Avançar para o conteúdo principal

Como é Bom Sentirmos Que Não Estamos Sós

Travar lutas contra o mundo e chegar à conclusão que estamos sós nas nossas opções é difícil. Não, não é difícil, é dificílimo. 

Eu e o pai do J. tivemos que tomar uma decisão bastante complicada relativamente ao futuro próximo do nosso filho. Tentámos adiá-la, pensámos em conjunto, discutimo-la, demos voltas e mais voltas, mas acabámos por decidir de acordo com as nossas convicções do que era melhor para ele. 
Juntámos esforços e, em conjunto, enfrentámos o mundo, um mundo pequeno, é certo, porque se circunscreve a uma área pequena, mas não um mundo insignificante. Apesar do esforço, a nossa árdua decisão abalou a vida do nosso filho, mexeu com amizades, com ambições, mudou-lhe rotinas e gerou uma data de inimigos, vá lá, opositores.
Durante a luta, sentimo-nos balançar, duvidámos várias vezes se estaríamos a fazer o mais correcto: Será que estamos a fazer bem? Será que vale a pena toda esta luta? Será que não o estamos a fazer sofrer desnecessariamente? Será que não teria sido melhor deixar a coisa andar para ver o que é que aconteceria? Eram perguntas que nos assaltavam constantemente. O assunto era conversa na ordem do dia e preocupação de todos os dias. 
Mas como a convicção era unânime, o princípio era o mesmo e os valores eram demasiado fortes para que os abandonássemos, conseguimos resistir a voltar atrás com a decisão tomada e armámo-nos até aos dentes para a luta que estava, ainda, no início. Fomo-nos apoiando mutuamente quando o outro se deixava levar pelo desânimo, agarrámo-nos às nossas crenças e defendemo-las com todas as nossas forças sempre que a luta assim o exigia. Ao mesmo tempo, fomos apoiando o J. incutindo-lhe os valores que defendíamos e dando-lhe a confiança de que tudo iria acabar em bem. 
Deixámos o tempo passar sem nunca descurarmos de observar as consequências da nossa acção. 
Mas a dúvida, se éramos nós que estávamos correctos ou o mundo, continuava a perturbar-nos... 
Até que, finalmente, apareceram pessoas a dar-nos razão. Pessoas que dominavam o tema vieram dizer-nos que estávamos certos, que o que fizemos foi o mais correcto, que é assim que as coisas funcionam, que o resto do mundo é que está errado e não nós.
E sentimo-nos confortados, apaziguados e acompanhados numa luta desigual em que o mundo é imenso e nós meras formigas. Descobrimos que, afinal, há mais formigas neste deserto e que o difícil, não, dificílimo, é mesmo encontrá-las.

Comentários

  1. Que bom que é encontrar famílias assim, coesas, unidas, que se defendem, no matter what.
    Tenho tido muitas dúvidas em relação a questões que afectam directamente o meu pequeno. E sou só eu a colocar a dúvida e depois e colocar hipóteses. E tenho dias que já não sei para onde orientar o pesamento...
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  2. O mais importante é que estejam juntos e que caminhem na mesma direcção, tu e o pai do J..
    Depois e desculpa o que vou dizer, sem nenhuma ofensa, já percebi por aqui que voc~es são "um pouco diferentes que o normal", e isso a mim em particular, agrada-me, porque a mim e ao meu marido, também dizem o mesmo. às vezes também pensamos que estamos contra o mundo, já nos arrependemos de muitas decisões, mas o importante é seguir os nossos valores, mesmo que tenhamos de dar uns passos atrás. Tudo na Vida é uma aprendizagem e se vocês acham que é o melhor para o vosso filho, quem são os outros para dúvidar??

    ResponderEliminar
  3. Benedita,
    Nem eu, Benedita. Orientar o pensamento num mundo que achamos estar ao contrário daquilo que defendemos é "difícil p'ra caramba"!
    Bjs

    ResponderEliminar
  4. Tanita,
    "um pouco diferentes do normal" foi a melhor coisa que já nos chamaste! Ofensa nenhuma, elogio!
    <3
    Bjs

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue

Anita no Facebook

O Facebook anda a fazer-me mal. O chato é que preciso daquilo como ferramenta de trabalho e acaba por ser difícil desligar de vez ou até fazer um intervalinho com fins terapêuticos.
Ultimamente, ando tão farta de por ali andar que já tudo me parece os livros da Anita.
Antes do Verão: Anita corre quilómetros para caber no biquíni
Em férias:  Anita mete o pezinho na areia e o nariz no mar
Em dias de sol: Anita vai à esplanada com as amigas e diverte-se a potes
No fim das férias:  Anita volta para o trabalho chateadíssima, mas, pronto, a vida é assim e tem que trabalhar
À hora das refeições:  Anita cozinha um delicioso jantar cheio de super-alimentos e de baixas calorias ou  Anita vai almoçar a um sítio todo fashion, come imenso marisco e bebe sangria de champagne
Tarde de sábado:  Anita vai a uma exposição qualquer interessantíssima ou Anita sai à rua e vê as pessoas a passar
Sábado à noite:  Anita dança e bebe gin 
Tarde de domingo:  Anita vê um filme com a família ou Anita tem umas flores lindas…

Ler e escrever

Há uma candura e uma vontade de regressar à infância de quem lê e escreve. Ler, e escrever, vai para lá do que é o real. Leva-nos para um mundo imaginário, conduzido por quem escreve, mas só nosso, tão pessoal. Talvez por isso, ler e escrever sejam estreitos encontros com a solidão...

Quando se lê um livro, mergulha-se numa dimensão à parte. Trilha-se um caminho de ficção e trilha-se outro que só existe no nosso interior. Percorrem-se as dúvidas e as certezas, os sonhos e a realidade, como se fossem sempre tão próximos. Parte-se da fantasia para a existência, sem nunca se sair completamente de dentro de nós.
Ler, e escrever, é uma viagem ao tempo em que a imaginação nos comandava as emoções. É explorar o quarto escuro que nos apavorava ou os jardins que nos deslumbravam. É ir, e não voltar, aos lugares onde nos sentíamos sós e incompletos, mas ao mesmo tempo cheios de desconhecimento, inocência e ilusão.
Ler, e escrever, é um exercício egoísta, em que não cabe lá mais ninguém para além d…