Avançar para o conteúdo principal

Telenovelas

Em casa da avó a ver uma telenovela, cujo nome desconheço...

Cena um
Uma fulana coloca um líquido (veneno ou sonífero) na bebida de um fulano.

J.- É por isto que eu não me interesso muito por mulheres!
Avó - Por isto porquê?
J.- Elas envenenam os homens!
Avó, em defesa das mulheres - Não são só as mulheres que envenenam os homens. Os homens também envenenam as mulheres. São pessoas más, que podem ser homens ou mulheres!

Cena dois
Um homem fala ao telefone, deitado na cama com outro homem.

J.- Ele é homemsexual?
Avó - Homossexual. Sim, é!
J.- Ele está a fazer sexo com o outro homem?
Avó - Não, agora está a falar ao telefone!
J.- Mas ele está todo nu, só com o lençol por cima... Ele fez sexo com o outro homem?
Avó - Se calhar fez...
Mãe, em pensamento, quase implorando - Não perguntes como, não perguntes como, não perguntes como....

Cena três
Um homem e uma mulher estão aos beijos. Este é o fulano que foi envenenado/dopado pela fulana. Ele beija-a na boca e no pescoço, antes de cair para o lado.

J.- Agora é que eles vão namorar... Ele está a beijá-la no pescoço. Hi hi hi hi! Mãe, tu deste beijos no pescoço do pai?
Mãe, a medo - Sim...
Avó - Deu e dá. A tua mãe dá beijos ao pai no corpo todo.
Mãe, em pensamento, quase implorando - Não perguntes em que partes do corpo, não perguntes em que partes do corpo,  não perguntes em que partes do corpo...

Cena quatro
A telenovela acaba sem sabermos se o homem morreu ou não.

J.- Oh, porra! Porque é que isto acaba assim? Isto devia ser como os filmes para sabermos já o que acontece no final! 
Avó - Amanhã já se sabe. 
J.- Oh! Não gosto nada de só poder saber se ele morreu amanhã!
Avó - As telenovelas são mesmo assim para as pessoas terem sempre vontade de ver o próximo episódio.
J.- Bah!

Aviso: O consumo excessivo de telenovelas, dos filhos na companhia das avós, pode ser prejudicial à saúde das mães!

Comentários

  1. HAHAHAHAHAHAH!
    Delicioso... é o pânico das mães!

    ResponderEliminar
  2. Chama-se fina estampa e não, o homem não morreu :))

    ResponderEliminar
  3. Ahahahaha, mas a avó esteve à altura...

    Beijo enorme um bom natal e que no proximo ano consigas tudo o que quizeres

    ResponderEliminar
  4. hehehehehe... uma mãe em apuros com a conversa de gerações... mas também interessada em saber o final...






    da conversa... ... ...
    e no que ia sobrar para ela...!?!?

    bj...nho

    ResponderEliminar
  5. Ou então quando neto+avó estiverem junto, foge!

    Já agora, aproveito para desejar um FELIZ NATAL e um excelente 2013.
    beijinhos**

    ResponderEliminar
  6. rsrsrsrsrsrsrsrsrs
    Como eu compreendo este pânico!
    Como compreendo o pânico da minha filha quando os meus netos estão comigo, é que eu esqueço-me do meu "pânico" (passado)
    Abracinho meu!

    ResponderEliminar
  7. Morango Azul,
    Vou dizer ao J.! Obrigada!
    Bjs

    ResponderEliminar
  8. Felina,
    Esta avó está sempre a tramar-me! :))
    Bom Natal!
    Bjs

    ResponderEliminar
  9. Sérgio Figueiredo,
    Acaba sempre por sobrar para mim! :)))
    Bjs

    ResponderEliminar
  10. Tanita,
    Acho que é o que vou passar a fazer... deixar a batata quente nas mãos da avó! ;)
    Bjs

    ResponderEliminar
  11. Maria Teresa,
    Mas também é essa a função das avós, não é?
    Bjs

    ResponderEliminar
  12. Ai, ai este pequenote só me faz rir tão bom, acho que vi a cena um e a três ;)
    Beijinhos no <3 dos dois

    ResponderEliminar
  13. Mar,
    O miúdo é tão tramado quanto a avó!
    Eh eh eh eh!
    Bjs

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue

Anita no Facebook

O Facebook anda a fazer-me mal. O chato é que preciso daquilo como ferramenta de trabalho e acaba por ser difícil desligar de vez ou até fazer um intervalinho com fins terapêuticos.
Ultimamente, ando tão farta de por ali andar que já tudo me parece os livros da Anita.
Antes do Verão: Anita corre quilómetros para caber no biquíni
Em férias:  Anita mete o pezinho na areia e o nariz no mar
Em dias de sol: Anita vai à esplanada com as amigas e diverte-se a potes
No fim das férias:  Anita volta para o trabalho chateadíssima, mas, pronto, a vida é assim e tem que trabalhar
À hora das refeições:  Anita cozinha um delicioso jantar cheio de super-alimentos e de baixas calorias ou  Anita vai almoçar a um sítio todo fashion, come imenso marisco e bebe sangria de champagne
Tarde de sábado:  Anita vai a uma exposição qualquer interessantíssima ou Anita sai à rua e vê as pessoas a passar
Sábado à noite:  Anita dança e bebe gin 
Tarde de domingo:  Anita vê um filme com a família ou Anita tem umas flores lindas…

Ler e escrever

Há uma candura e uma vontade de regressar à infância de quem lê e escreve. Ler, e escrever, vai para lá do que é o real. Leva-nos para um mundo imaginário, conduzido por quem escreve, mas só nosso, tão pessoal. Talvez por isso, ler e escrever sejam estreitos encontros com a solidão...

Quando se lê um livro, mergulha-se numa dimensão à parte. Trilha-se um caminho de ficção e trilha-se outro que só existe no nosso interior. Percorrem-se as dúvidas e as certezas, os sonhos e a realidade, como se fossem sempre tão próximos. Parte-se da fantasia para a existência, sem nunca se sair completamente de dentro de nós.
Ler, e escrever, é uma viagem ao tempo em que a imaginação nos comandava as emoções. É explorar o quarto escuro que nos apavorava ou os jardins que nos deslumbravam. É ir, e não voltar, aos lugares onde nos sentíamos sós e incompletos, mas ao mesmo tempo cheios de desconhecimento, inocência e ilusão.
Ler, e escrever, é um exercício egoísta, em que não cabe lá mais ninguém para além d…