Avançar para o conteúdo principal

Liberdade de Expressão

O cliché "a tua liberdade acaba, quando a minha começa" não é só um cliché, é também uma verdade. 
Temos toda a liberdade do mundo se não invadirmos a dos outros. 
Secretário de Estado dos Transportes teve alguma razão quando sentiu que invadiam a sua liberdade impedindo-o de falar, mas esqueceu-se que estando a impor a sua palavra também estaria a invadir a liberdade de quem não o queria ouvir. Aconteceu com o Relvas, com o Passos, com o Gaspar, e continuará a acontecer com mais uns tantos membros deste Governo se não se decidirem pela demissão em massa. Apesar de tudo, o Relvas foi o mais esperto e já se demitiu. (Nunca pensei dizer esta frase "o Relvas foi o mais esperto...").
Estamos fartos de os ouvir. Já não conseguimos ouvir nem mais uma palavra do que tenham para nos dizer. 
Impondo-a, impondo-se, estão a invadir a nossa liberdade de não os querermos ouvir. E aí, nós violamos a liberdade deles, impedindo-os de falar. Será assim tão difícil de entender? 
Não pode haver aqui lugar a ofensas ou amuos. Nós somos mais e não os queremos ouvir. Se estamos em democracia, a maioria deve prevalecer. 
Ou não?

Engraçado estar a falar nisto da liberdade de expressão, precisamente no dia em que apaguei um comentário, aqui no blogue, de que não gostei...
Pode parecer contraditório, posso parecer pouco credível quando defendo a liberdade de expressão e a democracia e apago um comentário de que não gostei, só porque não gostei da forma como vinha. Mas não é. Aqui, neste tasco, quem manda sou eu (temos pena mas é assim) por isso só publico os comentários que eu quiser.

Se o amigo anónimo, que escreveu o comentário que eu apaguei, não sabe, eu explico-lhe: aqui aceitam-se todos os tipos de comentários, por mais tramados que sejam, desde que não contenham má-educação e ofensas gratuitas. Podem ter palavrões, pontos de vista diferentes dos meus, críticas e até mesmo ofensas, desde que estas não sejam gratuitas e vindas do nada. Porquê? Porque este blogue é meu! E quem dita as regras neste cantinho minúsculo da blogosfera sou eu! 
Se o amigo anónimo que aqui poisou, não gostou do que leu, há imensos outros blogues por aí, que com certeza o agradarão mais, é só clicar ali em cima, onde diz "blogue seguinte" e sair da área. Se, por outro lado, não gostou do que leu e quer mostrar esse descontentamento, pode comentar, mas COM EDUCAÇÃO. Claro que arriscar-se-á sempre a que, quando passar aqui pela censura, eu, ditadora-mor, o apague. É um risco que pode (ou não) correr, conforme o que achar mais indicado. Afinal estamos em democracia! 

Ou não?

Mensagens populares deste blogue

#9 Excertos de uma coisa qualquer

O sol baixou para mais perto da linha do horizonte, ficando a um palmo do mar. Tinha-se passado tempo que não senti. Chet Baker tocava, agora, trompete só para nós. “I talk to the trees” pairava pela esplanada em busca do melhor lugar para se aninhar. Aninhou-se ali, entre mim e aquela mulher-menina. Não havia mais ninguém na esplanada, o casal da única mesa ocupada além das nossas tinha desaparecido, por isso o empregado aumentou o som. Faziam-no sempre que não havia gente que se pudesse queixar do barulho. Nunca me queixei. Antes pelo contrário, era essa a razão que me levava a percorrer quilómetros até ali: o jazz, por vezes alto, quanto mais alto melhor, e o sol a pôr-se no horizonte, quanto mais baixo melhor. - É a primeira vez que aqui venho – interrompeu-me, Ana, os pensamentos como se os lesse e precisasse de lhes responder – Costuma cá vir? - Sempre. Quase todos os dias no verão. - Porque não gosta de Direito? – saltava de tema em tema como se todos estivessem interligados. - Não…

#7 Excertos de uma coisa qualquer

Sentei-me na mesma mesa do canto. Pedi uma cerveja, acendi um cigarro e fiquei a olhar o mar. A esplanada estava quase vazia. Às três da tarde é normal não haver muita gente por aqui. Está muito calor. É a hora de que mais gosto, porque o vazio do espaço e a paisagem cheia ajudam-me a rascunhar palavras no meu caderninho. Escrevo frases soltas, sem grande nexo, que depois uso nos meus livros. O mar, lá em baixo, no fim da falésia a bater nas rochas e a brisa ligeira, cá em cima, a refrescar-me a mente, libertam as palavras que tenho presas em mim. Preciso de as soltar para voltar ao ténue equilíbrio que me mantém vivo. Trouxeram-me amendoins salgados. Sabem que são os meus aperitivos preferidos para acompanhar a cerveja. Bebo-a com mais gosto e com mais sede. Bebo golos pequenos, o gás faz-me arrotar se a tentar beber de um trago. Por isso, depenico a cerveja, e os amendoins, da mesma forma que sempre depeniquei a vida. Ela surgiu no cimo das escadas que nos leva até à esplanada. Sent…