Avançar para o conteúdo principal

Ganga Forever

Sou daquelas pessoas que, entre o chique e o confortável, prefere sempre o confortável. 
No entanto, de vez em quando, gosto de me mascarar. Fico mais chique e menos confortável. Mascaro-me de senhora, de miúda fashion, de profissional de uma treta qualquer, enfim, do que me der na real gana. É raro mascarar-me, mas, às vezes, apetece-me, o que é que querem?

Hoje, foi um desses dias. Mascarei-me de mais-ou-menos arranjadinha. Vesti-me com um vestidinho curto, mas não curto demais (tive que o comprar um número acima para evitar andar de rabo ao léu, pois neste país as roupas grandes são largas, mas não são suficientemente compridas, ou seja, são feitas a pensar em pessoas gordinhas, mas esquecem-se das pessoas compridas), um casaquinho bem comportado, calcei umas botas altas, mas sem saltos, para não parecer uma torre, e vesti o sobretudo por cima disso tudo, que frio é coisa que não quero passar por nada deste mundo.

Esta máscara surtiu um efeito que, há já algum tempo, não surtia. Já nem me lembrava como era passar na rua e ir sentindo os olhares, distraídos de todos os dias, virarem-se na minha direcção. Coisa esta que não aprecio especialmente, pois sofro do trauma das pessoas grandes que vivem num país de pequeninos, que deve ser igualzinho ao das pessoas pequenas que vivem num país de grandes.

A princípio pensei "será que o vestido subiu tanto que estou de cinto em vez de vestido?". Discretamente, tacteei o fim da saia e verifiquei que não, que estava tudo no sítio certo. Depois, olhei para as meias para ver havia algum buraco de que eu não tivesse dado conta. Nada! Tudo direitinho! "E as botas estarão sujas?" Também não, estavam fixes!

Como estou mais gordinha do que estava, quando era aprendiz de modelo e as minhas curvas não são agradáveis à vista, como poderiam ser naquela época, como já me apareceu um mapa das estradas da vida estampado na cara, a que alguns teimam em chamar rugas (especialmente o meu querido filho), como não me sinto minimamente atraente, nem me tenho mascarado ultimamente, já não me lembrava que pertenço a uma espécie meio estranha a este habitat e que, este facto chama a atenção dos indivíduos pertencentes a outras espécies. Mulher grande com ar apresentável é alvo observação atenta. (Razão pela qual, me fiz adepta do confortável discretinho).
Confesso que me senti terrivelmente mal e cheia de vontade de dar meia volta para trás e ir a casa mudar de roupa. Mas como o tempo era escasso, não tive outro remédio senão levantar a cabeça e seguir em frente.

Adoro a minha privacidade (podemos também chamá-la de insignificância, se preferirem), adoro que me deixem sossegadinha no meu canto e que não estejam sempre a controlar aquilo que faço ou digo e, com esta máscara de hoje, perdia-a durante um dia inteirinho. 
Senti-me horrível... Foi como se me tivessem andado a bisbilhotar a gaveta da mesa-de-cabeceira, mesmo debaixo das minhas barbas. Os sacanas...

Por isso, amanhã estarei, feliz e contente, de volta às minhas queridas calças de ganga, não vá alguém querer bisbilhotar a gaveta outra vez...
A máscara serviu, pelo menos, para que eu valorizasse a "bela da ganga", até que me esqueça deste dia e, volte a apetecer-me entrar numa de Transformers (robot se transforma num carro e vice-versa, lembram-se?)...
Aleluia a quem inventou as maravilhosas calças de ganga! Talvez a... Levi Strauss?

Mensagens populares deste blogue

Marcadores: Capítulo 5

Ana entrou no quarto, sentou-se na beira da cama, acariciou o rosto da mãe e perguntou: - Como te sentes hoje? - Mais ou menos. Agora, não tenho dores. - Ao menos isso... Queres que te traga alguma coisa? - Não, obrigada. Fica só aqui comigo a conversar. - Fico pois! – disse enquanto massajava a mão da mãe para a aquecer. Ana visitava Cármen diariamente. Aparecia geralmente ao fim do dia, porque trabalhava até tarde. Detestava só sair do trabalho depois do sol-posto, especialmente agora que a mãe precisava tanto dela. - Dormiste bem? – perguntou sem lhe lagar a mão gelada. - Sim, tenho a sensação – parou para respirar - que consegui dormir algumas horas seguidas – continuou a custo. Acariciou a mão da filha como se ainda fosse uma mão pequenina que poderia guardar dentro da sua. Observou-lhe o rosto com ternura e articulou as palavras devagarinho: - Filha, nunca mais me falaste do teu trabalho. Como está a correr? Ana resumiu as últimas semanas de trabalho. Falou dos colegas, que ainda não es…

Por entre livros e árvores

Estou sentada no sofá do supermercado junto aos livros.

Incrivelmente este supermercado tem um sofá para quem vê livros. Confesso que sou uma parasita das livrarias, daquelas que lêem muitos pedaços de literatura e raramente compram alguma coisa. Namoro livros durante meses, às vezes anos e só os compro quando já se criou uma certa intimidade entre mim e eles, ou entre mim e os seus autores.
Também compro por impulso, mas é mais raro agora que tenho menos dinheiro para consumismos.

Hoje, levo comigo para o sofá o Lobo Antunes e o Rodrigo Guedes de Carvalho. Vou lendo pedaços de um e de outro. Salto capítulos, reviro os livros e escolho páginas aleatórias na tentativa de entrar nas histórias e nas palavras. Mergulho em parágrafos que me marcam, afundo-me em frases que me fazem eco. Volto à superfície.

Por momentos, desvio o olhar dos livros para perceber o que se passa à minha volta. Entram e saem pessoas do supermercado. Há um homem que passa de guarda-chuva em punho como se fosse uma…

Marcadores: Capítulo 4

Levantou a cabeça. Olhou-me como se fosse pela primeira vez. Senti os olhos a percorrerem-me o rosto. Contornou-me os olhos, a boca, o nariz e parou o olhar para além de mim. É estranha a sensação de nos desenharem com os olhos, vermos-nos estampados na mente dos outros, recortados, colados e redesenhados. Deixamos de ser nós para passarmos a ser uma ideia de nós. Ana desenhou-me, mas abandonou a obra a meio para se colocar a uma distância de segurança. Foi para além de mim e por lá ficou.  - Desculpe tê-lo incomodado. Não devia ter vindo contagiá-lo com a minha tristeza. Estava aqui sossegado a beber a sua cerveja, melhor do que uísque, e vim trazer-lhe tristezas. A minha vida não tem estado fácil… Desculpe-me. É melhor ir-me embora. - Não, deixe-se estar. Estou a gostar de estar consigo. Além disso, não está em condições de ir sozinha para casa. Pelo menos, por agora. – disse-lhe, enquanto observava os dedos que tentavam desfolhar o marcador em forma de flor mais ou menos a meio do li…

Marcadores: Capítulo 1

Sentei-me na mesma mesa do canto. Pedi uma cerveja, acendi um cigarro e fiquei a olhar o mar. A esplanada estava quase vazia. Às três da tarde é normal não haver muita gente por aqui. Está muito calor. É a hora de que mais gosto, porque o vazio do espaço e a paisagem cheia ajudam-me a rascunhar palavras no meu caderninho. Escrevo frases soltas, sem grande nexo, que depois uso nos meus livros. O mar, lá em baixo, no fim da falésia a bater nas rochas e a brisa ligeira, cá em cima, a refrescar-me a mente, libertam as palavras que tenho presas em mim. Preciso de as soltar para voltar ao ténue equilíbrio que me mantém vivo. Trouxeram-me amendoins salgados. Sabem que são os meus aperitivos preferidos para acompanhar a cerveja. Bebo-a com mais gosto e com mais sede. Bebo golos pequenos, o gás faz-me arrotar se a tentar beber de um trago. Por isso, depenico a cerveja, e os amendoins, da mesma forma que sempre depeniquei a vida. Ela surgiu no cimo das escadas que nos leva até à esplanada. Sent…