Avançar para o conteúdo principal

A Força e a Coragem do Cancro

Quando se fala de e para doentes oncológicos sobreviventes, muitas vezes ouvimos as palavras "força" e "coragem":
"Ai que ela deve ter uma força incrível para aguentar isso tudo!"; "Ele é um homem de coragem para vencer o cancro!"; "É preciso muita força!"; "Só uma mulher de coragem e cheia de força poderia estar aqui tão bem quanto ela está, depois de tudo por que passou!"

TRETAS!

Primeiro que tudo, o cancro não se vence. O cancro, por quem passa, deixa uma espada sobre a cabeça prestes a cair. Ela estará sempre lá, por mais que a tentemos esquecer. E pode cair a qualquer momento. A espada do cancro vai-nos espicaçando um pouco todos os dias para que nos lembremos que a nossa finitude é iminente. Até à data, curar um cancro é uma utopia. Vencer o cancro é outra ainda maior.

Para sobreviver ao cancro não é preciso força nenhuma, nem coragem. É preciso ter essencialmente sorte e bons médicos. E é preciso acreditar que nos vamos tratar, é ter vontade de viver e pôr essa vontade à prova. É deixar os nossos instintos de sobrevivência falarem mais alto do que tudo o resto. Mas força? Coragem? Não!
O doente oncológico vai ao fundo como todas as outras pessoas, só que, geralmente, vai um bocadinho mais fundo. Vê a vida por um fio, vê o corpo degradar-se, faz retrospectivas da vida mais amiúde e escolhe um caminho: deixar-se ir ou levantar-se. E há sempre os que se deixam ir, e que depois se levantam. E há sempre os que não se levantam, mas sobrevivem. E há os que vivem levantados e morrem.

Não há força nem coragem, há instinto de sobrevivência, sorte e bons médicos!

Comentários

  1. A parte dos bons médicos é a mais importante sem duvida....
    Essa é uma doença do diabo, atinje qualquer familia, ricos, pobres, altos, magros, é como uma roleta russa, pode calhar a qualquer um....
    Infelizmente já bateu vezes de mais a porta da minha familia....

    ResponderEliminar
  2. Acho que neste momento, não deve haver uma família em Portugal que não tenha pelo menos um caso de cancro. E o maior problema é que só não há cura, porque não convém às farmacêuticas.
    :(((
    Bjs

    ResponderEliminar
  3. Só quem passa por isso sabe, infelizmente também tenho casos na familia, nunca sei o que dizer...apenas tento que saibam que estou lá.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue

Anita no Facebook

O Facebook anda a fazer-me mal. O chato é que preciso daquilo como ferramenta de trabalho e acaba por ser difícil desligar de vez ou até fazer um intervalinho com fins terapêuticos.
Ultimamente, ando tão farta de por ali andar que já tudo me parece os livros da Anita.
Antes do Verão: Anita corre quilómetros para caber no biquíni
Em férias:  Anita mete o pezinho na areia e o nariz no mar
Em dias de sol: Anita vai à esplanada com as amigas e diverte-se a potes
No fim das férias:  Anita volta para o trabalho chateadíssima, mas, pronto, a vida é assim e tem que trabalhar
À hora das refeições:  Anita cozinha um delicioso jantar cheio de super-alimentos e de baixas calorias ou  Anita vai almoçar a um sítio todo fashion, come imenso marisco e bebe sangria de champagne
Tarde de sábado:  Anita vai a uma exposição qualquer interessantíssima ou Anita sai à rua e vê as pessoas a passar
Sábado à noite:  Anita dança e bebe gin 
Tarde de domingo:  Anita vê um filme com a família ou Anita tem umas flores lindas…

Ler e escrever

Há uma candura e uma vontade de regressar à infância de quem lê e escreve. Ler, e escrever, vai para lá do que é o real. Leva-nos para um mundo imaginário, conduzido por quem escreve, mas só nosso, tão pessoal. Talvez por isso, ler e escrever sejam estreitos encontros com a solidão...

Quando se lê um livro, mergulha-se numa dimensão à parte. Trilha-se um caminho de ficção e trilha-se outro que só existe no nosso interior. Percorrem-se as dúvidas e as certezas, os sonhos e a realidade, como se fossem sempre tão próximos. Parte-se da fantasia para a existência, sem nunca se sair completamente de dentro de nós.
Ler, e escrever, é uma viagem ao tempo em que a imaginação nos comandava as emoções. É explorar o quarto escuro que nos apavorava ou os jardins que nos deslumbravam. É ir, e não voltar, aos lugares onde nos sentíamos sós e incompletos, mas ao mesmo tempo cheios de desconhecimento, inocência e ilusão.
Ler, e escrever, é um exercício egoísta, em que não cabe lá mais ninguém para além d…