Avançar para o conteúdo principal

Ganga Forever

Sou daquelas pessoas que, entre o chique e o confortável, prefere sempre o confortável. 
No entanto, de vez em quando, gosto de me mascarar. Fico mais chique e menos confortável. Mascaro-me de senhora, de miúda fashion, de profissional de uma treta qualquer, enfim, do que me der na real gana. É raro mascarar-me, mas, às vezes, apetece-me, o que é que querem?

Hoje, foi um desses dias. Mascarei-me de mais-ou-menos arranjadinha. Vesti-me com um vestidinho curto, mas não curto demais (tive que o comprar um número acima para evitar andar de rabo ao léu, pois neste país as roupas grandes são largas, mas não são suficientemente compridas, ou seja, são feitas a pensar em pessoas gordinhas, mas esquecem-se das pessoas compridas), um casaquinho bem comportado, calcei umas botas altas, mas sem saltos, para não parecer uma torre, e vesti o sobretudo por cima disso tudo, que frio é coisa que não quero passar por nada deste mundo.

Esta máscara surtiu um efeito que, há já algum tempo, não surtia. Já nem me lembrava como era passar na rua e ir sentindo os olhares, distraídos de todos os dias, virarem-se na minha direcção. Coisa esta que não aprecio especialmente, pois sofro do trauma das pessoas grandes que vivem num país de pequeninos, que deve ser igualzinho ao das pessoas pequenas que vivem num país de grandes.

A princípio pensei "será que o vestido subiu tanto que estou de cinto em vez de vestido?". Discretamente, tacteei o fim da saia e verifiquei que não, que estava tudo no sítio certo. Depois, olhei para as meias para ver havia algum buraco de que eu não tivesse dado conta. Nada! Tudo direitinho! "E as botas estarão sujas?" Também não, estavam fixes!

Como estou mais gordinha do que estava, quando era aprendiz de modelo e as minhas curvas não são agradáveis à vista, como poderiam ser naquela época, como já me apareceu um mapa das estradas da vida estampado na cara, a que alguns teimam em chamar rugas (especialmente o meu querido filho), como não me sinto minimamente atraente, nem me tenho mascarado ultimamente, já não me lembrava que pertenço a uma espécie meio estranha a este habitat e que, este facto chama a atenção dos indivíduos pertencentes a outras espécies. Mulher grande com ar apresentável é alvo observação atenta. (Razão pela qual, me fiz adepta do confortável discretinho).
Confesso que me senti terrivelmente mal e cheia de vontade de dar meia volta para trás e ir a casa mudar de roupa. Mas como o tempo era escasso, não tive outro remédio senão levantar a cabeça e seguir em frente.

Adoro a minha privacidade (podemos também chamá-la de insignificância, se preferirem), adoro que me deixem sossegadinha no meu canto e que não estejam sempre a controlar aquilo que faço ou digo e, com esta máscara de hoje, perdia-a durante um dia inteirinho. 
Senti-me horrível... Foi como se me tivessem andado a bisbilhotar a gaveta da mesa-de-cabeceira, mesmo debaixo das minhas barbas. Os sacanas...

Por isso, amanhã estarei, feliz e contente, de volta às minhas queridas calças de ganga, não vá alguém querer bisbilhotar a gaveta outra vez...
A máscara serviu, pelo menos, para que eu valorizasse a "bela da ganga", até que me esqueça deste dia e, volte a apetecer-me entrar numa de Transformers (robot se transforma num carro e vice-versa, lembram-se?)...
Aleluia a quem inventou as maravilhosas calças de ganga! Talvez a... Levi Strauss?

Comentários

  1. Achei divertidíssimo este seu desabafo:):):)
    Eu também opto mais pelo confortável mas, de vez em quando, como vai acontecer hoje à noite aperalto-mee toda e gosto de me ver! Sou vaidosa, penso assim: ainda "metes muitas garotas no armário"! Pronto confessei! É horrível pensar assim, não é? Mas penso!:):):)
    Abracinho meu!

    ResponderEliminar
  2. Maria Teresa,
    Não é nada horrível pensar assim.
    A verdade é para se dizer... e pensar!
    ;))))
    Bjs

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue

Anita no Facebook

O Facebook anda a fazer-me mal. O chato é que preciso daquilo como ferramenta de trabalho e acaba por ser difícil desligar de vez ou até fazer um intervalinho com fins terapêuticos.
Ultimamente, ando tão farta de por ali andar que já tudo me parece os livros da Anita.
Antes do Verão: Anita corre quilómetros para caber no biquíni
Em férias:  Anita mete o pezinho na areia e o nariz no mar
Em dias de sol: Anita vai à esplanada com as amigas e diverte-se a potes
No fim das férias:  Anita volta para o trabalho chateadíssima, mas, pronto, a vida é assim e tem que trabalhar
À hora das refeições:  Anita cozinha um delicioso jantar cheio de super-alimentos e de baixas calorias ou  Anita vai almoçar a um sítio todo fashion, come imenso marisco e bebe sangria de champagne
Tarde de sábado:  Anita vai a uma exposição qualquer interessantíssima ou Anita sai à rua e vê as pessoas a passar
Sábado à noite:  Anita dança e bebe gin 
Tarde de domingo:  Anita vê um filme com a família ou Anita tem umas flores lindas…

Ler e escrever

Há uma candura e uma vontade de regressar à infância de quem lê e escreve. Ler, e escrever, vai para lá do que é o real. Leva-nos para um mundo imaginário, conduzido por quem escreve, mas só nosso, tão pessoal. Talvez por isso, ler e escrever sejam estreitos encontros com a solidão...

Quando se lê um livro, mergulha-se numa dimensão à parte. Trilha-se um caminho de ficção e trilha-se outro que só existe no nosso interior. Percorrem-se as dúvidas e as certezas, os sonhos e a realidade, como se fossem sempre tão próximos. Parte-se da fantasia para a existência, sem nunca se sair completamente de dentro de nós.
Ler, e escrever, é uma viagem ao tempo em que a imaginação nos comandava as emoções. É explorar o quarto escuro que nos apavorava ou os jardins que nos deslumbravam. É ir, e não voltar, aos lugares onde nos sentíamos sós e incompletos, mas ao mesmo tempo cheios de desconhecimento, inocência e ilusão.
Ler, e escrever, é um exercício egoísta, em que não cabe lá mais ninguém para além d…