Avançar para o conteúdo principal

Tugalândia

Era uma vez um país distante situado num cantinho remoto da Europa. Tão distante que a maior parte dos americanos e uma grande parte dos europeus pensava que fazia parte da Espanholândia. Ao contrário do que estes povos pensavam, este país tinha um nome: Tugalândia. 
Neste país pequenino e rodeado por mar por todos os lados menos por um, viviam os Tugas, um povo pequenino de mentalidade, mas grande de aspirações.
Os Tugas estavam divididos em dois grandes grupos: o dos Espertalhex e o dos Otariadex. Mas havia ainda um minúsculo grupo de seu nome Interessadex.
Os Interessadex não tinham grande expressão, como grupo pequenino que eram, ninguém os ouvia. Podiam falar, falar e falar, que o que diziam só era ouvido pelos restantes membros do mesmo grupo. Os Espertalhex diziam que eles só tinham ideias utópicas, que viviam num mundo à parte e que não se conseguiam conectar com a realidade, etc., etc... Os Otariadex viviam fascinados com os Espertalhex e acreditavam em tudo os que estes lhes diziam. Não formulavam opiniões sem que os Espertalhex o permitissem, por isso nem reparavam que para além deles e dos Espertalhex, havia mais um grupinho que habitava aquele país.
Aos grandes grupos vigentes da Tugalândia separavam-nos a matreirice e o poder de oratória. Os Tugas Otariadex não eram matreiros, apenas tentavam ser para imitarem os Espertalhex e o seu poder de oratória era praticamente nulo.
Já os Espertalhex sabiam falar e falavam bem alto. E do alto. Quanto à matreirice, qualquer membro deste grupo, faria corar de vergonha as raposas das histórias infantis. 
Uma das técnicas mais apreciadas deles para aliciar os Otariadex era com doces. Sim, doces! Os Espertalhex sabiam que os Otariadex eram muito gulosos, por isso cada um deles tinha uma arca cheia de doces à porta de casa, que iam enchendo, enchendo, enchendo, até a arca jorrar doces à sua volta.  
Quando os Otariadex por ali passavam, atarefados para apanharem o autocarro que os levaria ao trabalho mal pago que os Espertalhex lhes tinham posto à disposição, olhavam os doces com desejo fervoroso. Alguns chegavam mesmo a salivar de um prazer imaginário, tal cão de Pavlov que ainda não provou o doce mas já sonhou com ele. Os Tugas Espertalhex, tal Pavlovs dos doces, iam experimentando uma campainha, que soavam em forma de palavras por eles proferidas, a cada Tuga Otariadex que passava à sua porta.

Os dias foram passando e os Tugas Otariadex salivando. 
Até que um dia, começaram a achar que os Espertalhex nunca mais se decidiam a dar-lhes um doce. Começaram a ficar aborrecidos e a rosnar um bocadinho enquanto salivavam, mas baixinho para que não os ouvissem muito bem.
Os Tugas Espertalhex, que de parvos não tinham nada, toparam aqueles rosnos e para que os Otariadex não os chateassem muito e não os impedissem de amealhar mais doces, resolveram, ao som campainha, dar um doce a cada Tuga Otariadex. 
Mal ouviram a campainha, os Tugas Otariadex logo se juntaram à porta das casas dos Espertalhex. Vinham de todos os lados. Eram autocarros, comboios, carros, e até mesmo bicicletas, cheios de Otariadex. Saltavam dos transportes e atropelavam-se para ver quem chegava primeiro. 
Neste grupo de Tugas havia sempre um ou outro que tinha veia Espertalhex e que, ora sacava de um embrulhinho a imitar os doces para aliciar os restantes e direccioná-los numa outra qualquer direcção que não a dos doces verdadeiros, ora sacava de uma faca de cozinha e desatava a esfaquear os gulosos adversários. 
Esta guerra entre Otariadex durou mais do que uma semana e foram morrendo alguns até que o primeiro pudesse sequer cheirar os doces.
Os Espetalhex, que faziam corar as raposas das histórias infantis em matreirice, apreciavam deliciados lá do alto das suas janelas, a bulha dos outros Tugas. E só quando o número de Otariadex ficou bem mais reduzido, é que lançaram o primeiro doce. 
Naquele momento, em que o doce voou até pousar na mão de um qualquer Otariadex em compulsão salivar, só se viam Tugas a amarfanharem-se. Era uma visão tenebrosa, mas os Espertalhex rejubilavam. 
Mal os Tugas sobreviventes puderam finalmente provar os doces, sossegaram, mas sossegaram tanto, que quem estivesse de fora juraria tinham morrido.

Na verdade, os Otariadex morreram mesmo, mas apesar de estarem mortos, ainda continuam a ter a ilusão de que estão vivos.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Anita no Facebook

O Facebook anda a fazer-me mal. O chato é que preciso daquilo como ferramenta de trabalho e acaba por ser difícil desligar de vez ou até fazer um intervalinho com fins terapêuticos.
Ultimamente, ando tão farta de por ali andar que já tudo me parece os livros da Anita.
Antes do Verão: Anita corre quilómetros para caber no biquíni
Em férias:  Anita mete o pezinho na areia e o nariz no mar
Em dias de sol: Anita vai à esplanada com as amigas e diverte-se a potes
No fim das férias:  Anita volta para o trabalho chateadíssima, mas, pronto, a vida é assim e tem que trabalhar
À hora das refeições:  Anita cozinha um delicioso jantar cheio de super-alimentos e de baixas calorias ou  Anita vai almoçar a um sítio todo fashion, come imenso marisco e bebe sangria de champagne
Tarde de sábado:  Anita vai a uma exposição qualquer interessantíssima ou Anita sai à rua e vê as pessoas a passar
Sábado à noite:  Anita dança e bebe gin 
Tarde de domingo:  Anita vê um filme com a família ou Anita tem umas flores lindas…

Ler e escrever

Há uma candura e uma vontade de regressar à infância de quem lê e escreve. Ler, e escrever, vai para lá do que é o real. Leva-nos para um mundo imaginário, conduzido por quem escreve, mas só nosso, tão pessoal. Talvez por isso, ler e escrever sejam estreitos encontros com a solidão...

Quando se lê um livro, mergulha-se numa dimensão à parte. Trilha-se um caminho de ficção e trilha-se outro que só existe no nosso interior. Percorrem-se as dúvidas e as certezas, os sonhos e a realidade, como se fossem sempre tão próximos. Parte-se da fantasia para a existência, sem nunca se sair completamente de dentro de nós.
Ler, e escrever, é uma viagem ao tempo em que a imaginação nos comandava as emoções. É explorar o quarto escuro que nos apavorava ou os jardins que nos deslumbravam. É ir, e não voltar, aos lugares onde nos sentíamos sós e incompletos, mas ao mesmo tempo cheios de desconhecimento, inocência e ilusão.
Ler, e escrever, é um exercício egoísta, em que não cabe lá mais ninguém para além d…