Avançar para o conteúdo principal

Imediatismo Educacional

Já AQUI falei sobre este tema, é verdade, mas como este é um tema cada vez mais actual, não posso deixar de voltar a falar nele.
Desta vez, ele vem a propósito DESTE TEXTO e de eu ter ido, recentemente, à reunião da escola do meu pequeno e ter constatado que cada vez há mais miúdos medicados na turma dele. 

Confesso que me assusta, pais, professores, psicólogos e pedopsiquiatras, defenderem o uso de medicamentos para controlarem as suas crianças. Parece-me, e digo "parece-me" porque não tenho qualquer formação na área, além da de ser mãe, que a utilização de medicamentos e a rotulagem das crianças mais mexidas são motivadas pela preguiça e pelo desejo de uma fórmula mágica e imediata para a resolução de um problema, que por vezes é mais fácil de solucionar do que nos parece à primeira vista.
Assusta-me ainda mais a educação de certas crianças estar mais dependente de químicos, do que de educação propriamente dita. Comparo-a aos comprimidos para emagrecer, que substituem o exercício físico e a alimentação equilibrada, e que utilizamos quando não temos paciência, nem vontade, para nos mexermos ou para comermos coisas saudáveis: Engolimos 3 comprimidos por dia na esperança que as gorduras que acumulamos, e que continuamos a ingerir, se evaporem.
Assim se faz a crianças que de hiperactivas não têm nada. Não quero, com isto, dizer que não existam crianças hiperactivas, não duvido que existam, mas sei, por observação atenta, que também existem muitas que não o são, e que andam a ser medicadas porque é mais fácil dar-lhes medicamentos do que as educar.

Esta ideia de imediatismo na educação vem agregada ao conceito de imediatismo de um modo geral. A informação na hora, a formação em três tempos, os prazeres instantâneos, a pressa, o stress e as vidas a correrem a 1000 à hora, são os principais "culpados" desta ideia de imediatismo: tudo se quer rápido e à distância de um simples click. Ora, a educação das crianças não pode estar à distância de um click,  não é imediata, pois arrisca-se a ser totalmente ineficaz. As crianças precisam de tempos próprios, precisam de constatar os erros através da experiência, precisam de regras e de quebrar as mesmas, precisam de saltar, cair e levantarem-se e, precisam, acima de tudo, que as guiemos por esta estrada sinuosa da vida.
Mas, por vezes, o pouco tempo não nos deixa estar lá, presentes de corpo e alma, quando de nós precisam, e é por isso que, também, é tão importante darmos-lhes ferramentas, através das quais, elas consigam ultrapassar os seus próprios obstáculos, e essencialmente, aprender com eles.

Estarão agora a pensar "quem és tu para saberes tão bem do que é que as crianças precisam?".
Na verdade, não sou ninguém, nem sei se o que tenho feito para educar o meu filho tem sido o mais correcto. Provavelmente, não. Talvez, só daqui a muitos anos, quando ele for adulto, saberei se o que fiz foi, ou não, o mais correcto.
Mas uma coisa, penso, que tem sido de extrema importância, tanto para ele como para mim, e essa coisa é duvidar sempre e questionar-me infinitas vezes se o que estou a fazer é o mais correcto. Não aceito verdades universais sem as questionar variadíssimas vezes. Pura e simplesmente, não aceito. Tal como não as aceito, também não acredito em pílulas milagrosas e acho, sempre, que os medicamentos só se dão em último caso. São um último recurso, quando mais nada funciona.
Por isso, me assustam tanto os pais e técnicos de saúde e de educação que a primeira solução, que lhes vem à cabeça, nos casos das crianças mais mexidas, é a medicação. Penso que a pressa em solucionar este problema é a maior inimiga da eficácia e que esta é a principal causa do abandono das funções parentais por estes progenitores.
Quando estes pais se demitem da sua função de educar, os seus filhos passam a ser órfãos, pois mais do que as importantes tarefas de alimentar, vestir e dar formação aos filhos, os pais devem educá-los.

Quando a educação deixa de existir, temos filhos deficientes, não porque lhes falte uma perna, ou porque tenham algum problema congénito, mas porque lhes falta a técnica para usarem as asas que lhes permitirão voar.

Mensagens populares deste blogue

"Bom dia e as melhoras!"

IPO - 9h da manhã

Indicam-me a sala de espera da radiologia. Há uma televisão que vai distraindo as pessoas sentadas, alinhadas, de frente para ela.
Sento-me no sofá por baixo da televisão e de frente para os espectadores pouco atentos às notícias da manhã.
O ar que se respira nas salas de espera do IPO é sempre um pouco solene. Vive-se a incerteza e espera-se o desconhecido. O silêncio e as palavras ditas em murmúrios impregnam o ambiente de uma musicalidade suave. Como se fosse o som de fundo de uma floresta imergida na fatalidade perene.

Chamam-me para o exame. Sigo a "operacional" - como chamam hoje às funcionárias dos hospitais - até ao gabinete onde me devo despir da cintura para cima e vestir a bata branca com centenas de IPOs estampados.
Faço o que me mandam e tiro o piercing do umbigo. Tiro o piercing do umbigo sempre que sou irradiada. Tenho a sensação que o metal do brinco pode projectar as radiações para lugares inusitados se não o fizer. Talvez seja uma crença o…

A sesta

Às vezes ainda sinto o cheiro do colchão forrado a plástico impermeável azul do infantário. Volto à sala dos quatro anos, onde, na semi-obscuridade, tento dormir.
Vejo as persianas descidas quase até acima e conto os quadradinhos de luz que saem das duas últimas filas dos estores que ficaram por fechar. Fixo os olhos na luz e na vontade de sair para rua num dia bonito de Verão. Estou aprisionada naquela sala transformada em dormitório infantil e sinto, hoje, a mesma impaciência que sentia pelo fim da hora da sesta.

A Preciosa e a Isabel cochicham junto à porta, enquanto controlam quem ainda não dorme. Estão sentadas nas cadeiras minúsculas e rodeadas por um clarão de luz. Invejo-as por ninguém as obrigar a dormir, por estarem ali na conversa, ao contrário de mim que estou aprisionada no colchão com a cara colada ao plástico azul. Tento descolar-me do colchão, mas o movimento da minha cabeça denunciar-me-ia às educadoras.
Olho para o meu colega do lado, também de quatro anos, que dorme…

Marcadores #6

- A Gabrielle é inocente, podes acreditar! Quando a conheceres vais ter vontade de a defender, vais ver – Cármen estava exausta, por isso Ana resolveu fazer uma pausa na conversa para a mãe descansar. Levantou-se e dirigiu-se à cozinha para ir buscar um copo de água. Quando voltou, abriu a gaveta da mesinha-de-cabeceira e tirou várias qualidades de comprimidos. Olhou para o papelinho que os acompanhava que descrevia as quantidades e horários e começou a separar os que pertenciam àquela hora. Juntou seis que Cármen teria de deglutir uns atrás dos outros. Passou-os um a um, para a mão da mãe, que os tentou empurrar garganta abaixo com a ajuda de doridos golos de água.             Cármen quebrou o silêncio para dizer que guardava cartas trocadas com Gabrielle no tempo em que a amiga trabalhou na Alemanha e que gostava que a filha as lesse. Era uma forma de conhecer Gabrielle, explicou. Apontou para uma caixinha de madeira que se encontrava sobre a cómoda debaixo da janela que continh…