Avançar para o conteúdo principal

CAMBADA DE IDIOTAS

Podia, devia, vir aqui, dizer mal do governo. Sim, podia e devia. Talvez isso fosse o mais acertado, o mais correcto, o mais normal. Mas não. Venho apenas "consternar-me". Com o governo, com o país, com este povo. Especialmente com este povo.

Somos uma camabada de IDIOTAS!

(Desculpem-me se feri susceptibilidades, mas se feri, aviso já que este texto tem uma bolinha vermelha no canto superior direito e se estão sensíveis hoje, voltem cá só amanhã, ok?)

Esta camabada de IDIOTAS, que nós somos, é tão execrável que me dá vómitos! 
Ouvir o meu homem dizer "vamos embora, vamos embora desta merda de país! Já não aguento mais esta merda de gente!" e ler o desalento nos seus olhos, porque grande parte desta CAMBADA DE IDIOTAS concorda que lhes cortem os braços e as pernas para sustentar uns vampiros que nos querem chupar o tutano para encherem os bolsos de grandes grupos económicos, e que ainda lhes oferecem os restantes membros ao corte em nome de uma invejazinha mascarada de benevolência, mostra-me que este túnel não tem luz ao fundo.

Arrumei o politicamente correcto na gaveta e a partir de agora só me vai sair sinceridade, doa a quem doer. Desculpem lá, mas se se sentirem ofendidos, vão ler outro blogue mais simpático, que hoje não estou nada simpática, e só de pensar que pode haver aí alguém amuado me irrita. 
Somos uma merda de povo que deixa que nos caguem em cima e pede mais! Somos uns pacóvios armados aos pingarelhos com a mania das importâncias, mas sem um pingo de dignidade. Deixamo-nos manipular por uma data de otários, para parecermos uns meninos bonitos aos olhos dos "camones". Até os angolanos já nos toparam! Pensávamos que os enganávamos com a nossa ganância disfarçada de bondade, mas até eles, que durante tantos anos fingiram que nos perdoaram todas as atrocidades que lhes fizemos durante a guerra, perceberam que somos um engodo. Só a CAMBADA DE IDIOTAS é que ainda não percebeu o quão idiota é. E continua a "idiotar" por aí como se ainda houvesse amanhã.
Perdoamos os cabrões que nos fodem todos os dias, lixamos o nosso parceiro e quem nos dá a mão, gozamos com quem luta pelos nossos direitos, pelos direitos de que abrimos mão para agradar aos gajos do poder e do dinheiro, lambemos botas a impostores, e no fim, ainda dizemos que somos todos muito bonzinhos e que queremos o bem ao nosso irmão.

Vão-se catar, seus filhos da puta! Vão-se catar, sua cambada de idiotas! Peguem no pingo minúsculo de dignidade que ainda vos resta e ergam-na sobre as vossas cabeças em prol de um país de jeito, de uma sociedade condigna, justa e verdadeira. Lutem por todos e não só por alguns! Lutem por vocês, pelos vossos filhos e netos e deixem de envergonhar os vossos avós que passaram as passas do Algarve para vos darem a oportunidade de falarem e de fazerem alguma coisa para mudar esta merda!

Mensagens populares deste blogue

A sesta

Às vezes ainda sinto o cheiro do colchão forrado a plástico impermeável azul do infantário. Volto à sala dos quatro anos, onde, na semi-obscuridade, tento dormir.
Vejo as persianas descidas quase até acima e conto os quadradinhos de luz que saem das duas últimas filas dos estores que ficaram por fechar. Fixo os olhos na luz e na vontade de sair para rua num dia bonito de Verão. Estou aprisionada naquela sala transformada em dormitório infantil e sinto, hoje, a mesma impaciência que sentia pelo fim da hora da sesta.

A Preciosa e a Isabel cochicham junto à porta, enquanto controlam quem ainda não dorme. Estão sentadas nas cadeiras minúsculas e rodeadas por um clarão de luz. Invejo-as por ninguém as obrigar a dormir, por estarem ali na conversa, ao contrário de mim que estou aprisionada no colchão com a cara colada ao plástico azul. Tento descolar-me do colchão, mas o movimento da minha cabeça denunciar-me-ia às educadoras.
Olho para o meu colega do lado, também de quatro anos, que dorme…

"Bom dia e as melhoras!"

IPO - 9h da manhã

Indicam-me a sala de espera da radiologia. Há uma televisão que vai distraindo as pessoas sentadas, alinhadas, de frente para ela.
Sento-me no sofá por baixo da televisão e de frente para os espectadores pouco atentos às notícias da manhã.
O ar que se respira nas salas de espera do IPO é sempre um pouco solene. Vive-se a incerteza e espera-se o desconhecido. O silêncio e as palavras ditas em murmúrios impregnam o ambiente de uma musicalidade suave. Como se fosse o som de fundo de uma floresta imergida na fatalidade perene.

Chamam-me para o exame. Sigo a "operacional" - como chamam hoje às funcionárias dos hospitais - até ao gabinete onde me devo despir da cintura para cima e vestir a bata branca com centenas de IPOs estampados.
Faço o que me mandam e tiro o piercing do umbigo. Tiro o piercing do umbigo sempre que sou irradiada. Tenho a sensação que o metal do brinco pode projectar as radiações para lugares inusitados se não o fizer. Talvez seja uma crença o…

Marcadores #6

- A Gabrielle é inocente, podes acreditar! Quando a conheceres vais ter vontade de a defender, vais ver – Cármen estava exausta, por isso Ana resolveu fazer uma pausa na conversa para a mãe descansar. Levantou-se e dirigiu-se à cozinha para ir buscar um copo de água. Quando voltou, abriu a gaveta da mesinha-de-cabeceira e tirou várias qualidades de comprimidos. Olhou para o papelinho que os acompanhava que descrevia as quantidades e horários e começou a separar os que pertenciam àquela hora. Juntou seis que Cármen teria de deglutir uns atrás dos outros. Passou-os um a um, para a mão da mãe, que os tentou empurrar garganta abaixo com a ajuda de doridos golos de água.             Cármen quebrou o silêncio para dizer que guardava cartas trocadas com Gabrielle no tempo em que a amiga trabalhou na Alemanha e que gostava que a filha as lesse. Era uma forma de conhecer Gabrielle, explicou. Apontou para uma caixinha de madeira que se encontrava sobre a cómoda debaixo da janela que continh…