Avançar para o conteúdo principal

Dói

Pensei que só tínhamos andado para trás até à época do Estado Novo, que só a censura, um pouco dissimulada, é certo, mas a censura, tivesse voltado. Enganei-me. Afinal, andámos tão para trás que chegámos ao tempo da Revolução Industrial. Não em termos de desenvolvimento económico, ou tecnológico, mas em retrocesso humano e social. 
As pessoas, depois de passarem todas as épocas de renovação e estímulo intelectual, como o humanismo, o iluminismo, ou o renascimento, deixaram, novamente, de ser consideradas pessoas e voltaram a ser mão-de-obra. Mas a mão(-de-obra) só é assim considerada se não tiver nenhum problema nas unhas ou nos dedos, caso contrário, nem sequer é vista como mão. 
Sinto a sociedade a suicidar-se, a aniquilar tudo o que foi construído à custa de muitas mãos, pés, cabeças e vidas. 
E isso dói. 

O valor das pessoas ser equivalente àquilo que conseguem produzir, ao dinheiro que conseguem gerar, está a provocar uma dor profunda no meu peito. Despedirem-se trabalhadores por "dá cá aquela palha", retirarem-se direitos a doentes, velhos, crianças, enfim pessoas em geral, não é só doloroso, como também é penoso. A importância exacerbada que se dá às capacidades e incapacidades de cada um, tanto físicas, como morais, pessoais ou ideológicas e a facilidade com que se dispensa alguém ou se dispensa alguma coisa de alguém, são assustadoras. 
Vejo o respeito pela individualidade de cada um diluir-se em interesses menores, em quezílias supérfluas, em merdices. 
Vejo o socialismo esmagado pelo capitalismo e a democracia num processo vertiginoso de falecimento. 

E isso dói! Dói demais!

Comentários

  1. A mim também me dói, imenso.
    Acho que acima de tudo se estão a perder valores. A falta de respeito pelo próximo, a não lealdade, a impunidade...metem-me nojo.
    Sabes? já não me sinto bem neste país, começo com sério receio que um dia me sinta envergonhada de ser portuguesa (ainda mais quando vejo documentários como o que está a passar há 2 dias na sic noticias) :(

    ResponderEliminar
  2. Não sei o que dizer...apenas que sinto o mesmo!
    Abracinho meu!

    ResponderEliminar
  3. o triste está precisamente aí... no sentirmos e voltarmos a escrever tempos passados que julgávamos sentenciados perpétuamente, mas não... estão cá, em moldes mais sofisticados de dureza...!!

    até

    ResponderEliminar
  4. È o poder do dinheiro... e é assustador...

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue

Anita no Facebook

O Facebook anda a fazer-me mal. O chato é que preciso daquilo como ferramenta de trabalho e acaba por ser difícil desligar de vez ou até fazer um intervalinho com fins terapêuticos.
Ultimamente, ando tão farta de por ali andar que já tudo me parece os livros da Anita.
Antes do Verão: Anita corre quilómetros para caber no biquíni
Em férias:  Anita mete o pezinho na areia e o nariz no mar
Em dias de sol: Anita vai à esplanada com as amigas e diverte-se a potes
No fim das férias:  Anita volta para o trabalho chateadíssima, mas, pronto, a vida é assim e tem que trabalhar
À hora das refeições:  Anita cozinha um delicioso jantar cheio de super-alimentos e de baixas calorias ou  Anita vai almoçar a um sítio todo fashion, come imenso marisco e bebe sangria de champagne
Tarde de sábado:  Anita vai a uma exposição qualquer interessantíssima ou Anita sai à rua e vê as pessoas a passar
Sábado à noite:  Anita dança e bebe gin 
Tarde de domingo:  Anita vê um filme com a família ou Anita tem umas flores lindas…

Ler e escrever

Há uma candura e uma vontade de regressar à infância de quem lê e escreve. Ler, e escrever, vai para lá do que é o real. Leva-nos para um mundo imaginário, conduzido por quem escreve, mas só nosso, tão pessoal. Talvez por isso, ler e escrever sejam estreitos encontros com a solidão...

Quando se lê um livro, mergulha-se numa dimensão à parte. Trilha-se um caminho de ficção e trilha-se outro que só existe no nosso interior. Percorrem-se as dúvidas e as certezas, os sonhos e a realidade, como se fossem sempre tão próximos. Parte-se da fantasia para a existência, sem nunca se sair completamente de dentro de nós.
Ler, e escrever, é uma viagem ao tempo em que a imaginação nos comandava as emoções. É explorar o quarto escuro que nos apavorava ou os jardins que nos deslumbravam. É ir, e não voltar, aos lugares onde nos sentíamos sós e incompletos, mas ao mesmo tempo cheios de desconhecimento, inocência e ilusão.
Ler, e escrever, é um exercício egoísta, em que não cabe lá mais ninguém para além d…