Avançar para o conteúdo principal

Desumanidade

Uma e cinquenta da tarde. 

Os carrinhos de supermercado dos "sem-abrigo já meus conhecidos" são entornados num carro do lixo da CML e uma carrinha-de-caixa-aberta recolhe os carrinhos vazios.
Um único sem-abrigo presencia a cena, imóvel, com os pertences que conseguiu salvar ao lado, em silêncio. Não grita, não esbraceja, não refila. Observa a brutidade, o desprezo, a frieza, com que deitam fora o que amealharam. Observa, parado, em silêncio.

Eu passo e os pêlos dos braços arrepiam-se-me. 
Acabou tudo outra vez para aquela gente. Agora, há que recomeçar o nada do nada, reconstruir a sobrevivência a partir de um novo vazio. 
A imobilidade do homem é assustadora. Não luta. Não há força. Há resignação e tristeza.
E a frieza é tanta, o desprezo, a brutalidade, que sinto os olhos encherem-se de água... E o arrepio percorrer-me o corpo... 

Como é que um sol tão brilhante quanto este que nos ilumina, de repente, deixou que ficasse aqui tanto frio?

Comentários

  1. Glup... fiquei de estômago feito num nó e o coração apertado...

    Parece também que os tempos não parecem ir para melhor...

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue