manifestação e a inacção dos que estavam de serviço, mostrou uma união que não vemos em certas greves, em que uns fazem greve e outros a furam. Não pensem que estou a confundir termos, comparo greve e a manifestação dos polícias propositadamente, porque são acções que requerem união. 
A união e a mensagem que estes deixaram ao governo deram-me uma certa esperança. Primeiro, porque os polícias se mostraram povo acima da profissão que exercem. Segundo, porque os que estavam de serviço e não agiram contra os seus pares e os que subiram a escadaria e a desceram, pacificamente e de livre e espontânea vontade, mostraram coragem, e ambos deixaram o aviso "o nosso poder é superior ao vosso, se nós não os protegermos, vocês estão feitos, por isso não brinquem connosco". 
Ao contrário dos que atiram pedras aos polícias tanto nas manifestações, quanto perante esta manifestação, eu estou com os polícias e acho que devemos agradecer-lhes e apoiá-los nesta luta que travam. Porque, tal como nós, eles são povo e reivindicam direitos que lhes foram retirados, e depois porque termos os polícias do nosso lado, na nossa luta, é uma força que nunca teremos se lhes continuarmos a atirar pedras. Por fim, porque, parece-me, todos queremos uma polícia melhor, com mais condições de trabalho e ordenados condignos.
E aos que dizem "a nós batem-nos e aos colegas permitem chegar ao cimo da escadaria, que injustiça!" só tenho a dizer "lembram-se da uma hora e tal que os polícias ficaram a levar com calhaus antes de baterem em alguém?" e "gostavam que os vossos parceiros de luta, por exemplo colegas de profissão, vos impedissem de reivindicar os vossos, e deles, direitos?"
Parece-me que não. 

Deixo apenas mais esta lembrança a quem já esqueceu : 

Comentários

  1. Tenho a certeza que nunca mais teremos nenhum episódio de Secos e Molhados no nosso país!

    A maior pena que tenho é que haja gente que estava a torcer para ver os polícias de serviço arrearem nos polícias manifestantes... como se a polícia fosse culpada de tantos males...

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue

Anita no Facebook

O Facebook anda a fazer-me mal. O chato é que preciso daquilo como ferramenta de trabalho e acaba por ser difícil desligar de vez ou até fazer um intervalinho com fins terapêuticos.
Ultimamente, ando tão farta de por ali andar que já tudo me parece os livros da Anita.
Antes do Verão: Anita corre quilómetros para caber no biquíni
Em férias:  Anita mete o pezinho na areia e o nariz no mar
Em dias de sol: Anita vai à esplanada com as amigas e diverte-se a potes
No fim das férias:  Anita volta para o trabalho chateadíssima, mas, pronto, a vida é assim e tem que trabalhar
À hora das refeições:  Anita cozinha um delicioso jantar cheio de super-alimentos e de baixas calorias ou  Anita vai almoçar a um sítio todo fashion, come imenso marisco e bebe sangria de champagne
Tarde de sábado:  Anita vai a uma exposição qualquer interessantíssima ou Anita sai à rua e vê as pessoas a passar
Sábado à noite:  Anita dança e bebe gin 
Tarde de domingo:  Anita vê um filme com a família ou Anita tem umas flores lindas…

Ler e escrever

Há uma candura e uma vontade de regressar à infância de quem lê e escreve. Ler, e escrever, vai para lá do que é o real. Leva-nos para um mundo imaginário, conduzido por quem escreve, mas só nosso, tão pessoal. Talvez por isso, ler e escrever sejam estreitos encontros com a solidão...

Quando se lê um livro, mergulha-se numa dimensão à parte. Trilha-se um caminho de ficção e trilha-se outro que só existe no nosso interior. Percorrem-se as dúvidas e as certezas, os sonhos e a realidade, como se fossem sempre tão próximos. Parte-se da fantasia para a existência, sem nunca se sair completamente de dentro de nós.
Ler, e escrever, é uma viagem ao tempo em que a imaginação nos comandava as emoções. É explorar o quarto escuro que nos apavorava ou os jardins que nos deslumbravam. É ir, e não voltar, aos lugares onde nos sentíamos sós e incompletos, mas ao mesmo tempo cheios de desconhecimento, inocência e ilusão.
Ler, e escrever, é um exercício egoísta, em que não cabe lá mais ninguém para além d…