Avançar para o conteúdo principal

Um Marado, Convicto Que Podia Mudar o Mundo, Chamado Jesus

Como sabem não sou crente. Não acredito em deuses, nem em diabos, não me identifico com qualquer religião, por mais bonita que ela se enfeite, mas, apesar de poder parecer-vos estranho, acredito que, um dia, existiu este marado, convicto que poderia mudar o mundo, chamado Jesus. E acredito nisso, não por ter tido uma educação religiosa ou por me terem impingido versões demasiado fantasiadas da coisa, mas porque tenho noção que este mundo nunca esteve perto da perfeição, ou de ser um lugar idílico, e porque, felizmente, sempre foram aparecendo, ao longo da História, alguns loucos que achavam que poderiam mudar alguma coisa, por mais pequena que ela fosse, e porque talvez eu também tenha, ainda, uma réstia de esperança que há coisas que se podem mudar, se acreditarmos nelas com muita força.
E acredito na história de Jesus, tal como acredito na história de Galileu, Darwin, ou de qualquer outro louco que enfrentou o mundo de frente e de peito aberto. 
Mas a minha visão da história dele aproxima-se mais da do filme Jesus Christ Superstar do que da da Bíblia, porque o vejo enquanto humano e não enquanto ser divino. 

Se é verdade que a história de Jesus tem, ao longo de séculos, mudado corações de forma a tornar os seus portadores melhores pessoas, também não deixa de ser verdade que a distorção dessa mesma história tem endurecido outros e servido de mote para as maiores atrocidades cometidas ao longo da História (e, aqui, refiro-me às Cruzadas, à Inquisição e às, passadas e presentes, tomadas de posição do Papa e da Igreja, entre muitas outras tantas).

E é por ver Jesus como um homem "louco" que arriscou, com a própria vida, mudar o que, à partida, parecia imutável que, para mim, o Natal não é uma celebração religiosa; não é o mar de presentes e a hipocrisia consumista; não é a árvore de Natal, o presépio ou a Missa do Galo. Mas é uma merecida homenagem a este, e a todos os outros marados que, através das suas convicções e força anímica, acreditaram um dia que a mudança daquilo que não estava bem, era o caminho; que não se importaram de dar a vida pelas suas causas; que não hesitaram em tentar e em inovar, mesmo que para isso tivessem que remar contra muitas marés ou chocar as mentes mais (e, até, as menos) conservadoras e, sobretudo, que tiveram a ousadia de arriscar, sem medos, numa tentativa heróica de construir um mundo melhor.

Comentários

  1. sou crente... mas a "politica"(?) religiosa está, cada vez mais, esfrangalhada.
    começa a haver um número sem fim de "políticas"(?) religiosas que nos dão a imagem de Jesus, cada uma à sua maneira, ou seja... eu começo a não entender como foi, afinal, o verdadeiro Jesus ao confrontar-me com tanta tese "contemporânea" (de última hora).
    uma coisa sei... acredito no Criador.

    bj...nho

    ResponderEliminar
  2. Sérgio Figueiredo,
    Eu não acredito, mas respeito quem acredita.
    Só tenho pena que alguns crentes não respeitem os não-crentes e os crentes de outras religiões do mesmo modo.
    Bjs

    ResponderEliminar
  3. Selo e desafio no meu blogue.
    Beijo

    ResponderEliminar
  4. Fui criada na religião catolica,mas rapidamente passei de crente convicta a descrente total. Acredito que existiu um homem chamado Jesus, que deixou marcas na humanidade, só falta saber onde começa a verdade dos seus actos e onde acaba a fantasia gerada à sua volta, mas não o acho mais importante que um Gandhi ou um Mandela



    Beijoca

    ResponderEliminar
  5. Felina,
    Também não o acho mais importante do que o Gandhi ou o Mandela, apenas só o referi a ele por estarmos perto do Natal. Foi também por isso que me lembrei dele.
    Bjs

    ResponderEliminar
  6. Lost Lenore,
    Aceito, mas ainda vou pensar nos livros.
    Bjs

    ResponderEliminar
  7. Mammy,
    se há algo de que me posso gabar é com a virtude que habita em mim de respeitar as opções dos outros, seja sobre o que for. respeito de verdade.
    quanto à religião (e actualizo-me com interesse sobre todas elas) e ao meu comentário, existe em mim (como crente católico) o desânimo quanto ás teorias (católicas) mestradas pelas altas instâncias da Igreja, surgidas, nestes últimos tempos.
    vou assistindo ao desenrolar.

    bj...nho

    ResponderEliminar
  8. Eu acredito na existência real de vários homens "diferentes". Buda existiu antes de Jesus...
    Para mim o Natal é a celebração do nascimento de uma criança, qualquer criança...rodeada pelo amor familiar.
    A Bíblia começou a ser escrita muito depois de Cristo morrer e tem levantado muitas interrogações a quem se dedica aos estudos bíblicos.
    Acreditar ou não numa série de coisas que, pessoalmente, considero verdadeiros atentados à sanidade mental de cada um de nós, é privilégio individual.
    Abracinho meu!

    ResponderEliminar
  9. Sérgio Figueiredo,
    Eu não quis dizer que eras tu quem não respeitava a não-crença dos outros. Referia-me em abstracto, pois conheço muita gente que não respeita e já fui alvo de alguma discriminação por não acreditar em nenhum Deus.
    Bjs

    ResponderEliminar
  10. Maria Teresa,
    Gosto da sua interpretação do Natal, além de bonita é muito saudável.
    Bjs

    ResponderEliminar
  11. Mammy... calma.
    eu só estou (mas talvez mal escrito)com a minha postura de respeito pelos outros, a dar força à tua indignação por aqueles que não sabem aceitar (respeitar) as diferentes opções dos outros. assim como, a minha confusão quanto aos estatutos religiosos (católicos) tão discordantes, atualmente, entre as altas instâncias da igreja.

    Mammy, está desfeita essa confusão de que eu estaria a pensar que te referias a mim...??

    bj...nho

    ResponderEliminar
  12. Sérgio Figueiredo,
    Confusão desfeita!
    ;)
    Eu, às vezes, também não me explico bem, por isso fiquei com medo que me tivesses interpretado mal. :)
    Bjs

    ResponderEliminar
  13. Eu acredito em Deus e em Jesus, e em todo...
    Compreendo na perfeição a hipocrisia de que falas, são os homens...
    E até sorrio quando lhe chamas "marado" talvez ele hoje se chama-se assim hoje também, mas acredito acima de tudo num Amor incondicional para que tudo isto fosse feito, numa fé que move montanhas que lhe deu coragem para o sofrimento daquela morte, afim de que uns quantos que acreditam e sejam realmente melhores pessoas por acreditarem.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  14. Mar,
    Era tão bom que todos os que acreditam fossem melhores pessoas...
    O problema é nem todos, essa fé melhorou...
    Bjs

    ResponderEliminar
  15. Pois é linda Mammy, mas sabes fico tão Feliz quando vejo pessoas (que até nem acreditam) terem acções que me lembram Jesus, como tu por exemplo a tua história do menino dos olhos tristes, a tua compaixão, a tua caridade, o teu carinho e vontade de queres pôr o menino mais Feliz :) pões-me Feliz e nesse momento és imagem de Jesus para mim :)
    Boa! Não sabias mas as vezes és parecida :)
    Beijinhos no coração

    ResponderEliminar
  16. Mar,
    Acho que exageras um pouco. Não sou assim tão maravilhosa, mas os elogios sabem sempre bem! :) Obrigada.
    Talvez seja parecida, mas mais na parte da "maradice"! :)
    Beijinhos

    ResponderEliminar

Publicar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue

"Bom dia e as melhoras!"

IPO - 9h da manhã

Indicam-me a sala de espera da radiologia. Há uma televisão que vai distraindo as pessoas sentadas, alinhadas, de frente para ela.
Sento-me no sofá por baixo da televisão e de frente para os espectadores pouco atentos às notícias da manhã.
O ar que se respira nas salas de espera do IPO é sempre um pouco solene. Vive-se a incerteza e espera-se o desconhecido. O silêncio e as palavras ditas em murmúrios impregnam o ambiente de uma musicalidade suave. Como se fosse o som de fundo de uma floresta imergida na fatalidade perene.

Chamam-me para o exame. Sigo a "operacional" - como chamam hoje às funcionárias dos hospitais - até ao gabinete onde me devo despir da cintura para cima e vestir a bata branca com centenas de IPOs estampados.
Faço o que me mandam e tiro o piercing do umbigo. Tiro o piercing do umbigo sempre que sou irradiada. Tenho a sensação que o metal do brinco pode projectar as radiações para lugares inusitados se não o fizer. Talvez seja uma crença o…

Grito

Há meses que não escrevo uma palavra. Quase como se estivesse de abstinência ou a fazer uma cura de desintoxicação.

Às vezes tenho ressacas. Dói-me o corpo e os dedos, sinto a cabeça cheia de palavras e frases, numa urgência de saírem por mim afora. O peito aperta-se-me e sinto-me prestes a explodir. Mas, depois, nada. Segue-se um vazio imenso, como se estivesse prestes a gritar: enchesse o peito de ar, abrisse a boca e dela apenas saísse silêncio. Um grito mudo. Um grito que nunca chega a sê-lo. E como que para me inebriar, afundo-me nos livros dos outros, nas palavras dos outros. À espera de ali encontrar as minhas. As minhas palavras que sucumbem ao vazio, que se calam.

Tenho saciado a fome de palavras, devorando livros, uns atrás dos outros. Como o alcoólico que bebe água a fingir que é vinho ou o fumador que masca pastilhas para distrair o desejo do cigarro, eu alimento-me de livros, enganando a vontade de escrever.

Caminho para a recuperação devagarinho. Este texto pode ser o in…

#metoo ou eu também já vi muita coisa

Já fui bastante assediada, especialmente até aos trinta, trinta e poucos. Acho que, por isso, fui desenvolvendo uma capacidade que me permite notar situações de assédio, ou de simples interesse sexual, à distância. Não só quando sou eu a visada, mas também quando são outras pessoas. Normalmente, reparo no(a) assediador(a) e no(a) assediado(a).

Vou contar-vos uma história que aconteceu comigo quando eu tinha uns quinze ou dezasseis anos.
Nessa altura eu frequentava amiúde as matinés de uma discoteca aqui da terra. Era miúda e era assim que passávamos as tardes chatas de domingo.
Um dia estava com uma amiga à porta da dita discoteca e houve um puto, mais ou menos da minha idade, que me fez uma proposta: pagava-me uma bebida lá dentro se eu curtisse com ele naquela tarde. Eu, que durante a adolescência tinha fama de antipática e petulante (creio que esta última característica se devia essencialmente à minha altura e timidez que, juntas, me faziam parecer uma pessoa petulante), mandei-o à…

A sesta

Às vezes ainda sinto o cheiro do colchão forrado a plástico impermeável azul do infantário. Volto à sala dos quatro anos, onde, na semi-obscuridade, tento dormir.
Vejo as persianas descidas quase até acima e conto os quadradinhos de luz que saem das duas últimas filas dos estores que ficaram por fechar. Fixo os olhos na luz e na vontade de sair para rua num dia bonito de Verão. Estou aprisionada naquela sala transformada em dormitório infantil e sinto, hoje, a mesma impaciência que sentia pelo fim da hora da sesta.

A Preciosa e a Isabel cochicham junto à porta, enquanto controlam quem ainda não dorme. Estão sentadas nas cadeiras minúsculas e rodeadas por um clarão de luz. Invejo-as por ninguém as obrigar a dormir, por estarem ali na conversa, ao contrário de mim que estou aprisionada no colchão com a cara colada ao plástico azul. Tento descolar-me do colchão, mas o movimento da minha cabeça denunciar-me-ia às educadoras.
Olho para o meu colega do lado, também de quatro anos, que dorme…

Vida eterna

Passou algum tempo desde a última vez que por aqui escrevi, mas não morri. Continuo viva.
Andei meio moribunda por uns tempos. Hoje estou melhor, sem estar completamente curada.

Uma depressão entrou-me cérebro adentro, matou-me os sonhos e adormeceu-me a vontade de viver. Desejei enfiar-me no escuro dos lençóis para a eternidade, quis morrer muitas vezes, pensei em formas de terminar com tudo.
Fui ao médico, aos médicos. Comecei a tomar medicação e voltei a sonhar à custa dos comprimidos para dormir. Agora já não tomo esses, estou apenas com os que me ajudam a levantar da cama, a encarar o dia e a minimizar os problemas.
Deixei de tremer e de suar de nervos, a ansiedade foi-se dissipando e só volta de vez em quando.
E voltei a sonhar sem comprimidos.

Ontem sonhei com o meu avô. Às vezes, ele vem visitar-me nos sonhos como que para me matar as saudades. Chega devagarinho e toma conta da história. Faz com que eu queira estar apenas na sua companhia como se, no sonho, eu saiba que ele vá…