Avançar para o conteúdo principal

Três Tristes Totós

Estação. Plataforma da linha do comboio. 
Três Tristes Totós armados em homens. Um, com ar de mau, carrega consecutivamente no botão de chamada do elevador, as porta abrem-se logo após se fecharem, vezes sem conta. Os outros dois riem-se. "Ya, o nosso amigo é bué de rebelde, vejam só como ele abre tão bem as portas do elevador! Yé, meu, bué de nice!"
Passa uma rapariga em calções curtinhos. Os Três Tristes Totós olham-na com um ar ainda mais totó do que o inicial, quase salpicando a baba, que lhes molha os cantos da boca, nas pernas dela.
Passam mais duas raparigas, desta vez ambas com o cabelo cor-de-rosa. Os Três Tristes Totós olham-nas e riem-se bem alto.
O totó, encarregado da porta do elevador, carrega mais uma vez no botão. "Ui, que sou assim, tipo... tão mau!".
Todos os Três Tristes Totós são jovens, mas com idade para já terem alguma coisa dentro da cabeça. Não têm, apesar de já lhes terem nascido alguns pentelhos na cara, a que chamam barba. 
Passa mais uma miúda. Os Três Tristes Totós olham-na de alto a baixo. O ar de totós acentua-se fortemente. Parecem divertidíssimos. Mexem-se muito, demonstrando alguma vitalidade. Mas o vento, esse malandro, atravessa-lhes o cérebro a uma velocidade vertiginosa. Não dão por isso, não sabem sequer que o vento existe e, muito menos, que sofrem de uma corrente de ar intelectual.

Chega o comboio. Abençoado seja, que me salva de ficar tão triste quanto eles!

Comentários

  1. E se andam assim a perder gerações.
    Um país sem educação e civismo é o quê mesmo?

    ResponderEliminar
  2. Quando assisto a cenas mais ou menos semelhantes fico triste e penso nos erros que a minha geração cometeu na educação dos filhos,hoje repercutida nos netos.
    Abracinho meu!

    ResponderEliminar
  3. Até dá vontade de rir a triste figura deses 3 T, mas dá vontade de lhes dar uns bons estalos

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue

O Pintas

Estudei Gestão Equina numa terra no centro de Portugal.
A escola dividia-se entre uma antiga escola, no centro da aldeia, convertida em internato masculino e salas de aulas e uma herdade a uns setecentos ou oitocentos metros já quase fora da localidade.
Os alunos tinham aulas ora na escola, ora na herdade e seguiam geralmente a pé de um lado para o outro.
Um dia, o Pintas apareceu por lá (já não me lembro bem onde o encontrámos pela primeira vez), um cão talvez arraçado de dálmata, pois era branco com pintas negras.
Deram-lhe o nome de "Pintas", mas havia quem o chamasse de "Beethoven". Na verdade, podiam chamá-lo como quisessem que o cão reconhecia quando a conversa era com ele.
O Pintas fazia o caminho herdade/escola e escola/herdade vezes sem conta. Penso que a intenção era acompanhar os seus amigos preferidos no caminho que separava as duas instalações escolares... Seguia a nosso lado como se fosse mais um aluno. Deixava-nos na herdade e seguia de novo para a …