Avançar para o conteúdo principal

Lambe-Botas? Oh não, Santinhos!

Os santinhos são seres cheios de coragem. 
Nas costas dos outros são heróis, dizem tudo o que lhes vai na alma, refilam, insultam, indignam-se, revoltam-se. 
Na frente, vão buscar a auréola ao armário, colocam-na sobre a cabeça e desatam a lamber as botas ao (anterior?) alvo da sua revolta. O brilho-espelho das botas é o limite das lambidelas.
Os santinhos não são pessoas, são seres divinos! Estão tão acima de nós, míseros humanos, que já ganharam essa capacidade extraordinária de encaixe, que os desprouveram de personalidade. Moldam-se perfeitamente à imagem que fazem deles e não precisam de se chatear com insignificâncias como princípios, valores ou moral.
Os santinhos não magoam ninguém, são bondosos. A dimensão dessa bondade é tão imensa que, para não ferirem susceptibilidades, abstém-se de dizer seja o que for que possa beliscar os egos dos visados.
À frente não dizem, claro! Mas nas costas...
E os seus corações são enormes... Tal como as línguas. Não por serem "linguarudos", que não são, mas por as ampliarem de tal forma a conseguirem lamber botas gigantes.

O único problema dos santinhos é entusiasmarem-se, e não lamberem só as botas...
Não são poucas as vezes que os vemos, contentes e alegres, em entretidas lambidelas aos cocós colados às solas do calçado dos seus "amiguinhos"!

Ai, c'a nojo!

Imagem retirada de um armário
chamado Google

Comentários

Mensagens populares deste blogue