Avançar para o conteúdo principal

Como Podemos Ter Crianças Bem-Educadas Se Temos Adultos Tão Mal-Educados?

Badoca Safari Park...

Má-Educação Nº 1 e 2
Antes de entrarmos no tractor-comboio que nos leva a observar animais em estado pseudo-selvagem, temos vários avisos, um deles é que não se pode comer durante a viagem. Entramos no tractor-comboio, o guia avisa a tripulação das várias normas de segurança e, quando paramos a primeira vez, vai a mãe da família que segue atrás de nós, saca da caixinha das bolachinhas e toca a distribuir bolachinhas pela pequenada que guincha como se não houvesse amanhã.

Má-Educação Nº 3
A cada paragem do dito tractor-comboio, o guia explica-nos as características de cada animal que avistamos. Os rebentos da mesma família gritam de histerismo. Os pais dos rebentos riem da gritaria. O guia não se ouve.

Má-Educação Nº 4
Um dos ditos rebentos guinchadores e comedores de bolachinhas quer ver hienas. A mãe do rebento aponta um gnu e identifica-o como uma hiena, depois de chamar gato a um tigre de bengala. Bchi, bchi, bchi, anda cá gatinho!

Má-Educação Nº 5
No Badoca há uma girafa feita de madeira para as crianças subirem e brincarem por ela adentro.
Uma menina francesa e o J. esperam que outras crianças desçam para eles subirem. 
Chega uma mãe com dois rebentos minúsculos para uma subida tão grande e perigosa e atira os rebentos para dentro da girafa à frente das crianças que esperam pacientemente a sua vez. Escusado será dizer, que os rebentos minúsculos tremeram só de pensar em descer de tão alto brinquedo e que aqui a chata se passou da cabeça e avisou a mãe dos rebentos que atirar rebentos minúsculos à frente das crianças que esperam a sua vez não é coisa bonita de se fazer.
A mãe ficou ofendida e teve que ser socorrida pelo pai da criança francesa para conseguir recuperar os seus rebentos de dentro da girafa. (Há tareias que não precisam de mãos, ah pois há!)
No final, ralhou com seus minúsculos porque quiseram subir à girafa. (Há gente, que por muita tareia que leve, não aprende, ah pois há!)

Como podemos ter crianças bem-educadas se temos adultos tão mal-educados?
Hã?

Comentários

  1. Mammy, ainda procuro pela resposta a essa mesma pergunta há anos!

    Há gente mesmo terrivelmente mal educada, que não têm sequer uma réstia de noção do que é educação e respeito...

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue

Anita no Facebook

O Facebook anda a fazer-me mal. O chato é que preciso daquilo como ferramenta de trabalho e acaba por ser difícil desligar de vez ou até fazer um intervalinho com fins terapêuticos.
Ultimamente, ando tão farta de por ali andar que já tudo me parece os livros da Anita.
Antes do Verão: Anita corre quilómetros para caber no biquíni
Em férias:  Anita mete o pezinho na areia e o nariz no mar
Em dias de sol: Anita vai à esplanada com as amigas e diverte-se a potes
No fim das férias:  Anita volta para o trabalho chateadíssima, mas, pronto, a vida é assim e tem que trabalhar
À hora das refeições:  Anita cozinha um delicioso jantar cheio de super-alimentos e de baixas calorias ou  Anita vai almoçar a um sítio todo fashion, come imenso marisco e bebe sangria de champagne
Tarde de sábado:  Anita vai a uma exposição qualquer interessantíssima ou Anita sai à rua e vê as pessoas a passar
Sábado à noite:  Anita dança e bebe gin 
Tarde de domingo:  Anita vê um filme com a família ou Anita tem umas flores lindas…

Ler e escrever

Há uma candura e uma vontade de regressar à infância de quem lê e escreve. Ler, e escrever, vai para lá do que é o real. Leva-nos para um mundo imaginário, conduzido por quem escreve, mas só nosso, tão pessoal. Talvez por isso, ler e escrever sejam estreitos encontros com a solidão...

Quando se lê um livro, mergulha-se numa dimensão à parte. Trilha-se um caminho de ficção e trilha-se outro que só existe no nosso interior. Percorrem-se as dúvidas e as certezas, os sonhos e a realidade, como se fossem sempre tão próximos. Parte-se da fantasia para a existência, sem nunca se sair completamente de dentro de nós.
Ler, e escrever, é uma viagem ao tempo em que a imaginação nos comandava as emoções. É explorar o quarto escuro que nos apavorava ou os jardins que nos deslumbravam. É ir, e não voltar, aos lugares onde nos sentíamos sós e incompletos, mas ao mesmo tempo cheios de desconhecimento, inocência e ilusão.
Ler, e escrever, é um exercício egoísta, em que não cabe lá mais ninguém para além d…