Avançar para o conteúdo principal

O Radar

Imagem retirada da Internet
Hoje, cheguei a casa stressada, irritada, triste, em baixo mesmo. O J., que tem um radar super-potente que detecta qualquer alteração menos boa no humor da mãe, perguntou-me:
-Então, mãe, o que é que tu tens? Estás triste?
-Estou, estou chateada com o trabalho. Não me correu nada bem o dia...
Chamou o pai:
-Pai, pai, faz alguma coisa para despedirem a mãe do trabalho! Ela está triste com ele!
-A mãe precisa é de miminhos! - disse o pai.
-Anda, mãe, vamos fazer miminhos, os três, para a caminha! Anda!

Pôs a casa em estado de sítio, agarrou-me na mão e puxou-me para o quarto. Descalçou os sapatos à pressa e saltou para cima da cama, enquanto me puxava. Deitei-me ao lado dele. Abraçou-me.
-Anda pai, deita-te aqui também! Vamos dar beijinhos à mãe!
Fiquei ensanduichada entre os meus dois meninos, que me abraçavam e davam beijinhos. Souberam-me tão bem aqueles momentos de extrema ternura... 

Bendito radar!

Comentários

  1. As crianças têm um sexto sentido que nós parecemos ter perdido...
    Sabe tão bem quando eles nos mimam em dias assim!

    ResponderEliminar
  2. Sortuda... mimos logo de dois... há mulheres com sorte :)


    Beijoca

    (podes ter muito orgulho da tua cria)

    ResponderEliminar
  3. Naná,
    As crianças são incríveis! Tenho descoberto isso, desde que fui mãe, e não o descubro só na minha cria, encontro-o também nas outras crianças que não são minhas. São os nossos olhos que mudam com a maternidade! Pelo menos, os meus mudaram, e muito!
    Bjs

    ResponderEliminar
  4. Felina,
    Verdade, por vezes, sinto-me mesmo uma sortuda!
    E tenho, tenho muito orgulho na cria. E no pai da cria. Enfim, sou uma perfeita babada.
    Há momentos, que não me sinto à altura deles, que devia dar-lhes mais do que dou, que fico sempre aquém do que eles merecem.
    Bah!
    Bjs

    ResponderEliminar
  5. E há alguma coisa melhor? que bom, o teu J. é um doce**

    ResponderEliminar
  6. Mammy nem penses nisso, por alguma razão eles te dão esses mimos todos,não sejas demasiado exigente contigo mesma...


    Beijinho

    ResponderEliminar
  7. O radar do J. é fruto do amor, da ternura, dos cuidados e da atenção que lhe dedicam, ele está em processo de aprendizagem, está retribuindo, embora inconscientemente, esses cuidados.
    Bons pais têm enormes probabilidades de terem excelentes filhos!
    Essa criança é "um bem" sem preço!
    Abracinho meu!

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue

Anita no Facebook

O Facebook anda a fazer-me mal. O chato é que preciso daquilo como ferramenta de trabalho e acaba por ser difícil desligar de vez ou até fazer um intervalinho com fins terapêuticos.
Ultimamente, ando tão farta de por ali andar que já tudo me parece os livros da Anita.
Antes do Verão: Anita corre quilómetros para caber no biquíni
Em férias:  Anita mete o pezinho na areia e o nariz no mar
Em dias de sol: Anita vai à esplanada com as amigas e diverte-se a potes
No fim das férias:  Anita volta para o trabalho chateadíssima, mas, pronto, a vida é assim e tem que trabalhar
À hora das refeições:  Anita cozinha um delicioso jantar cheio de super-alimentos e de baixas calorias ou  Anita vai almoçar a um sítio todo fashion, come imenso marisco e bebe sangria de champagne
Tarde de sábado:  Anita vai a uma exposição qualquer interessantíssima ou Anita sai à rua e vê as pessoas a passar
Sábado à noite:  Anita dança e bebe gin 
Tarde de domingo:  Anita vê um filme com a família ou Anita tem umas flores lindas…

Ler e escrever

Há uma candura e uma vontade de regressar à infância de quem lê e escreve. Ler, e escrever, vai para lá do que é o real. Leva-nos para um mundo imaginário, conduzido por quem escreve, mas só nosso, tão pessoal. Talvez por isso, ler e escrever sejam estreitos encontros com a solidão...

Quando se lê um livro, mergulha-se numa dimensão à parte. Trilha-se um caminho de ficção e trilha-se outro que só existe no nosso interior. Percorrem-se as dúvidas e as certezas, os sonhos e a realidade, como se fossem sempre tão próximos. Parte-se da fantasia para a existência, sem nunca se sair completamente de dentro de nós.
Ler, e escrever, é uma viagem ao tempo em que a imaginação nos comandava as emoções. É explorar o quarto escuro que nos apavorava ou os jardins que nos deslumbravam. É ir, e não voltar, aos lugares onde nos sentíamos sós e incompletos, mas ao mesmo tempo cheios de desconhecimento, inocência e ilusão.
Ler, e escrever, é um exercício egoísta, em que não cabe lá mais ninguém para além d…