Avançar para o conteúdo principal

Tugalândia

Era uma vez um país distante situado num cantinho remoto da Europa. Tão distante que a maior parte dos americanos e uma grande parte dos europeus pensava que fazia parte da Espanholândia. Ao contrário do que estes povos pensavam, este país tinha um nome: Tugalândia. 
Neste país pequenino e rodeado por mar por todos os lados menos por um, viviam os Tugas, um povo pequenino de mentalidade, mas grande de aspirações.
Os Tugas estavam divididos em dois grandes grupos: o dos Espertalhex e o dos Otariadex. Mas havia ainda um minúsculo grupo de seu nome Interessadex.
Os Interessadex não tinham grande expressão, como grupo pequenino que eram, ninguém os ouvia. Podiam falar, falar e falar, que o que diziam só era ouvido pelos restantes membros do mesmo grupo. Os Espertalhex diziam que eles só tinham ideias utópicas, que viviam num mundo à parte e que não se conseguiam conectar com a realidade, etc., etc... Os Otariadex viviam fascinados com os Espertalhex e acreditavam em tudo os que estes lhes diziam. Não formulavam opiniões sem que os Espertalhex o permitissem, por isso nem reparavam que para além deles e dos Espertalhex, havia mais um grupinho que habitava aquele país.
Aos grandes grupos vigentes da Tugalândia separavam-nos a matreirice e o poder de oratória. Os Tugas Otariadex não eram matreiros, apenas tentavam ser para imitarem os Espertalhex e o seu poder de oratória era praticamente nulo.
Já os Espertalhex sabiam falar e falavam bem alto. E do alto. Quanto à matreirice, qualquer membro deste grupo, faria corar de vergonha as raposas das histórias infantis. 
Uma das técnicas mais apreciadas deles para aliciar os Otariadex era com doces. Sim, doces! Os Espertalhex sabiam que os Otariadex eram muito gulosos, por isso cada um deles tinha uma arca cheia de doces à porta de casa, que iam enchendo, enchendo, enchendo, até a arca jorrar doces à sua volta.  
Quando os Otariadex por ali passavam, atarefados para apanharem o autocarro que os levaria ao trabalho mal pago que os Espertalhex lhes tinham posto à disposição, olhavam os doces com desejo fervoroso. Alguns chegavam mesmo a salivar de um prazer imaginário, tal cão de Pavlov que ainda não provou o doce mas já sonhou com ele. Os Tugas Espertalhex, tal Pavlovs dos doces, iam experimentando uma campainha, que soavam em forma de palavras por eles proferidas, a cada Tuga Otariadex que passava à sua porta.

Os dias foram passando e os Tugas Otariadex salivando. 
Até que um dia, começaram a achar que os Espertalhex nunca mais se decidiam a dar-lhes um doce. Começaram a ficar aborrecidos e a rosnar um bocadinho enquanto salivavam, mas baixinho para que não os ouvissem muito bem.
Os Tugas Espertalhex, que de parvos não tinham nada, toparam aqueles rosnos e para que os Otariadex não os chateassem muito e não os impedissem de amealhar mais doces, resolveram, ao som campainha, dar um doce a cada Tuga Otariadex. 
Mal ouviram a campainha, os Tugas Otariadex logo se juntaram à porta das casas dos Espertalhex. Vinham de todos os lados. Eram autocarros, comboios, carros, e até mesmo bicicletas, cheios de Otariadex. Saltavam dos transportes e atropelavam-se para ver quem chegava primeiro. 
Neste grupo de Tugas havia sempre um ou outro que tinha veia Espertalhex e que, ora sacava de um embrulhinho a imitar os doces para aliciar os restantes e direccioná-los numa outra qualquer direcção que não a dos doces verdadeiros, ora sacava de uma faca de cozinha e desatava a esfaquear os gulosos adversários. 
Esta guerra entre Otariadex durou mais do que uma semana e foram morrendo alguns até que o primeiro pudesse sequer cheirar os doces.
Os Espetalhex, que faziam corar as raposas das histórias infantis em matreirice, apreciavam deliciados lá do alto das suas janelas, a bulha dos outros Tugas. E só quando o número de Otariadex ficou bem mais reduzido, é que lançaram o primeiro doce. 
Naquele momento, em que o doce voou até pousar na mão de um qualquer Otariadex em compulsão salivar, só se viam Tugas a amarfanharem-se. Era uma visão tenebrosa, mas os Espertalhex rejubilavam. 
Mal os Tugas sobreviventes puderam finalmente provar os doces, sossegaram, mas sossegaram tanto, que quem estivesse de fora juraria tinham morrido.

Na verdade, os Otariadex morreram mesmo, mas apesar de estarem mortos, ainda continuam a ter a ilusão de que estão vivos.

Mensagens populares deste blogue

A sesta

Às vezes ainda sinto o cheiro do colchão forrado a plástico impermeável azul do infantário. Volto à sala dos quatro anos, onde, na semi-obscuridade, tento dormir.
Vejo as persianas descidas quase até acima e conto os quadradinhos de luz que saem das duas últimas filas dos estores que ficaram por fechar. Fixo os olhos na luz e na vontade de sair para rua num dia bonito de Verão. Estou aprisionada naquela sala transformada em dormitório infantil e sinto, hoje, a mesma impaciência que sentia pelo fim da hora da sesta.

A Preciosa e a Isabel cochicham junto à porta, enquanto controlam quem ainda não dorme. Estão sentadas nas cadeiras minúsculas e rodeadas por um clarão de luz. Invejo-as por ninguém as obrigar a dormir, por estarem ali na conversa, ao contrário de mim que estou aprisionada no colchão com a cara colada ao plástico azul. Tento descolar-me do colchão, mas o movimento da minha cabeça denunciar-me-ia às educadoras.
Olho para o meu colega do lado, também de quatro anos, que dorme…

"Bom dia e as melhoras!"

IPO - 9h da manhã

Indicam-me a sala de espera da radiologia. Há uma televisão que vai distraindo as pessoas sentadas, alinhadas, de frente para ela.
Sento-me no sofá por baixo da televisão e de frente para os espectadores pouco atentos às notícias da manhã.
O ar que se respira nas salas de espera do IPO é sempre um pouco solene. Vive-se a incerteza e espera-se o desconhecido. O silêncio e as palavras ditas em murmúrios impregnam o ambiente de uma musicalidade suave. Como se fosse o som de fundo de uma floresta imergida na fatalidade perene.

Chamam-me para o exame. Sigo a "operacional" - como chamam hoje às funcionárias dos hospitais - até ao gabinete onde me devo despir da cintura para cima e vestir a bata branca com centenas de IPOs estampados.
Faço o que me mandam e tiro o piercing do umbigo. Tiro o piercing do umbigo sempre que sou irradiada. Tenho a sensação que o metal do brinco pode projectar as radiações para lugares inusitados se não o fizer. Talvez seja uma crença o…

Marcadores #6

- A Gabrielle é inocente, podes acreditar! Quando a conheceres vais ter vontade de a defender, vais ver – Cármen estava exausta, por isso Ana resolveu fazer uma pausa na conversa para a mãe descansar. Levantou-se e dirigiu-se à cozinha para ir buscar um copo de água. Quando voltou, abriu a gaveta da mesinha-de-cabeceira e tirou várias qualidades de comprimidos. Olhou para o papelinho que os acompanhava que descrevia as quantidades e horários e começou a separar os que pertenciam àquela hora. Juntou seis que Cármen teria de deglutir uns atrás dos outros. Passou-os um a um, para a mão da mãe, que os tentou empurrar garganta abaixo com a ajuda de doridos golos de água.             Cármen quebrou o silêncio para dizer que guardava cartas trocadas com Gabrielle no tempo em que a amiga trabalhou na Alemanha e que gostava que a filha as lesse. Era uma forma de conhecer Gabrielle, explicou. Apontou para uma caixinha de madeira que se encontrava sobre a cómoda debaixo da janela que continh…