Avançar para o conteúdo principal

Assinaturas Ilegíveis

O meu filho não assina nada na minha (ou na do pai) ausência!

Se já estivesse no 4º ano e tivesse exames para fazer, precedidos da obrigatoriedade de assinar fosse qual fosse a declaração de responsabilidade sob compromisso de honra, o meu filho não assinaria.
Se eu e o pai somos os responsáveis legais pelos seus actos, nós é que teríamos que assinar. Que enviassem, na véspera, o documento para casa, que nos chamassem antes da entrada para o exame, ou fizessem o que bem entendessem, mas ele não assinaria nada.
Compromisso de honra? Mas que raio de coisa é essa? Estão parvos, ou quê?
Agora tratam-se as crianças como se fossem criminosas? Pressupõe-se à partida que vão enganar? E têm que jurar que não vão fazer batota? São estes os pressupostos de uma autoridade que se diz educativa? Não me lixem!

Se querem ter esses cuidados todos, impeçam os alunos de entrarem na sala com algo mais do que uma caneta. Agora não façam as crianças assinarem um papel a declarar que se responsabilizam, sob compromisso de honra, que não têm telemóveis, outros aparelhos de comunicação com elas, ou outra patacoada qualquer, porque elas não têm responsabilidade nenhuma nisso, quem tem somos nós, os pais e/ou encarregados de educação. 
Se o meu filho, para o ano que vem, andar de telemóvel atrás, sou mulherzinha suficiente para o impedir de o levar para o exame. Porque concordo que não se os devam levar para os exames, e só por isso. Estou-me bem a cagar para compromissos de honra da treta ou declarações de responsabilidade, educo-o para ser responsável, e a responsabilidade está em fazer o exame sem copiar ou fazer batota, dando a testar os seus reais conhecimentos da matéria. 
Claro que não descarto a hipótese de ele tentar, por meios ilícitos, ter boa nota, mas se o fizer, também o ensino que terá de arcar com as consequências, que poderão ser ter o exame anulado ou ser impedido de o realizar.

Isto sim é responsabilidade!

(A propósito DISTO)

Mensagens populares deste blogue

"Bom dia e as melhoras!"

IPO - 9h da manhã

Indicam-me a sala de espera da radiologia. Há uma televisão que vai distraindo as pessoas sentadas, alinhadas, de frente para ela.
Sento-me no sofá por baixo da televisão e de frente para os espectadores pouco atentos às notícias da manhã.
O ar que se respira nas salas de espera do IPO é sempre um pouco solene. Vive-se a incerteza e espera-se o desconhecido. O silêncio e as palavras ditas em murmúrios impregnam o ambiente de uma musicalidade suave. Como se fosse o som de fundo de uma floresta imergida na fatalidade perene.

Chamam-me para o exame. Sigo a "operacional" - como chamam hoje às funcionárias dos hospitais - até ao gabinete onde me devo despir da cintura para cima e vestir a bata branca com centenas de IPOs estampados.
Faço o que me mandam e tiro o piercing do umbigo. Tiro o piercing do umbigo sempre que sou irradiada. Tenho a sensação que o metal do brinco pode projectar as radiações para lugares inusitados se não o fizer. Talvez seja uma crença o…

A sesta

Às vezes ainda sinto o cheiro do colchão forrado a plástico impermeável azul do infantário. Volto à sala dos quatro anos, onde, na semi-obscuridade, tento dormir.
Vejo as persianas descidas quase até acima e conto os quadradinhos de luz que saem das duas últimas filas dos estores que ficaram por fechar. Fixo os olhos na luz e na vontade de sair para rua num dia bonito de Verão. Estou aprisionada naquela sala transformada em dormitório infantil e sinto, hoje, a mesma impaciência que sentia pelo fim da hora da sesta.

A Preciosa e a Isabel cochicham junto à porta, enquanto controlam quem ainda não dorme. Estão sentadas nas cadeiras minúsculas e rodeadas por um clarão de luz. Invejo-as por ninguém as obrigar a dormir, por estarem ali na conversa, ao contrário de mim que estou aprisionada no colchão com a cara colada ao plástico azul. Tento descolar-me do colchão, mas o movimento da minha cabeça denunciar-me-ia às educadoras.
Olho para o meu colega do lado, também de quatro anos, que dorme…

Marcadores #6

- A Gabrielle é inocente, podes acreditar! Quando a conheceres vais ter vontade de a defender, vais ver – Cármen estava exausta, por isso Ana resolveu fazer uma pausa na conversa para a mãe descansar. Levantou-se e dirigiu-se à cozinha para ir buscar um copo de água. Quando voltou, abriu a gaveta da mesinha-de-cabeceira e tirou várias qualidades de comprimidos. Olhou para o papelinho que os acompanhava que descrevia as quantidades e horários e começou a separar os que pertenciam àquela hora. Juntou seis que Cármen teria de deglutir uns atrás dos outros. Passou-os um a um, para a mão da mãe, que os tentou empurrar garganta abaixo com a ajuda de doridos golos de água.             Cármen quebrou o silêncio para dizer que guardava cartas trocadas com Gabrielle no tempo em que a amiga trabalhou na Alemanha e que gostava que a filha as lesse. Era uma forma de conhecer Gabrielle, explicou. Apontou para uma caixinha de madeira que se encontrava sobre a cómoda debaixo da janela que continh…