Avançar para o conteúdo principal

Plantossoas ou Pessolantas

Em conversa pré-sono.

- Mãe, quando vi aquele cordão umbilical na Pais & Filhos, pareceu-me um polvo.
- Oh não, é tipo um saquinho com muitos fios lá dentro que são as veias e que levam os nutrientes ao bebé.
- Através do sangue?
- Sim, é o sangue que leva os nutrientes ao bebé quando está na barriga da mãe. É incrível esta história da vida, não é? Como pessoas dão origem a outras pessoas.
- Sim, é um bocado estranho!
- Pois é. Duas pessoas fazem outra pessoa dentro de uma delas.
- Felizmente, eu nunca vou ter uma pessoa dentro de mim!
- Felizmente??? É bom ter uma pessoa a crescer dentro de nós! Mas vais dar uma sementinha para a pessoa crescer dentro de outra pessoa!
- Sim, pois vou... Mas qualquer dia, isso vai acabar!
- Vai?
- Sim, vão-se criar pessoas através das plantas!
- Das plantas?! Então porquê?
- Porque isto vai tudo mudar! As pessoas vão-se juntar com as plantas e formar outras pessoas!
- Ah ah ah! Plantossoas?
- Sim, ou pessolantas! Ah ah ah!
- As pessolantas verdes e com braços vão trabalhar, mas à hora de almoço saem para a rua e põem o pezinho enfiado na terra para almoçarem, é isso?
- Ah ah ah ah! É! E ao jantar também!
- Sim, vai a família toda. E o pai diz à mãe "olha, rega aí o miúdo que ele anda com pouco apetite! Assim, fica mais bem alimentadinho!".
- Ah ah ah ah! Ó mãe, tu és mesmo maluca! Ah ah ah! E depois... depois o filho quer terra em forma de hambúrguer, ou de batatas, ou de sementes de sésamo...
- Sementes de sésamo?! Mas as pessolantas não podem comer sementes de sésamo, senão estão a ser canibais.
- Oh, pois é! E se fosse uma melancia do tamanho de uma pessoa?
- Oh, aí até eu a comia!
- Comias, não comias, mãe?
- Comia pois! Todinha!
- Sem pevides, nem nada....
- Oh, melhor ainda! Que delícia!
- Mas não a conseguias comer toda de uma vez...
- Pois não, mas ia comendo devagar. Todos os dias comia um bocadinho. Podes ficar descansado que não se estragava! Especialmente, aquela parte do meio, o coração da melancia!
- E o esófago?
- O esófago?! Mas as melancias não têm esófago!
- Pois não, mas esta podia ter... Ou então comias o meio... E eu comia a parte branca, que é a que mais gosto.
- Comias a casca?
- Sim, já comi casca de banana, de melão, de meloa e agora falta-me a de melancia.
- E gostas?
- Gosto!
- Óptimo! Porque eu gosto mais do meio, é mais docinho. Tínhamos a melancia bem dividida e sem discussões!
- Eh eh eh eh! Pois era!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Anita no Facebook

O Facebook anda a fazer-me mal. O chato é que preciso daquilo como ferramenta de trabalho e acaba por ser difícil desligar de vez ou até fazer um intervalinho com fins terapêuticos.
Ultimamente, ando tão farta de por ali andar que já tudo me parece os livros da Anita.
Antes do Verão: Anita corre quilómetros para caber no biquíni
Em férias:  Anita mete o pezinho na areia e o nariz no mar
Em dias de sol: Anita vai à esplanada com as amigas e diverte-se a potes
No fim das férias:  Anita volta para o trabalho chateadíssima, mas, pronto, a vida é assim e tem que trabalhar
À hora das refeições:  Anita cozinha um delicioso jantar cheio de super-alimentos e de baixas calorias ou  Anita vai almoçar a um sítio todo fashion, come imenso marisco e bebe sangria de champagne
Tarde de sábado:  Anita vai a uma exposição qualquer interessantíssima ou Anita sai à rua e vê as pessoas a passar
Sábado à noite:  Anita dança e bebe gin 
Tarde de domingo:  Anita vê um filme com a família ou Anita tem umas flores lindas…

Ler e escrever

Há uma candura e uma vontade de regressar à infância de quem lê e escreve. Ler, e escrever, vai para lá do que é o real. Leva-nos para um mundo imaginário, conduzido por quem escreve, mas só nosso, tão pessoal. Talvez por isso, ler e escrever sejam estreitos encontros com a solidão...

Quando se lê um livro, mergulha-se numa dimensão à parte. Trilha-se um caminho de ficção e trilha-se outro que só existe no nosso interior. Percorrem-se as dúvidas e as certezas, os sonhos e a realidade, como se fossem sempre tão próximos. Parte-se da fantasia para a existência, sem nunca se sair completamente de dentro de nós.
Ler, e escrever, é uma viagem ao tempo em que a imaginação nos comandava as emoções. É explorar o quarto escuro que nos apavorava ou os jardins que nos deslumbravam. É ir, e não voltar, aos lugares onde nos sentíamos sós e incompletos, mas ao mesmo tempo cheios de desconhecimento, inocência e ilusão.
Ler, e escrever, é um exercício egoísta, em que não cabe lá mais ninguém para além d…