Avançar para o conteúdo principal

Grito de Alerta

Guardei a vontade dentro de uma lata de atum, cuja pega, que permite abri-la, se partiu.
Tenho vivido num estado de embriaguez induzido, tenho fingido, sim fingido, que está tudo bem, que sou eu que estou aqui. Mas não está, não sou. 
A minha vida tem sido uma farsa, da qual não tenho conseguido sair. Arrasto os dias, que deixo passar, sem me aperceber se realmente existiram. A vontade de correr e não parar mais é enorme, mas não corro, sigo devagar, tão devagar que me sinto parada, petrificada na minha inacção.

E olho a vontade, dentro da lata... E a pega partida...

Evito o espelho que reflecte aquela que não sou, aquela que criei num intenso impulso de medo, medo de mim e de me ver. E fujo, escondo-me do meu olhar recriminador para não me detestar mais.
Mas continuo a odiar-me em silêncio, nos poucos momentos de lucidez que me assaltam. Aí, as lágrimas teimam em soltar-se dos meus olhos, prendo-as, prendo-as com força para que não me dêem a impressão, com a sua frescura e sabor salgado, de que estou viva. Prefiro sentir-me moribunda, do que encarar aquela ponta de mim, que espreita do espelho.

E a vontade ali, na lata... E a pega partida...

Só o amor, daqueles que conhecem a minha essência, me salva, me desperta deste estado comatoso que me persegue. Não fosse ele, já me teria perdido neste labirinto de desenganos...

Hoje, num encontro a sós com aquela que tenho escondido de mim, olhei o espelho pelo canto do olho, vi alguém que não conheço, mas observei mais atentamente e eu estava lá, no fundo dos olhos, mas lá.

Dei o grito de alerta. Gritei tão alto, que quase ensurdeci. E olhei para a lata, com a vontade lá dentro, sem pega, sem abre-latas, sem escopro e sem martelo...
Cravei-lhe os dentes com toda a força que tinha. "Foda-se, hoje, vais abrir, nem que eu parta os dentes, nem que corte os lábios e me esvaia em sangue. Prefiro esvaziar-me de sangue, do que esvaziar-me de mim!". E a vontade saiu, saiu em força numa erupção de liberdade. Hoje, dei-lhe asas e deixa-a voar. Percorri a vida que tenho andado a viver, fiz uma retrospectiva da hibernação e não gostei nada do vi.
Descobri, naquele encontro a sós com o meu eu, que a vida não é a capa que me tem escondido...

A vida... a vida é o ar que nos entra pelas narinas a dentro, é a chuva que nos encharca o cabelo, é os raios de sol que nos ferem os olhos, é o vento que nos despenteia o cabelo e alma, é o horizonte que se afasta a cada passada, é o amor que nos desperta e que nos ferve nas veias, e é essa vontade que deixamos, adormecida, dentro da lata...
Mas essa... essa, eu hoje fui buscá-la.

Mensagens populares deste blogue

O Espelho

Em pequena fui protectora das minorias, dos mal-tratados e dos ofendidos. Costumava juntar-me à mais gorda ou mais feia da turma, aquela menina com quem toda a gente gozava e com quem ninguém gostava de ser visto. Tratava melhor os que eram desprezados e tinha uma atenção especial para com quem levava mais reguadas. Ainda sou um bocado assim, porém não tanto, porque as pessoas  que eu considerava minorias me foram mostrando tantos lados das suas personalidades que deixei de as ver apenas como mal-tratadas, ofendidas e carentes de protecção. Percebi, ao longo dos anos, que somos muito mais do que aquilo que aparentamos. E ainda bem, digo-o hoje.
Olhando para trás, penso que talvez o fizesse por pena de as pessoas não terem as mesmas atenções que os outros, ditos populares, e como que para compensar os males que lhes faziam. 
Olhando depois para dentro de mim, penso que também agia daquela forma para desviar os olhares das minhas próprias fragilidades. Se eu protegesse outros, sentir-me…

Afectos e machismo

Temos um PR adorado pelos seus abraços e beijinhos;Temos um acórdão do Tribunal da Relação do Porto que cita a Bíblia para desculpar a violência doméstica exercida sobre uma mulher adúltera.

Proponho o seguinte exercício: - Imaginar que o PR era uma mulher que investia em abraços e beijinhos aos populares; - Imaginar que o acórdão desculpava a violência doméstica exercida sobre um homem adúltero.
Que resultado obteríamos deste exercício? Calculo que surgiria a teoria de que a PR seria uma promíscua, carente de afectos, ou que se estaria a "atirar" a todo homem que lhe aparecesse à frente...Calculo que o homem agredido seria achincalhado por permitir sofrer violência doméstica por parte de uma mulher e que, em simultâneo, seria perdoado do adultério, tanto por ter uma mulher violenta, quanto por ter "carne fraca"... Enquanto condicionarmos a nossa avaliação das situações pelos géneros dos intervenientes, estaremos sempre em desigualdade. Enquanto não conseguirmos separar c…