Avançar para o conteúdo principal

Problemas de Expressão

Fui a uma reunião em que me passei. Tinha umas tantas verdades atravessadas na garganta, que me saíram de enxurrada. Disse tudo o que há muito tempo devia ter dito. Como não fui dizendo aos poucos, fui acumulando e, nesse dia, o da reunião, despejei o saco. Parecia uma metralhadora a disparar, não em todas as direcções, mas na direcção que eu queria. Disparei, disparei, disparei... Até que vi o meu alvo a enfiar-se cadeira abaixo. Fui abrandando os disparos, sem, no entanto, os cessar.  
Quando guardamos demasiada tralha velha no armário, ela começa a apodrecer. É mais acertado ir deitando fora o que não interessa progressivamente, à medida que vai entrando em desuso. Mas neste caso, eu não fiz isso. Por achar que as coisas se iam resolvendo, por achar que o meu alvo não era um alvo estático, que evoluiria, e que essa evolução o iria ensinar a deixar de ser tão merdas. Enganei-me. A merda continuou sempre a mesma, e pior, agudizou-se. Veio com prepotências e armada com condições e mais condições (como se estivesse em condições de condicionar alguma coisa ou como se tivesse alguma moral para falar sobre o que tentou falar). A mostarda subiu-me ao nariz, coisa que raramente me acontece, pois vou expiando os maus fluidos, em doses pequenas, mas com uma periodicidade maior. Desta vez, acumulei, por isso me saíram a jacto.

Depois da reunião, fui contando os acontecimentos à minha mãe, com o J. a ouvir algumas partes (não todas, mas algumas).
Às tantas, ele interrompeu-nos a conversa e disse:
- Ah "granda" mãe! Como é que consegues exprimir tão bem os teus sentimentos?
A avó explicou-lhe que as pessoas, à medida que vão crescendo, vão conseguindo, cada vez melhor, exprimir-se. Pareceu-me que entendeu mais ou menos a explicação da avó, mas aquela pergunta ficou-me aqui a martelar na cabeça...

O J. tem alguma dificuldade em exprimir os sentimentos negativos. A dor (não a física, mas a emocional), o desagrado, a revolta, a indignação, são assuntos que não lhe saem facilmente. Tem, talvez, algum pudor em pô-los para fora. Quando está mal, tenho que lhe arrancar tudo a saca-rolhas. Até os pesadelos lhe custam a contar. 
Digo-lhe várias vezes "tens que contar para eu te poder ajudar", "se contares o sonho mau, ele vai embora mais cedo".
Quando o caso é uma asneira, tenho que lhe prometer que não vou ralhar com ele para que me conte. E depois não ralho, tal como prometi. Explico-lhe porque não deve fazer aquela asneira e tento que ele se coloque no lugar das "vítimas" da sua asneira. Mas ele fica, normalmente, cheio de problemas com o que fez, problemas de consciência. Talvez por isso, raramente repete essa asneira. E eu fico a pensar se faço bem. Fico na dúvida se devia ou não lidar com ele desta forma. Se não haverá uma maneira melhor para que ele não fique com problemas de consciência. Afinal, ele é uma criança e todas as crianças fazem asneiras... irresponsavelmente fazem asneiras. Talvez eu, ao incutir-lhe um sentido de responsabilidade por aquilo que fez, o esteja a amedrontar sobre o que poderá vir a fazer e a obrigá-lo a responsabilizar-se cedo demais por actos que são naturais nas crianças... Talvez eu não o conforte como devia... Talvez o tome como mais maduro do que ele é na realidade e o deixe confuso na gestão de sentimentos tão complexos...

Não sei. Só que sei que acho que podia fazer melhor, que DEVIA fazer melhor. Quem me dera saber como...

Mensagens populares deste blogue

Macacos do Nariz

O J. voltou a perguntar qual era o verdadeiro nome dos macacos do nariz e, uma vez mais, não lhe soubemos responder.
O pai tentou: -Detritos nasais!
Eu tentei: -Fluídos nasais secos!
As nossas tentativas não satisfizeram nenhum de nós três ...  O J. diz: -Temos que perguntar à Drª, como ela é médica deve saber ...
Fiquei a pensar onde poderia encontrar a resposta a esta questão sem ter que perguntar à médica ... 
Consultei a enciclopédia, o dicionário, procurei na net e ... nada, nem a mais pequena referência à designação científica para macacos do nariz ...

Confesso que nunca me tinha passado pela cabeça que os macacos do nariz tinham outro nome ...

As coisas em que este miúdo me põe a pensar ...

Este blogue vai descansar uns diazinhos, mas volta, com a maior brevidade possível!


"Bom dia e as melhoras!"

IPO - 9h da manhã

Indicam-me a sala de espera da radiologia. Há uma televisão que vai distraindo as pessoas sentadas, alinhadas, de frente para ela.
Sento-me no sofá por baixo da televisão e de frente para os espectadores pouco atentos às notícias da manhã.
O ar que se respira nas salas de espera do IPO é sempre um pouco solene. Vive-se a incerteza e espera-se o desconhecido. O silêncio e as palavras ditas em murmúrios impregnam o ambiente de uma musicalidade suave. Como se fosse o som de fundo de uma floresta imergida na fatalidade perene.

Chamam-me para o exame. Sigo a "operacional" - como chamam hoje às funcionárias dos hospitais - até ao gabinete onde me devo despir da cintura para cima e vestir a bata branca com centenas de IPOs estampados.
Faço o que me mandam e tiro o piercing do umbigo. Tiro o piercing do umbigo sempre que sou irradiada. Tenho a sensação que o metal do brinco pode projectar as radiações para lugares inusitados se não o fizer. Talvez seja uma crença o…

Marcadores #6

- A Gabrielle é inocente, podes acreditar! Quando a conheceres vais ter vontade de a defender, vais ver – Cármen estava exausta, por isso Ana resolveu fazer uma pausa na conversa para a mãe descansar. Levantou-se e dirigiu-se à cozinha para ir buscar um copo de água. Quando voltou, abriu a gaveta da mesinha-de-cabeceira e tirou várias qualidades de comprimidos. Olhou para o papelinho que os acompanhava que descrevia as quantidades e horários e começou a separar os que pertenciam àquela hora. Juntou seis que Cármen teria de deglutir uns atrás dos outros. Passou-os um a um, para a mão da mãe, que os tentou empurrar garganta abaixo com a ajuda de doridos golos de água.             Cármen quebrou o silêncio para dizer que guardava cartas trocadas com Gabrielle no tempo em que a amiga trabalhou na Alemanha e que gostava que a filha as lesse. Era uma forma de conhecer Gabrielle, explicou. Apontou para uma caixinha de madeira que se encontrava sobre a cómoda debaixo da janela que continh…