Avançar para o conteúdo principal

Mammy - A Politicamente Incorrecta

Imagem DAQUI

Por mais que se esforce, não consegue ser politicamente correcta. Na verdade, não se esforça assim tanto...

Esta época natalícia é muito atreita a politiquices disfarçadas de espírito natalício, de bondade, de solidariedade ou de outras qualidades associadas a corações grandes. Se por um lado, promove algumas boas acções, por outro, também promove algumas hipocrisias desmedidas.
O coração, desta minha pessoa, apesar de grande (deve ter aproximadamente 20x25 cm, dada a sua constituição física ser acima da média) não consegue comportar falsos sentimentos, fica-se pelos verdadeiros, que já o deixam meio arrebatado.
Assim, os comportamentos "politicamente correctos" não se aplicam a esta pessoa, e ela, em certas ocasiões, acaba por personificar a incorrecção. Especialmente, quando a tentam asfixiar com politiquices. Este facto, fá-la passar a ser persona non grata em determinados ambientes, mas sinceramente este não é um motivo para que passe a ter noites menos bem dormidas.

Esta minha pessoa é aquela que não gosta de convívios só pelo convívio, que foge dos jantares de Natal e das trocas de prendas das empresas, que não dá presentes ao chefe com a intenção de ficar bem vista, que não se separa por sexos nas reuniões familiares, de amigos, ou de colegas (aliás, até costuma ser das que furam as separações sexistas), que não faz fretes em troca de uma boa imagem, etc, etc... Está-se realmente nas tintas para a correcção se ela não é parametrizada por sentimentos de afecto, justiça, educação ou paridade. Indo ainda mais fundo na sinceridade, o "politicamente correcto" causa-lhe repulsa, enjoa-a e, às vezes, até a enfurece.
Se há coisa que não lhe peçam é para lamber botas! Se algum dia lhe der para isso, será num qualquer devaneio sexual, e mesmo assim, é muito pouco provável.
Sabe que esta postura, se tiver que prejudicar alguém, é a ela que prejudicará, mas está-se pouco lixando para isso. Até hoje, tem aguentado os embates provocados pelas suas acções, e prefere-os à hipocrisia latente dos comportamentos politicamente correctos. Olá se prefere!

Comentários

  1. Sabes o que vou pedir para a Natal???
    Mais paciência para ouvir e esperar, e mais Amor ao falar.
    Nesta época é realmente difícil suportar toda esta hipocrisia a tradição já não o que era, aliás perdeu-se no caminho, mas temos nós o Poder de fazer a diferença no nosso pequeno mundo que nos rodeá.
    E tu tens o teu filhote maravilhoso, a aprender da maneira certa a tornar o teu mundo em momentos mais perfeitos.
    Beijinhos <3

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue

Anita no Facebook

O Facebook anda a fazer-me mal. O chato é que preciso daquilo como ferramenta de trabalho e acaba por ser difícil desligar de vez ou até fazer um intervalinho com fins terapêuticos.
Ultimamente, ando tão farta de por ali andar que já tudo me parece os livros da Anita.
Antes do Verão: Anita corre quilómetros para caber no biquíni
Em férias:  Anita mete o pezinho na areia e o nariz no mar
Em dias de sol: Anita vai à esplanada com as amigas e diverte-se a potes
No fim das férias:  Anita volta para o trabalho chateadíssima, mas, pronto, a vida é assim e tem que trabalhar
À hora das refeições:  Anita cozinha um delicioso jantar cheio de super-alimentos e de baixas calorias ou  Anita vai almoçar a um sítio todo fashion, come imenso marisco e bebe sangria de champagne
Tarde de sábado:  Anita vai a uma exposição qualquer interessantíssima ou Anita sai à rua e vê as pessoas a passar
Sábado à noite:  Anita dança e bebe gin 
Tarde de domingo:  Anita vê um filme com a família ou Anita tem umas flores lindas…

Ler e escrever

Há uma candura e uma vontade de regressar à infância de quem lê e escreve. Ler, e escrever, vai para lá do que é o real. Leva-nos para um mundo imaginário, conduzido por quem escreve, mas só nosso, tão pessoal. Talvez por isso, ler e escrever sejam estreitos encontros com a solidão...

Quando se lê um livro, mergulha-se numa dimensão à parte. Trilha-se um caminho de ficção e trilha-se outro que só existe no nosso interior. Percorrem-se as dúvidas e as certezas, os sonhos e a realidade, como se fossem sempre tão próximos. Parte-se da fantasia para a existência, sem nunca se sair completamente de dentro de nós.
Ler, e escrever, é uma viagem ao tempo em que a imaginação nos comandava as emoções. É explorar o quarto escuro que nos apavorava ou os jardins que nos deslumbravam. É ir, e não voltar, aos lugares onde nos sentíamos sós e incompletos, mas ao mesmo tempo cheios de desconhecimento, inocência e ilusão.
Ler, e escrever, é um exercício egoísta, em que não cabe lá mais ninguém para além d…