Avançar para o conteúdo principal

Ganga Forever

Sou daquelas pessoas que, entre o chique e o confortável, prefere sempre o confortável. 
No entanto, de vez em quando, gosto de me mascarar. Fico mais chique e menos confortável. Mascaro-me de senhora, de miúda fashion, de profissional de uma treta qualquer, enfim, do que me der na real gana. É raro mascarar-me, mas, às vezes, apetece-me, o que é que querem?

Hoje, foi um desses dias. Mascarei-me de mais-ou-menos arranjadinha. Vesti-me com um vestidinho curto, mas não curto demais (tive que o comprar um número acima para evitar andar de rabo ao léu, pois neste país as roupas grandes são largas, mas não são suficientemente compridas, ou seja, são feitas a pensar em pessoas gordinhas, mas esquecem-se das pessoas compridas), um casaquinho bem comportado, calcei umas botas altas, mas sem saltos, para não parecer uma torre, e vesti o sobretudo por cima disso tudo, que frio é coisa que não quero passar por nada deste mundo.

Esta máscara surtiu um efeito que, há já algum tempo, não surtia. Já nem me lembrava como era passar na rua e ir sentindo os olhares, distraídos de todos os dias, virarem-se na minha direcção. Coisa esta que não aprecio especialmente, pois sofro do trauma das pessoas grandes que vivem num país de pequeninos, que deve ser igualzinho ao das pessoas pequenas que vivem num país de grandes.

A princípio pensei "será que o vestido subiu tanto que estou de cinto em vez de vestido?". Discretamente, tacteei o fim da saia e verifiquei que não, que estava tudo no sítio certo. Depois, olhei para as meias para ver havia algum buraco de que eu não tivesse dado conta. Nada! Tudo direitinho! "E as botas estarão sujas?" Também não, estavam fixes!

Como estou mais gordinha do que estava, quando era aprendiz de modelo e as minhas curvas não são agradáveis à vista, como poderiam ser naquela época, como já me apareceu um mapa das estradas da vida estampado na cara, a que alguns teimam em chamar rugas (especialmente o meu querido filho), como não me sinto minimamente atraente, nem me tenho mascarado ultimamente, já não me lembrava que pertenço a uma espécie meio estranha a este habitat e que, este facto chama a atenção dos indivíduos pertencentes a outras espécies. Mulher grande com ar apresentável é alvo observação atenta. (Razão pela qual, me fiz adepta do confortável discretinho).
Confesso que me senti terrivelmente mal e cheia de vontade de dar meia volta para trás e ir a casa mudar de roupa. Mas como o tempo era escasso, não tive outro remédio senão levantar a cabeça e seguir em frente.

Adoro a minha privacidade (podemos também chamá-la de insignificância, se preferirem), adoro que me deixem sossegadinha no meu canto e que não estejam sempre a controlar aquilo que faço ou digo e, com esta máscara de hoje, perdia-a durante um dia inteirinho. 
Senti-me horrível... Foi como se me tivessem andado a bisbilhotar a gaveta da mesa-de-cabeceira, mesmo debaixo das minhas barbas. Os sacanas...

Por isso, amanhã estarei, feliz e contente, de volta às minhas queridas calças de ganga, não vá alguém querer bisbilhotar a gaveta outra vez...
A máscara serviu, pelo menos, para que eu valorizasse a "bela da ganga", até que me esqueça deste dia e, volte a apetecer-me entrar numa de Transformers (robot se transforma num carro e vice-versa, lembram-se?)...
Aleluia a quem inventou as maravilhosas calças de ganga! Talvez a... Levi Strauss?

Mensagens populares deste blogue

A sesta

Às vezes ainda sinto o cheiro do colchão forrado a plástico impermeável azul do infantário. Volto à sala dos quatro anos, onde, na semi-obscuridade, tento dormir.
Vejo as persianas descidas quase até acima e conto os quadradinhos de luz que saem das duas últimas filas dos estores que ficaram por fechar. Fixo os olhos na luz e na vontade de sair para rua num dia bonito de Verão. Estou aprisionada naquela sala transformada em dormitório infantil e sinto, hoje, a mesma impaciência que sentia pelo fim da hora da sesta.

A Preciosa e a Isabel cochicham junto à porta, enquanto controlam quem ainda não dorme. Estão sentadas nas cadeiras minúsculas e rodeadas por um clarão de luz. Invejo-as por ninguém as obrigar a dormir, por estarem ali na conversa, ao contrário de mim que estou aprisionada no colchão com a cara colada ao plástico azul. Tento descolar-me do colchão, mas o movimento da minha cabeça denunciar-me-ia às educadoras.
Olho para o meu colega do lado, também de quatro anos, que dorme…

"Bom dia e as melhoras!"

IPO - 9h da manhã

Indicam-me a sala de espera da radiologia. Há uma televisão que vai distraindo as pessoas sentadas, alinhadas, de frente para ela.
Sento-me no sofá por baixo da televisão e de frente para os espectadores pouco atentos às notícias da manhã.
O ar que se respira nas salas de espera do IPO é sempre um pouco solene. Vive-se a incerteza e espera-se o desconhecido. O silêncio e as palavras ditas em murmúrios impregnam o ambiente de uma musicalidade suave. Como se fosse o som de fundo de uma floresta imergida na fatalidade perene.

Chamam-me para o exame. Sigo a "operacional" - como chamam hoje às funcionárias dos hospitais - até ao gabinete onde me devo despir da cintura para cima e vestir a bata branca com centenas de IPOs estampados.
Faço o que me mandam e tiro o piercing do umbigo. Tiro o piercing do umbigo sempre que sou irradiada. Tenho a sensação que o metal do brinco pode projectar as radiações para lugares inusitados se não o fizer. Talvez seja uma crença o…

Marcadores #6

- A Gabrielle é inocente, podes acreditar! Quando a conheceres vais ter vontade de a defender, vais ver – Cármen estava exausta, por isso Ana resolveu fazer uma pausa na conversa para a mãe descansar. Levantou-se e dirigiu-se à cozinha para ir buscar um copo de água. Quando voltou, abriu a gaveta da mesinha-de-cabeceira e tirou várias qualidades de comprimidos. Olhou para o papelinho que os acompanhava que descrevia as quantidades e horários e começou a separar os que pertenciam àquela hora. Juntou seis que Cármen teria de deglutir uns atrás dos outros. Passou-os um a um, para a mão da mãe, que os tentou empurrar garganta abaixo com a ajuda de doridos golos de água.             Cármen quebrou o silêncio para dizer que guardava cartas trocadas com Gabrielle no tempo em que a amiga trabalhou na Alemanha e que gostava que a filha as lesse. Era uma forma de conhecer Gabrielle, explicou. Apontou para uma caixinha de madeira que se encontrava sobre a cómoda debaixo da janela que continh…