Avançar para o conteúdo principal

Sem-Abrigo, Mas Com Dignidade

Entrou no café. Aspecto andrajoso, samarra a proteger-lhe o corpo, boca sem dentes. O dono do café dirigiu-se-lhe. Rapidamente, pegou nuns talheres e encaminhou-o para uma mesa na esplanada. Pediu que se sentasse. Trouxe-lhe uma sopa e afastou-se. 
O homem comia a sopa devagar. Apenas duas colheradas seguidas. O estômago, habituado ao vazio, não aguentava mais que duas, apesar da fome querer a sopa de uma assentada. Vinte minutos para comer uma sopa, igual à que eu comi em cinco.
Mal acabou a sopa, o homem pegou na tigela e deixou-a no balcão, num gesto mais educado do o de qualquer outro cliente limpinho e engravatado. Dirigia-se à casa-de-banho, quando eu saí.

Fiquei com aquele homem às voltas na minha cabeça, o resto do dia...

Tomado pela fome, ia ao café onde lhe davam uma sopa, em troca de se sentar numa mesa da esplanada, o mais longe possível dos restantes clientes. Afastado dos olhos de quem podia pagar a sopa e mudar de roupa todos os dias, a dignidade dele não se abalou. Admirei-o tanto. E desprezei-me tanto por pertencer aos que de, uma forma ou de outra, o querem longe da vista e do coração. Senti-me um animal que rejeita a cria mais fraca. Senti-me reduzida à minha insignificância de quem pode pagar uma sopa. 

Ficamos tão pequeninos perante a dignidade de quem não se deixa abalar pelo desprezo vil de uma sociedade consumista...Tão pequeninos, tão pequeninos que somos, afinal.

Comentários

  1. E ainda há quem sonhe com malas Chanel


    Beijoca

    ResponderEliminar
  2. Senti-me assim quando vi à pouco uma reportagem sobre os sem abrigo em que um dizia: mais que um prato de comida ou uma manta quente, às vezes do que preciso é de uma palavra... fiquei sem chão e jurei a mim mesma que se me cruzar com um vou-lhe olhar nos olhos e dizer-lhe bom dia, precisa de alguma coisa?

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue

Anita no Facebook

O Facebook anda a fazer-me mal. O chato é que preciso daquilo como ferramenta de trabalho e acaba por ser difícil desligar de vez ou até fazer um intervalinho com fins terapêuticos.
Ultimamente, ando tão farta de por ali andar que já tudo me parece os livros da Anita.
Antes do Verão: Anita corre quilómetros para caber no biquíni
Em férias:  Anita mete o pezinho na areia e o nariz no mar
Em dias de sol: Anita vai à esplanada com as amigas e diverte-se a potes
No fim das férias:  Anita volta para o trabalho chateadíssima, mas, pronto, a vida é assim e tem que trabalhar
À hora das refeições:  Anita cozinha um delicioso jantar cheio de super-alimentos e de baixas calorias ou  Anita vai almoçar a um sítio todo fashion, come imenso marisco e bebe sangria de champagne
Tarde de sábado:  Anita vai a uma exposição qualquer interessantíssima ou Anita sai à rua e vê as pessoas a passar
Sábado à noite:  Anita dança e bebe gin 
Tarde de domingo:  Anita vê um filme com a família ou Anita tem umas flores lindas…

Ler e escrever

Há uma candura e uma vontade de regressar à infância de quem lê e escreve. Ler, e escrever, vai para lá do que é o real. Leva-nos para um mundo imaginário, conduzido por quem escreve, mas só nosso, tão pessoal. Talvez por isso, ler e escrever sejam estreitos encontros com a solidão...

Quando se lê um livro, mergulha-se numa dimensão à parte. Trilha-se um caminho de ficção e trilha-se outro que só existe no nosso interior. Percorrem-se as dúvidas e as certezas, os sonhos e a realidade, como se fossem sempre tão próximos. Parte-se da fantasia para a existência, sem nunca se sair completamente de dentro de nós.
Ler, e escrever, é uma viagem ao tempo em que a imaginação nos comandava as emoções. É explorar o quarto escuro que nos apavorava ou os jardins que nos deslumbravam. É ir, e não voltar, aos lugares onde nos sentíamos sós e incompletos, mas ao mesmo tempo cheios de desconhecimento, inocência e ilusão.
Ler, e escrever, é um exercício egoísta, em que não cabe lá mais ninguém para além d…