Avançar para o conteúdo principal

Melodia Silenciosa

Palavra que não se diz porque o olhar já disse
Melodia telepática em dueto que nos embala
Pensamento nosso que sai de outra boca

E dança ao som da música que vem de dentro

Membro que dói e não é nosso
Prazer que nos arde do corpo do outro
Amor borbulhante que vive no ar

E dança ao som da música que vem de dentro

Sonho partilhado em sonos distintos
Uivos em uníssono
Medo que queda no aconchego

E dança ao som da música que vem de dentro

Comentários

  1. Mammyamiga (Mammy + amiga)

    Poema lindo, lindo, lindo. Embora - e já disse isto milhentas vezes - eu seja mais virado para a Prosa, a Poesia também me toca quando... me toca. Um "Amor borbulhante que vive no ar" está muito bem "desarrincado"; é bué da fixe! (ai o que eu aprendo com os meus quatro netos mais uma neta...)

    Como é a primeira vez que aqui venho - e descubro este belo blogue - faço-te uma pergunta: como se chama o jovem que quer ser basquetebolista? Idade, sei: nove.

    Tenho [temos, eu e a Raquel(e fazemos 50 anos de casados a 26 de Dezembro deste ano)] três filhos, para nós os miúdos com quase 49, 47 e 44 e continuamos a lembrar os tempos em que eles eram putos.

    Quando o terceiro, o Luís Carlos, nasceu em Luanda, fui com a mamão barriguda à Casa de Saúde (?) A Raquel subiu e o Miguel - primogénito - e Paulo ficaram comigo no boguinhas, um Mitsubichi Colt.

    Vai daí o Miguel (que era o ingénua da famelga) perguntou-me: "Pai, onde foi a mãe" Que havia eu de responder? Estávamos no ano da graça de 1969, anote-se.

    "A mãe foi lá acima no lugar onde vai buscar o mano". Silêncio. Olhares suspeitosos. Desceu a Raquel, um tanto de trombil pelas condições do lugar.

    E o Miguel: Mãe, onde está o mano?" E o Paulo, convicto, nos seus três anos: "Tu não vês que ele ainda não estava pronto?!?!?!"

    Desculpa ter-te roubado tanto tempo; mas, gostei mesmo do Ser Mãe é tramado...

    Agora, que já te sigo, espero a tua retribuição lá na minha Travessa. Que depois de comentares, para a ser também tua... E podes saber um pouco mais cá do rapaz a caminho dos ... 72

    Qjs = queijinhos = beijinhos

    Henrique

    ResponderEliminar
  2. Henrique,
    Olá! Não, não é a primeira vez que cá vem. Já cá veio pelo menos uma vez convidar-me para ir visitar a sua Travessa. Já a visitei e comentei também pelo menos uma vez.
    Sempre que quiser pode voltar, nem que seja para me voltar a convidar para o visitar.
    Bjs

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue

Anita no Facebook

O Facebook anda a fazer-me mal. O chato é que preciso daquilo como ferramenta de trabalho e acaba por ser difícil desligar de vez ou até fazer um intervalinho com fins terapêuticos.
Ultimamente, ando tão farta de por ali andar que já tudo me parece os livros da Anita.
Antes do Verão: Anita corre quilómetros para caber no biquíni
Em férias:  Anita mete o pezinho na areia e o nariz no mar
Em dias de sol: Anita vai à esplanada com as amigas e diverte-se a potes
No fim das férias:  Anita volta para o trabalho chateadíssima, mas, pronto, a vida é assim e tem que trabalhar
À hora das refeições:  Anita cozinha um delicioso jantar cheio de super-alimentos e de baixas calorias ou  Anita vai almoçar a um sítio todo fashion, come imenso marisco e bebe sangria de champagne
Tarde de sábado:  Anita vai a uma exposição qualquer interessantíssima ou Anita sai à rua e vê as pessoas a passar
Sábado à noite:  Anita dança e bebe gin 
Tarde de domingo:  Anita vê um filme com a família ou Anita tem umas flores lindas…

Ler e escrever

Há uma candura e uma vontade de regressar à infância de quem lê e escreve. Ler, e escrever, vai para lá do que é o real. Leva-nos para um mundo imaginário, conduzido por quem escreve, mas só nosso, tão pessoal. Talvez por isso, ler e escrever sejam estreitos encontros com a solidão...

Quando se lê um livro, mergulha-se numa dimensão à parte. Trilha-se um caminho de ficção e trilha-se outro que só existe no nosso interior. Percorrem-se as dúvidas e as certezas, os sonhos e a realidade, como se fossem sempre tão próximos. Parte-se da fantasia para a existência, sem nunca se sair completamente de dentro de nós.
Ler, e escrever, é uma viagem ao tempo em que a imaginação nos comandava as emoções. É explorar o quarto escuro que nos apavorava ou os jardins que nos deslumbravam. É ir, e não voltar, aos lugares onde nos sentíamos sós e incompletos, mas ao mesmo tempo cheios de desconhecimento, inocência e ilusão.
Ler, e escrever, é um exercício egoísta, em que não cabe lá mais ninguém para além d…