Avançar para o conteúdo principal

Odores Mortíferos

Toda a gente sabe que os transportes públicos não transportam só pessoas. Há um mundo a viajar por aí de um lado para o outro. 
Toda a gente sabe que as pessoas não são inodoras. Umas cheiram bem, outras nem tanto assim.
Os transportes públicos transportam cheiros, para além das pessoas que neles viajam.

Numa das minhas viagens diárias de comboio, fiquei sentada em frente de uma rapariga que falou ao telefone durante todo o percurso. Até aí, nada de especial. 
Não fosse a dita rapariga ter um hálito terrível, eu não teria esta história para contar...
Durante esta tenebrosa viagem, tentei de tudo: cheirar as minhas mãos, virar a cara para o lado, snifar o livro que estava a ler, deixar de respirar... Mas não serviu de nada. O cheiro que a boca da menina exalava, vinha sempre de encontro ao meu nariz.
Rezei para que ela acabasse a conversa, mas claro, de nada adiantou, a rapariga tinha imenso que contar a quem estava do outro lado do telefone. 
Acabei por dar por mim a desejar que ela deixasse de ter rede no telemóvel; que houvesse uma travagem brusca que lhe fizesse saltar o telefone das mãos e o inutilizasse, pelo menos durante o resto da viagem; que algum "louco piedoso dos narizes ofendidos" lho arrancasse da mão e a impedisse de continuar a falar. Não aconteceu nenhuma das minhas preces, infelizmente, e tive que gramar aqueles jactos de mau odor o resto do caminho.

Mas o mau-hálito daquela menina não foi nada, se o comparar com o ultraje que o meu nariz sofreu hoje...
Uma outra menina teve o desplante de se sentar ao meu lado, depois de ter tomado banho em perfume de senhoras idosas com problemas olfactivos graves. 
Hoje, ia morrendo pelo nariz! O cheiro nauseabundo daquela essência dos diabos, apoderou-se de mim até aos ossos! Carreguei uma cruz fétida durante todo o trajecto que separa a estação da minha terra da estação da terra onde trabalho. E no final, saí crucificada!

O vómito teimava em tentar sair-me goelas a fora. E eu continha-o. 
A senhora que viajava à minha frente tapava discretamente o nariz. Eu, que já tinha atirado o discretamente pela janela fora, há muito tempo, tapei o nariz com a manga do casaco. Pensava "hoje, não é um bom dia para morreres, aguenta firme!" e intercalava o "respira o casaco, respira o casaco" com o "não vomites, não vomites".
Perguntei-me como suportaria, aquela rapariga, aquele cheiro, já que não se podia afastar dela própria. Óbvio que não encontrei resposta. Mas encontrei a porta do comboio uma estação antes da minha e ali fiquei na esperança que a mocinha não saísse na mesma paragem que eu, ou se o fizesse, se dirigisse a outra porta que não aquela.
Quando, finalmente, pensei que lhe tinha escapado e dei duas respiradelas convictas do ar puro da estação, vem-me o cheiro de novo ao nariz. 
Primeiro pensei que ele se me tinha colado aos pêlos nasais e que bastariam mais duas snifadelas de ar puro para afastar aquele mau-olhado dos cheiros, depois olhei para o lado... E lá estava ela, bela e perfumada, a espalhar o seu odor mortífero no ar que eu julgava puro.

Se não tivesse já saído da plataforma da linha do comboio, juro que me teria atirado para a frente do primeiro que aparecesse, mesmo não sendo este um bom dia para morrer!

Nariz roubado do sítio do costume

Mensagens populares deste blogue

Por entre livros e árvores

Estou sentada no sofá do supermercado junto aos livros.

Incrivelmente este supermercado tem um sofá para quem vê livros. Confesso que sou uma parasita das livrarias, daquelas que lêem muitos pedaços de literatura e raramente compram alguma coisa. Namoro livros durante meses, às vezes anos e só os compro quando já se criou uma certa intimidade entre mim e eles, ou entre mim e os seus autores.
Também compro por impulso, mas é mais raro agora que tenho menos dinheiro para consumismos.

Hoje, levo comigo para o sofá o Lobo Antunes e o Rodrigo Guedes de Carvalho. Vou lendo pedaços de um e de outro. Salto capítulos, reviro os livros e escolho páginas aleatórias na tentativa de entrar nas histórias e nas palavras. Mergulho em parágrafos que me marcam, afundo-me em frases que me fazem eco. Volto à superfície.

Por momentos, desvio o olhar dos livros para perceber o que se passa à minha volta. Entram e saem pessoas do supermercado. Há um homem que passa de guarda-chuva em punho como se fosse uma…

Marcadores: Capítulo 4

Levantou a cabeça. Olhou-me como se fosse pela primeira vez. Senti os olhos a percorrerem-me o rosto. Contornou-me os olhos, a boca, o nariz e parou o olhar para além de mim. É estranha a sensação de nos desenharem com os olhos, vermos-nos estampados na mente dos outros, recortados, colados e redesenhados. Deixamos de ser nós para passarmos a ser uma ideia de nós. Ana desenhou-me, mas abandonou a obra a meio para se colocar a uma distância de segurança. Foi para além de mim e por lá ficou.  - Desculpe tê-lo incomodado. Não devia ter vindo contagiá-lo com a minha tristeza. Estava aqui sossegado a beber a sua cerveja, melhor do que uísque, e vim trazer-lhe tristezas. A minha vida não tem estado fácil… Desculpe-me. É melhor ir-me embora. - Não, deixe-se estar. Estou a gostar de estar consigo. Além disso, não está em condições de ir sozinha para casa. Pelo menos, por agora. – disse-lhe, enquanto observava os dedos que tentavam desfolhar o marcador em forma de flor mais ou menos a meio do li…

Marcadores: Capítulo 5

Ana entrou no quarto, sentou-se na beira da cama, acariciou o rosto da mãe e perguntou: - Como te sentes hoje? - Mais ou menos. Agora, não tenho dores. - Ao menos isso... Queres que te traga alguma coisa? - Não, obrigada. Fica só aqui comigo a conversar. - Fico pois! – disse enquanto massajava a mão da mãe para a aquecer. Ana visitava Cármen diariamente. Aparecia geralmente ao fim do dia, porque trabalhava até tarde. Detestava só sair do trabalho depois do sol-posto, especialmente agora que a mãe precisava tanto dela. - Dormiste bem? – perguntou sem lhe lagar a mão gelada. - Sim, tenho a sensação – parou para respirar - que consegui dormir algumas horas seguidas – continuou a custo. Acariciou a mão da filha como se ainda fosse uma mão pequenina que poderia guardar dentro da sua. Observou-lhe o rosto com ternura e articulou as palavras devagarinho: - Filha, nunca mais me falaste do teu trabalho. Como está a correr? Ana resumiu as últimas semanas de trabalho. Falou dos colegas, que ainda não es…

Macacos do Nariz

O J. voltou a perguntar qual era o verdadeiro nome dos macacos do nariz e, uma vez mais, não lhe soubemos responder.
O pai tentou: -Detritos nasais!
Eu tentei: -Fluídos nasais secos!
As nossas tentativas não satisfizeram nenhum de nós três ...  O J. diz: -Temos que perguntar à Drª, como ela é médica deve saber ...
Fiquei a pensar onde poderia encontrar a resposta a esta questão sem ter que perguntar à médica ... 
Consultei a enciclopédia, o dicionário, procurei na net e ... nada, nem a mais pequena referência à designação científica para macacos do nariz ...

Confesso que nunca me tinha passado pela cabeça que os macacos do nariz tinham outro nome ...

As coisas em que este miúdo me põe a pensar ...

Este blogue vai descansar uns diazinhos, mas volta, com a maior brevidade possível!