Avançar para o conteúdo principal

Expurgação

Este blogue tem-me dado a conhecer um prazer que desconhecia: o prazer da escrita.
Ao longo deste ano e tal a escrever neste espaço, tenho-me apercebido que, cada vez, gosto mais de escrever e, por estranho que pareça, que me faço entender melhor por escrito do que oralmente. 
Além de ser um gosto recém-descoberto, a escrita permite-me expressar alguns sentimentos e pensamentos que, de outra forma, não expressaria. Deixá-los-ia escondidos dentro da minha cabeça e ficariam aqui nas profundezas do meu cérebro para a eternidade. O que seria uma pena. Não por os pensamentos serem alguma coisa de especial, que não são, mas porque eu tenho um mundo a acontecer dentro de mim muito maior do que o que tenho fora.
Este mal de que sofro, a constante inquietação e interrogação, acaba por ser expurgado no papel, ou melhor, neste caso no ecrã do computador. E quando expurgado, não conspurca tanto a minha mente, que sofre amiúde por não encontrar respostas às inquietações com que se cruza a cada esquina desta vida.

O expurgado, não sei se servirá para algo mais do que para esta limpeza de alma, mas se apenas se cumprir nesta função, terá executado a sua missão em pleno.

Comentários

  1. Mammy, o "pôr cá para fora" sempre fez bem. Cada um deve escolher a forma que achar mais adequada a si, ao momento...é assim que encaro o meu, apesar de não espetar com tudo por lá :)

    ResponderEliminar
  2. Se te sentes mais leve, melhor. Escreve sim, que gosto muito de te ler.
    Boa semana. Mil beijinhos**

    ResponderEliminar
  3. Pois é o blog é uma óptima terapia para os nossos medos e inquietações...eu também percebi em mim uma grande paixao por escrever e tambem percebi que me expresso muito melhor pela escrita! Aliás, até o tenho conseguido fazer muito melhor oralmente graças ao modo como tenho escrito =)

    Beijinho*

    ResponderEliminar
  4. Pretty,
    Eu ainda não cheguei a essa parte de me expressar melhor oralmente, mas tenho esperança de lá chegar. ;)))
    Bjs

    ResponderEliminar
  5. Pois continua, admiro a tua capacidade de analise e a maneira como a descreves, acredita és mesmo boa e se te faz bem a alma tanto melhor...


    Beijoca

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue

Anita no Facebook

O Facebook anda a fazer-me mal. O chato é que preciso daquilo como ferramenta de trabalho e acaba por ser difícil desligar de vez ou até fazer um intervalinho com fins terapêuticos.
Ultimamente, ando tão farta de por ali andar que já tudo me parece os livros da Anita.
Antes do Verão: Anita corre quilómetros para caber no biquíni
Em férias:  Anita mete o pezinho na areia e o nariz no mar
Em dias de sol: Anita vai à esplanada com as amigas e diverte-se a potes
No fim das férias:  Anita volta para o trabalho chateadíssima, mas, pronto, a vida é assim e tem que trabalhar
À hora das refeições:  Anita cozinha um delicioso jantar cheio de super-alimentos e de baixas calorias ou  Anita vai almoçar a um sítio todo fashion, come imenso marisco e bebe sangria de champagne
Tarde de sábado:  Anita vai a uma exposição qualquer interessantíssima ou Anita sai à rua e vê as pessoas a passar
Sábado à noite:  Anita dança e bebe gin 
Tarde de domingo:  Anita vê um filme com a família ou Anita tem umas flores lindas…

Ler e escrever

Há uma candura e uma vontade de regressar à infância de quem lê e escreve. Ler, e escrever, vai para lá do que é o real. Leva-nos para um mundo imaginário, conduzido por quem escreve, mas só nosso, tão pessoal. Talvez por isso, ler e escrever sejam estreitos encontros com a solidão...

Quando se lê um livro, mergulha-se numa dimensão à parte. Trilha-se um caminho de ficção e trilha-se outro que só existe no nosso interior. Percorrem-se as dúvidas e as certezas, os sonhos e a realidade, como se fossem sempre tão próximos. Parte-se da fantasia para a existência, sem nunca se sair completamente de dentro de nós.
Ler, e escrever, é uma viagem ao tempo em que a imaginação nos comandava as emoções. É explorar o quarto escuro que nos apavorava ou os jardins que nos deslumbravam. É ir, e não voltar, aos lugares onde nos sentíamos sós e incompletos, mas ao mesmo tempo cheios de desconhecimento, inocência e ilusão.
Ler, e escrever, é um exercício egoísta, em que não cabe lá mais ninguém para além d…