Avançar para o conteúdo principal

Imediatismo Educacional

Já AQUI falei sobre este tema, é verdade, mas como este é um tema cada vez mais actual, não posso deixar de voltar a falar nele.
Desta vez, ele vem a propósito DESTE TEXTO e de eu ter ido, recentemente, à reunião da escola do meu pequeno e ter constatado que cada vez há mais miúdos medicados na turma dele. 

Confesso que me assusta, pais, professores, psicólogos e pedopsiquiatras, defenderem o uso de medicamentos para controlarem as suas crianças. Parece-me, e digo "parece-me" porque não tenho qualquer formação na área, além da de ser mãe, que a utilização de medicamentos e a rotulagem das crianças mais mexidas são motivadas pela preguiça e pelo desejo de uma fórmula mágica e imediata para a resolução de um problema, que por vezes é mais fácil de solucionar do que nos parece à primeira vista.
Assusta-me ainda mais a educação de certas crianças estar mais dependente de químicos, do que de educação propriamente dita. Comparo-a aos comprimidos para emagrecer, que substituem o exercício físico e a alimentação equilibrada, e que utilizamos quando não temos paciência, nem vontade, para nos mexermos ou para comermos coisas saudáveis: Engolimos 3 comprimidos por dia na esperança que as gorduras que acumulamos, e que continuamos a ingerir, se evaporem.
Assim se faz a crianças que de hiperactivas não têm nada. Não quero, com isto, dizer que não existam crianças hiperactivas, não duvido que existam, mas sei, por observação atenta, que também existem muitas que não o são, e que andam a ser medicadas porque é mais fácil dar-lhes medicamentos do que as educar.

Esta ideia de imediatismo na educação vem agregada ao conceito de imediatismo de um modo geral. A informação na hora, a formação em três tempos, os prazeres instantâneos, a pressa, o stress e as vidas a correrem a 1000 à hora, são os principais "culpados" desta ideia de imediatismo: tudo se quer rápido e à distância de um simples click. Ora, a educação das crianças não pode estar à distância de um click,  não é imediata, pois arrisca-se a ser totalmente ineficaz. As crianças precisam de tempos próprios, precisam de constatar os erros através da experiência, precisam de regras e de quebrar as mesmas, precisam de saltar, cair e levantarem-se e, precisam, acima de tudo, que as guiemos por esta estrada sinuosa da vida.
Mas, por vezes, o pouco tempo não nos deixa estar lá, presentes de corpo e alma, quando de nós precisam, e é por isso que, também, é tão importante darmos-lhes ferramentas, através das quais, elas consigam ultrapassar os seus próprios obstáculos, e essencialmente, aprender com eles.

Estarão agora a pensar "quem és tu para saberes tão bem do que é que as crianças precisam?".
Na verdade, não sou ninguém, nem sei se o que tenho feito para educar o meu filho tem sido o mais correcto. Provavelmente, não. Talvez, só daqui a muitos anos, quando ele for adulto, saberei se o que fiz foi, ou não, o mais correcto.
Mas uma coisa, penso, que tem sido de extrema importância, tanto para ele como para mim, e essa coisa é duvidar sempre e questionar-me infinitas vezes se o que estou a fazer é o mais correcto. Não aceito verdades universais sem as questionar variadíssimas vezes. Pura e simplesmente, não aceito. Tal como não as aceito, também não acredito em pílulas milagrosas e acho, sempre, que os medicamentos só se dão em último caso. São um último recurso, quando mais nada funciona.
Por isso, me assustam tanto os pais e técnicos de saúde e de educação que a primeira solução, que lhes vem à cabeça, nos casos das crianças mais mexidas, é a medicação. Penso que a pressa em solucionar este problema é a maior inimiga da eficácia e que esta é a principal causa do abandono das funções parentais por estes progenitores.
Quando estes pais se demitem da sua função de educar, os seus filhos passam a ser órfãos, pois mais do que as importantes tarefas de alimentar, vestir e dar formação aos filhos, os pais devem educá-los.

Quando a educação deixa de existir, temos filhos deficientes, não porque lhes falte uma perna, ou porque tenham algum problema congénito, mas porque lhes falta a técnica para usarem as asas que lhes permitirão voar.

Mensagens populares deste blogue

O Espelho

Em pequena fui protectora das minorias, dos mal-tratados e dos ofendidos. Costumava juntar-me à mais gorda ou mais feia da turma, aquela menina com quem toda a gente gozava e com quem ninguém gostava de ser visto. Tratava melhor os que eram desprezados e tinha uma atenção especial para com quem levava mais reguadas. Ainda sou um bocado assim, porém não tanto, porque as pessoas  que eu considerava minorias me foram mostrando tantos lados das suas personalidades que deixei de as ver apenas como mal-tratadas, ofendidas e carentes de protecção. Percebi, ao longo dos anos, que somos muito mais do que aquilo que aparentamos. E ainda bem, digo-o hoje.
Olhando para trás, penso que talvez o fizesse por pena de as pessoas não terem as mesmas atenções que os outros, ditos populares, e como que para compensar os males que lhes faziam. 
Olhando depois para dentro de mim, penso que também agia daquela forma para desviar os olhares das minhas próprias fragilidades. Se eu protegesse outros, sentir-me…

Afectos e machismo

Temos um PR adorado pelos seus abraços e beijinhos;Temos um acórdão do Tribunal da Relação do Porto que cita a Bíblia para desculpar a violência doméstica exercida sobre uma mulher adúltera.

Proponho o seguinte exercício: - Imaginar que o PR era uma mulher que investia em abraços e beijinhos aos populares; - Imaginar que o acórdão desculpava a violência doméstica exercida sobre um homem adúltero.
Que resultado obteríamos deste exercício? Calculo que surgiria a teoria de que a PR seria uma promíscua, carente de afectos, ou que se estaria a "atirar" a todo homem que lhe aparecesse à frente...Calculo que o homem agredido seria achincalhado por permitir sofrer violência doméstica por parte de uma mulher e que, em simultâneo, seria perdoado do adultério, tanto por ter uma mulher violenta, quanto por ter "carne fraca"... Enquanto condicionarmos a nossa avaliação das situações pelos géneros dos intervenientes, estaremos sempre em desigualdade. Enquanto não conseguirmos separar c…