Avançar para o conteúdo principal

Saudades

O tempo traz o vazio, as imagens foscas, os cheiros distantes, o som quase inaudível. 

Ela longe, deitada no chão, a adormecer. Eu ao lado, dorida, magoada, sofrida. O choro já não está nos olhos, mas na pele. Tento limpar as lágrimas que me percorrem as veias. Não saem. E faço-lhe festas. Sinto o pêlo que tão bem conheço. Acompanho as últimas inspirações. Será esta a última? Pergunto-me. Será agora que me vai deixar? Os olhos quedos, cerrados. O corpo ainda quente. Que estará a sentir agora? Estou a perdê-la. Perdia-a! Mas o corpo ainda ali, a poucos minutos de ter caído por terra. Está cheia de terra. Quero limpá-la. Quero que se levante. Mas já não se levanta. Cheiro-a. É ela, a minha égua, que se vai embora. Era. A partir deste minuto, foi. E deixou-me aqui sozinha a querer abraçá-la.

Comentários

  1. Eu lembro-me de quando escreveste sobre ela, há cerca de um ano, talvez? Há animais que nos marcam mais do que as pessoas. Não duvido disto.

    ResponderEliminar
  2. Eu lembro-me de quando escreveste sobre ela, há cerca de um ano, talvez? Há animais que nos marcam mais do que as pessoas. Não duvido disto.

    ResponderEliminar
  3. Sinto muito, imagino que estejas triste e a sofrer.
    Com o tempo a dor vai ficando melhor
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  4. Estás a focar te nas coisas negativas que doem, pára com isso, só te faz mal.

    Beijo gordo

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue