Avançar para o conteúdo principal

A Gabarolice É Uma Cena Tramada!

Geralmente, a gabarolice é sinal de insegurança. Eu, insegura confessa, não me gabo. (Olhem só para mim a gabar-me por não me gabar! Tramado, não?).

Mas, por vezes, a gabarolice é necessária.
Eu explico como:
A maior parte das pessoas pensa que quem não exibe os seus feitos ou as suas capacidades não vale nada, não tem confiança em si próprio, não é capaz. A ausência de demonstrações de aptidões é vista como a ausência das próprias aptidões, o que não é, de todo, verdade, mas se não as demonstramos as pessoas são preguiçosas e não as conseguem ver nas entrelinhas do nosso ser. Não estão para isso, porque dá muito trabalho tentar analisar os outros para além daquilo que eles nos atiram olhos adentro. É difícil, trabalhoso, mas não é impossível. É preciso uma certa abertura e vontade para escarafunchar as personalidades alheias, é preciso ter um certo gosto nisso também. Eu tenho esse gosto. O que gosto mais nos outros é mesmo o que está escondido. Fascina-me aquilo que não se vê facilmente, fascina-me escarafunchar personalidades e descobrir o que, intencionalmente, não se quer mostrar. Podíamos chamar-lhes "os podres dos egos", mas não são só podres que se descobrem... Descobrem-se coisas maravilhosas dentro de cada um de nós, que se não nos dermos ao trabalho de procurar, nunca conheceremos. É por isso que a gabarolice me passa um bocado ao lado...
Quando alguém se gaba diante dos meus olhos, deixo-o gabar-se. Não o aprecio, é certo. Às vezes, irrita-me, mas sei que depois dessa exibição de competências, vem o meu presente: a verdadeira essência daquele ser que está ali à minha frente. É a ela que me agarro, é com ela que tento justificar a extrema necessidade de afirmação daquele ego, é dela que gosto, mesmo com todos os seus "podres".

Há uma linha que separa a gabarolice da não-gabarolice há, pois há! Ela está exactamente na necessidade que cada um tem de se sentir aprovado pelos outros. Pessoalmente, não sinto grande necessidade que os outros me olhem com admiração (cá estou eu, outra vez, a gabar-me de não ter necessidade de me gabar). Claro que gosto que gostem de mim, seria completamente estúpida se o negasse, mas não tenho grande necessidade que me admirem e digam "ah, és óptima nisto ou naquilo!". Tento ser melhor, não pelos outros, mas por mim, o compromisso que tenho é comigo, por isso a gabarolice não é muito a minha praia.
No entanto, compreendo a necessidade que algumas pessoas têm em se afirmarem. Se não atirarem à cara dos outros o boas que são, esses outros nunca o verão: Porque dá muito trabalho, porque só se darão a essa imensa trabalheira se acharem que a pessoa em causa vale a pena. É preguiça sim, mas não só... É também uma poupança de recursos - que eu compreendo, mas não adiro - porque o que me dá prazer é o  "escarafunchanço" e, porque a minha relação com os outros é quase sempre sustentada na essência deles, e na minha também, claro!

E a razão pela qual acho a gabarolice tramada é porque, não sendo ela um atributo admirável, não deixa de ser necessária a certas pessoas e não deixa de ser um veículo que nos leva, a nós seres sociais, aos outros e, especialmente, à verdade que está nos confins dos outros.

Mensagens populares deste blogue

Facebook lovers

Chegam ao restaurante de mãos dadas como nos tempos em que ele ainda não tinha a barriguinha que lhe força os botões da camisa e ela as duas camadas de base em tonalidades diferentes que escondem os traços que o tempo lhe foi desenhando no rosto.
Ele afasta a cadeira para ela se sentar num gesto que reproduz o cavalheirismo dos filmes românticos de Hollywood. Ela senta-se com olhar meloso, encarnando a personagem feminina da trama, e ajeita a saia que lhe aperta as formas agora mais arredondadas.

Num silêncio premeditado, o frente-a-frente impõe-se. Afinal é dia dos namorados e o romantismo é a palavra de ordem.
O gesto automático tira o telemóvel do bolso da camisa dele que só acaba quando o objecto é pousado sobre a mesa. Está ansioso, mas não quer lhe notem a inquietação. Afinal, é só mais um dia dos namorados.

A voz sai-lhe tão melosa quanto o olhar que ela lhe dirige:
- Estás linda! - semicerra os olhos como que a comprovar a veracidade das suas palavras.
Aponta-lhe a objectiva …

Macacos do Nariz

O J. voltou a perguntar qual era o verdadeiro nome dos macacos do nariz e, uma vez mais, não lhe soubemos responder.
O pai tentou: -Detritos nasais!
Eu tentei: -Fluídos nasais secos!
As nossas tentativas não satisfizeram nenhum de nós três ...  O J. diz: -Temos que perguntar à Drª, como ela é médica deve saber ...
Fiquei a pensar onde poderia encontrar a resposta a esta questão sem ter que perguntar à médica ... 
Consultei a enciclopédia, o dicionário, procurei na net e ... nada, nem a mais pequena referência à designação científica para macacos do nariz ...

Confesso que nunca me tinha passado pela cabeça que os macacos do nariz tinham outro nome ...

As coisas em que este miúdo me põe a pensar ...

Este blogue vai descansar uns diazinhos, mas volta, com a maior brevidade possível!


Ler e escrever

Há uma candura e uma vontade de regressar à infância de quem lê e escreve. Ler, e escrever, vai para lá do que é o real. Leva-nos para um mundo imaginário, conduzido por quem escreve, mas só nosso, tão pessoal. Talvez por isso, ler e escrever sejam estreitos encontros com a solidão...

Quando se lê um livro, mergulha-se numa dimensão à parte. Trilha-se um caminho de ficção e trilha-se outro que só existe no nosso interior. Percorrem-se as dúvidas e as certezas, os sonhos e a realidade, como se fossem sempre tão próximos. Parte-se da fantasia para a existência, sem nunca se sair completamente de dentro de nós.
Ler, e escrever, é uma viagem ao tempo em que a imaginação nos comandava as emoções. É explorar o quarto escuro que nos apavorava ou os jardins que nos deslumbravam. É ir, e não voltar, aos lugares onde nos sentíamos sós e incompletos, mas ao mesmo tempo cheios de desconhecimento, inocência e ilusão.
Ler, e escrever, é um exercício egoísta, em que não cabe lá mais ninguém para além d…

Voo da Paixão

Voámos alto, em noites gélidas que tornámos escaldantes. Voámos tão alto, que pude ver as estrelas e a Lua.
Mas o voo não é interminável e temos que pousar. Pousar para reabastecer, pousar para descansar e para voltar a voar... de novo... uma vez mais...
Quantas vezes o fizemos? Quantas vezes precisaremos de o voltar a fazer?

Se a paixão nos faz voar, o amor faz-nos pousar.