Avançar para o conteúdo principal

Handicap

Tenho vários. Mas um é flagrante. Não consigo manter conversas de circunstância mais de cinco, vá lá dez minutos. Pelo contrário, o pai do J. tem uma paciência louca para as ouvir, o que me coloca na posição da apressada que se quer ir embora o mais depressa possível.
Falar do tempo, das meias que preciso dobrar ou das tricas dos colegas de trabalho, definitivamente, não é para mim. Prefiro ficar caladita a falar de coisas que não me interessam nada. Mas o meu maior problema não é não conseguir falar destas trivialidades, é não as conseguir ouvir. Bloqueiam-se-me os ouvidos e não oiço nada do que dizem. Falam, falam, e eu não retenho nada. Se no final, me pedissem um resumo da conversa estaria lixada, pois dificilmente conseguiria indicar sequer o tema. 
No entanto, parece que tenho escrito na testa "por favor, falem comigo de merdas que não me interessam". 
Certas pessoas, quando me apanham, desatam a descrever a forma como passam a roupa a ferro ou detalham-me receitas de culinária como se a minha vida dependesse desses pormenores. Não as querendo desiludir ou ofender, tento ouvir o que dizem mostrando um certo interesse, mas tentando sempre desviar o assunto para algo que me agrade mais. E fracasso, fracasso sempre. Dou por mim num labirinto de pormenores domésticos sórdidos de onde dificilmente consigo sair. Daí a pressa. Vivo com pressa de me afastar deste tipo de conversas que me perseguem. E o pai do J., agradável e simpático como só ele, lá fica a dar corda a temas que me torturam. O que me enche de vontade de lhe dizer "até logo, baby, vou ali dobrar meias e já volto, ok?".

Qualquer dia, digo! Ai digo, digo! "Mi aguardi!"

Do sítio do costume!

Mensagens populares deste blogue

Macacos do Nariz

O J. voltou a perguntar qual era o verdadeiro nome dos macacos do nariz e, uma vez mais, não lhe soubemos responder.
O pai tentou: -Detritos nasais!
Eu tentei: -Fluídos nasais secos!
As nossas tentativas não satisfizeram nenhum de nós três ...  O J. diz: -Temos que perguntar à Drª, como ela é médica deve saber ...
Fiquei a pensar onde poderia encontrar a resposta a esta questão sem ter que perguntar à médica ... 
Consultei a enciclopédia, o dicionário, procurei na net e ... nada, nem a mais pequena referência à designação científica para macacos do nariz ...

Confesso que nunca me tinha passado pela cabeça que os macacos do nariz tinham outro nome ...

As coisas em que este miúdo me põe a pensar ...

Este blogue vai descansar uns diazinhos, mas volta, com a maior brevidade possível!


"Bom dia e as melhoras!"

IPO - 9h da manhã

Indicam-me a sala de espera da radiologia. Há uma televisão que vai distraindo as pessoas sentadas, alinhadas, de frente para ela.
Sento-me no sofá por baixo da televisão e de frente para os espectadores pouco atentos às notícias da manhã.
O ar que se respira nas salas de espera do IPO é sempre um pouco solene. Vive-se a incerteza e espera-se o desconhecido. O silêncio e as palavras ditas em murmúrios impregnam o ambiente de uma musicalidade suave. Como se fosse o som de fundo de uma floresta imergida na fatalidade perene.

Chamam-me para o exame. Sigo a "operacional" - como chamam hoje às funcionárias dos hospitais - até ao gabinete onde me devo despir da cintura para cima e vestir a bata branca com centenas de IPOs estampados.
Faço o que me mandam e tiro o piercing do umbigo. Tiro o piercing do umbigo sempre que sou irradiada. Tenho a sensação que o metal do brinco pode projectar as radiações para lugares inusitados se não o fizer. Talvez seja uma crença o…

Marcadores #6

- A Gabrielle é inocente, podes acreditar! Quando a conheceres vais ter vontade de a defender, vais ver – Cármen estava exausta, por isso Ana resolveu fazer uma pausa na conversa para a mãe descansar. Levantou-se e dirigiu-se à cozinha para ir buscar um copo de água. Quando voltou, abriu a gaveta da mesinha-de-cabeceira e tirou várias qualidades de comprimidos. Olhou para o papelinho que os acompanhava que descrevia as quantidades e horários e começou a separar os que pertenciam àquela hora. Juntou seis que Cármen teria de deglutir uns atrás dos outros. Passou-os um a um, para a mão da mãe, que os tentou empurrar garganta abaixo com a ajuda de doridos golos de água.             Cármen quebrou o silêncio para dizer que guardava cartas trocadas com Gabrielle no tempo em que a amiga trabalhou na Alemanha e que gostava que a filha as lesse. Era uma forma de conhecer Gabrielle, explicou. Apontou para uma caixinha de madeira que se encontrava sobre a cómoda debaixo da janela que continh…