Avançar para o conteúdo principal

O Elogio

O J. não gosta de beleza artificial. Mulheres muito maquilhadas (mesmo quando são muito bonitas), acha-as horríveis. Saltos altos, nem vê-los, "mãe, tira isso!". Colares e decotes ousados, fazem-lhe confusão. 
Beleza natural, cara lavada e poucas "espampanâncias", já são a área dele. Fascina-se com a foto de uma modelo que decora uma montra perto da casa da avó, que tem pouca maquilhagem e pele lisinha. 
No entanto, ele sabe que eu pinto o cabelo. Aceita o facto, porém sem o apreciar muito.

No outro dia, estava na casa-de-banho a pentear-me, quando o J. entra. Olha para a longa cortina de fios loiros a serem escovados, esboça um sorriso, entre o deliciado e o "não sei se hei-de gostar disto ou não", e diz:
- Mãe, desta vez, pintaram-te muito bem o cabelo!

Imagem da Internet


Vindo dele, isto era um elogio.

Sorri-lhe.

Comentários

  1. Tendo em conta os seus padrões, foi mesmo amoroso. :)

    ResponderEliminar
  2. Concordo com seu filho em relação a mulheres maquilhadas, etc, mas também cada um deve respeitar a liberdade e os gostos dos outros!

    ResponderEliminar
  3. Ehehe faz ele bem em gostar da mulher tal qual como é :) E foi de facto um elogio

    Bom fim de semanaaa

    Beijinho*

    ResponderEliminar
  4. Oh, claro, são os gostos dele, que eu respeito, mas deixo de pintar o cabelo ou de me maquilhar, quando me apetece, por causa disso.
    Ele vai ter ir aprendendo que para respeitarem os gostos dele, também tem que respeitar os dos outros.
    Parece-me que está no bom caminho... A ver, vamos...
    ;)))

    ResponderEliminar
  5. Apetece-me encher o tweu filho de beijinhos, ele é um doce.

    ResponderEliminar
  6. No meu comentário anterior queria dizer "mas NÃO deixo de pintar o cabelo ou de me maquilhar, quando me apetece, por causa disso". Esqueci-me do "não". Sorry, tenho este terrível hábito de comer palavras.
    ;)

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue

Anita no Facebook

O Facebook anda a fazer-me mal. O chato é que preciso daquilo como ferramenta de trabalho e acaba por ser difícil desligar de vez ou até fazer um intervalinho com fins terapêuticos.
Ultimamente, ando tão farta de por ali andar que já tudo me parece os livros da Anita.
Antes do Verão: Anita corre quilómetros para caber no biquíni
Em férias:  Anita mete o pezinho na areia e o nariz no mar
Em dias de sol: Anita vai à esplanada com as amigas e diverte-se a potes
No fim das férias:  Anita volta para o trabalho chateadíssima, mas, pronto, a vida é assim e tem que trabalhar
À hora das refeições:  Anita cozinha um delicioso jantar cheio de super-alimentos e de baixas calorias ou  Anita vai almoçar a um sítio todo fashion, come imenso marisco e bebe sangria de champagne
Tarde de sábado:  Anita vai a uma exposição qualquer interessantíssima ou Anita sai à rua e vê as pessoas a passar
Sábado à noite:  Anita dança e bebe gin 
Tarde de domingo:  Anita vê um filme com a família ou Anita tem umas flores lindas…

Ler e escrever

Há uma candura e uma vontade de regressar à infância de quem lê e escreve. Ler, e escrever, vai para lá do que é o real. Leva-nos para um mundo imaginário, conduzido por quem escreve, mas só nosso, tão pessoal. Talvez por isso, ler e escrever sejam estreitos encontros com a solidão...

Quando se lê um livro, mergulha-se numa dimensão à parte. Trilha-se um caminho de ficção e trilha-se outro que só existe no nosso interior. Percorrem-se as dúvidas e as certezas, os sonhos e a realidade, como se fossem sempre tão próximos. Parte-se da fantasia para a existência, sem nunca se sair completamente de dentro de nós.
Ler, e escrever, é uma viagem ao tempo em que a imaginação nos comandava as emoções. É explorar o quarto escuro que nos apavorava ou os jardins que nos deslumbravam. É ir, e não voltar, aos lugares onde nos sentíamos sós e incompletos, mas ao mesmo tempo cheios de desconhecimento, inocência e ilusão.
Ler, e escrever, é um exercício egoísta, em que não cabe lá mais ninguém para além d…