Avançar para o conteúdo principal

Diferença ou Igualdade?

Eis a questão...

Quando educamos os nossos filhos, o que lhes queremos transmitir?
Queremos que sejam felizes, certo? Mas onde encontrarão eles a felicidade? Na integração social ou na riqueza de valores?
Gostaríamos de poder responder "nas duas!". 
Mas nem sempre isso é possível... Se a sociedade é injusta e sem valores, incutir-lhe valores fortemente vincados, não irá fazê-los sentirem-se desintegrados? Se estão integrados numa sociedade injusta, será que os valores estão bem interiorizados?
Assim, o que escolhemos? Integrar ou valorizar?

Ao longo destes nove anos de maternidade, tem-me assaltado esta dúvida inúmeras vezes...

Até agora, tenho optado pelos valores.
Tenho feito tudo para que o meu filho saiba distinguir a justiça da injustiça; saiba olhar a diferença sem preconceitos; tenha uma visão do mundo o mais vasta possível; conheça todo o tipo de pessoas, experimente gastronomias diferentes, contacte com várias formas de arte; visite outros países e outras culturas; descubra religiões e modos de vida variados; e no final, encontre os caminhos que pretenda trilhar.
Desde muito pequenino que, eu e o pai, temos batalhado por lhe dar o mundo a descobrir. Evitámos que lhe transmitissem ideias estereotipadas e incentivámos a que cultivasse sempre um espírito crítico.

Hoje, passados nove anos, ele é um menino diferente. Ao contrário da maior parte dos colegas, ele teve experiências vastas e conhecimento mais profundo da diversidade da espécie que lhe permitem ter uma mente mais aberta. Comparando com alguns dos colegas, ele aceita melhor a diferença seja ela qual for. Não discrimina as pessoas por serem velhas ou novas, pretas ou brancas, altas ou baixas, gordas ou magras, religiosas ou não-religiosas, hetero ou homossexuais. Aceita-as, interroga-se e utiliza os conhecimentos e a mente aberta para descobrir mais um bocadinho deste mundo gigante.
Nós, pais babados, orgulhamo-nos disso.
Mas, e há sempre um "mas" a lixar isto tudo, sentimos que ele, por ser diferente da grande maioria, está pouco integrado nesta sociedade fechada, preconceituosa e discriminadora em que vivemos. Sentimos que os outros o discriminam por ele não ser igual a eles, e o que o difere é aceitar a diferença dos outros sem preconceitos, o que torna "a coisa" bastante irónica e traz-nos de volta a dúvida "será que estamos a fazer bem em educá-lo a ser diferente da maioria?".
Com esta dúvida, surgem outras como "será que ele terá capacidade para gerir o desprezo e a discriminação que vai sofrer?", "será que ele não seria mais feliz se fosse mais parecido com os outros, se partilhasse os mesmos ideais?", "se ele pudesse escolher a educação que lhe damos, será que seria esta a que escolheria?".

E a grande questão impõe-se: A felicidade está na diferença (sabendo que esta acarreta uma boa dose de discriminação) ou na igualdade (sabendo que esta é desprovida dos valores que defendemos)?

Comentários

  1. Uma duvida que também segue constantemente comigo, também optamos pelos valores e por vezes a princesa também sente a mesma coisa quando defende a sua posição e quando quer seguir um caminho diferente dos outros, esta caminhada nem sempre e fácil e por vezes dou comigo a dizer-lhe que tente não "bater de frente" que aos pouquinhos vá mostrando o seu ponto de vista sem criar inimizades e sem abdicar dos seus valores, tem resultado mas não tem sido nada fácil.
    Se descobrires o equilíbrio entre ambas por favor partilha.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  2. Rosinha,
    Não é mesmo nada fácil!
    Não acredito que o vá descobrir, mas se descobrir, prometo que partilho! ;)
    Bjs

    ResponderEliminar
  3. Eu tomei a mesma opção que tu, e tenho consciência que ele pode vir a sofrer por isso, mas prefiro que ele tenha valores do que se encaixe na "normalidade"... não ficaria bem comigo mesma se assim não fosse!

    ResponderEliminar
  4. Acho que a preocupação e a forma de educar é aquela que partilho também com as minhas filhas, muito provavelmente porque vemos hoje uma geração com 20 anos muito perdida. Resta acreditar que esta geração que alguns estão a tentar construir sem preconceitos, sem injustiças sejam quem um dia saiba governar o nosso país, contrariando tudo o que por ai anda! A esperança é a última morrer, por isso, enquanto pais resta-nos fazer o melhor que pudemos para o futuro de todos.

    ResponderEliminar
  5. Também dou mais importância aos valores. E o meu apesar de ter apenas 3 anos, já percebe bem as diferenças e aceita-las com naturalidade... no colégio dizem que é um menino com muitas vivências, especial, ele fala de andar de canoa, de regar a horta, de passeios a pé e afins, ao incio perguntaram-nos se era tudo invenção da cabeça dele, agora dizem-me entre dentes que, os "outros" não têm a mesma vivência que o Manel, que os pais não os estimulam... se vai sentir-se deslocado? provavelmente sim, mas prefiro isto do que ser o menino dito "normal" que apenas vê tv e joga pc e que olha os diferentes dele, de lado.

    (nós também não somos uma familia dita "normal" tenho a sensação que até alguns amigos nos olham de maneira diferente, mas não me importo, porque o meu filho com apenas 3 anos sabe distinguir a realidade da ficção, o bem do mal, foi o unico que aceitou bem desde o primerio dia a menina negra que tem na sala, pede desculpa, sff, e diz obrigada e isto enche-me de orgulho!)

    ResponderEliminar
  6. Naná e Tanita,
    Os vossos meninos ainda são pequeninos para sentirem o "peso da diferença". À medida que eles vão crescendo a discriminação acentua-se e as nossas preocupações agudizam-se. Os miúdos, ditos normais, podem ser muito cruéis e nós como pais temos que estar sempre à procura do equilíbrio, porque a sociedade é maioritariamente composta por gente "normal" e os nossos filhos se são diferentes vão estar sempre a sentir essa diferença na pele.
    Claro que isso também lhes vai dando arcaboiço para aguentar a pressão social, mas a auto-estima é sempre afectada. E o mais difícil é geri-la... Dizer-lhes que estão certos sem que pensem que são os melhores do mundo, mas ao mesmo tempo impedindo-os de caírem na desgraça de sentirem que são eles o erro da sociedade.
    Os valores têm que ser a base da força deles numa sociedade sem valores. É difícil. Ficamos sempre na dúvida se estamos ou não a fazer bem.
    Bjs

    ResponderEliminar
  7. João de Matos,
    Esperemos que sim, que a sociedade vá evoluindo por um caminho melhor. Tenho medo que aconteça o inverso. Vejo alguns valores perderem-se enquanto outros ainda não estão bem interiorizados.
    Vejo muito ignorância ainda estampada nas caras dos miúdos e uma ignorância por opção, não por incapacidade, e isso assusta-me.
    Mas é como diz, temos que ter esperança.
    Bjs

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue

Anita no Facebook

O Facebook anda a fazer-me mal. O chato é que preciso daquilo como ferramenta de trabalho e acaba por ser difícil desligar de vez ou até fazer um intervalinho com fins terapêuticos.
Ultimamente, ando tão farta de por ali andar que já tudo me parece os livros da Anita.
Antes do Verão: Anita corre quilómetros para caber no biquíni
Em férias:  Anita mete o pezinho na areia e o nariz no mar
Em dias de sol: Anita vai à esplanada com as amigas e diverte-se a potes
No fim das férias:  Anita volta para o trabalho chateadíssima, mas, pronto, a vida é assim e tem que trabalhar
À hora das refeições:  Anita cozinha um delicioso jantar cheio de super-alimentos e de baixas calorias ou  Anita vai almoçar a um sítio todo fashion, come imenso marisco e bebe sangria de champagne
Tarde de sábado:  Anita vai a uma exposição qualquer interessantíssima ou Anita sai à rua e vê as pessoas a passar
Sábado à noite:  Anita dança e bebe gin 
Tarde de domingo:  Anita vê um filme com a família ou Anita tem umas flores lindas…

Ler e escrever

Há uma candura e uma vontade de regressar à infância de quem lê e escreve. Ler, e escrever, vai para lá do que é o real. Leva-nos para um mundo imaginário, conduzido por quem escreve, mas só nosso, tão pessoal. Talvez por isso, ler e escrever sejam estreitos encontros com a solidão...

Quando se lê um livro, mergulha-se numa dimensão à parte. Trilha-se um caminho de ficção e trilha-se outro que só existe no nosso interior. Percorrem-se as dúvidas e as certezas, os sonhos e a realidade, como se fossem sempre tão próximos. Parte-se da fantasia para a existência, sem nunca se sair completamente de dentro de nós.
Ler, e escrever, é uma viagem ao tempo em que a imaginação nos comandava as emoções. É explorar o quarto escuro que nos apavorava ou os jardins que nos deslumbravam. É ir, e não voltar, aos lugares onde nos sentíamos sós e incompletos, mas ao mesmo tempo cheios de desconhecimento, inocência e ilusão.
Ler, e escrever, é um exercício egoísta, em que não cabe lá mais ninguém para além d…