Avançar para o conteúdo principal

Vou Contar-vos Um Segredo #4

Mas vou dizer muito baixinho, quase em surdina:
Às vezes, vejo a Casa dos Segredos.

Vá lá, não se vão já embora!

Vejo a Casa dos Segredos, numa perspectiva analítica. 
Está melhor assim?
Quero tentar entender o que estão aquelas pessoas a fazer dentro de uma casa, onde vivem às ordens de uma voz, que as manda fazer as coisas mais vis e de baixo carácter, que já pude contemplar num programa de televisão, recebendo em troca a vida enxovalhada nas revistas e troças intermináveis por parte da apresentadora do programa e do púbico em geral. 
Tornarem-se marionetas nas mãos da produção de um programa televisivo, e da opinião pública, em troca das suas vidas desfeitas, é assustador, se atendermos à psicologia da coisa.
Acreditam que, por muito que me esforce, não consigo compreender?
Será que aqueles meninos e meninas acreditam mesmo que vão ter uma carreira brilhante, quando saírem, e  depois de tudo aquilo o que permitiram que lhes fizessem e o que se propuseram a fazer? 
Será que a miragem da fama e do dinheiro é assim tão nítida para os enganar tão bem?
Não, não quero acreditar que seja burrice pura! Não existe gente tão burra a esse ponto!
Se em programas anteriores, acreditei que eram apenas mentes vazias que ali estavam, neste não creio que sejam. Vejo estratagemas demasiado elaborados para mentes vazias e estratégias altamente rebuscadas para um só neurónio.
Não pode ser só burrice. Tem que haver outra coisa mais forte e poderosa. Princípios invertidos, deformações cerebrais, doenças psicológicas ou mentais, qualquer coisa do género...
A burrice, sozinha, não desce tão baixo. É preciso que esteja associada a algo mais para ir tão fundo. Por isso, tem que haver mais qualquer coisa!

Mas a minha análise não se fica só pelos concorrentes do programa... (Já vos tinha dito que gosto de analisar pessoas, não tinha?) Dou-me, também, ao trabalho de tentar analisar os vários apresentadores, os membros da produção e os diversos públicos do programa.

Quanto aos apresentadores e produção, a dúvida que me assiste (gostaram? Esta foi à Hélio no skate!) é o que os motiva a tamanha crueldade. Crueldade com os concorrentes e crueldade com eles próprios. Será SÓ o dinheiro? Se for devem ganhar MESMO muito bem! Se não for... Não sei, desisto!

E os públicos? Sim, os públicos, porque este programa não tem um único público, tem vários.
Tem o público que é fã, que admira os concorrentes, que os defende ou ataca conforme a situação, que compra as revistas e que vive intensamente o que se passa dentro daquela casa. 
E tem o público que passa toda a duração das galas a mandar larachas ou a gozar desmesuradamente, nas redes sociais, com tudo e todos os que por lá passam.

O primeiro público, penso que terá a ver com as suas vidas desenxabidas. Precisam de as ocupar e arranjar algo que as movimente. Estes são os que melhor compreendo. Compreendo mesmo! Acredito que precisem de preencher o espaço vazio que têm nas suas vidas com qualquer coisa, e nada mais fácil do que agarrarem-se às vidas dos outros. Atenção: digo isto, sem, sequer, uma ponta de escárnio!

O outro público, o das larachas e gozos desmesurados, parece-me que a única explicação plausível, que terá para ver todas as galas do princípio ao fim, é a inveja rancorosa de "quem desdenha, quer comprar". 

E aqui, pára abruptamente a minha capacidade de compreensão! 

Se muito dificilmente consegui vislumbrar uma explicação para todas as outras personagens desta história, a inveja das presentes, ultrapassa-me completamente. (E não é que rimei?!)
Teria que voltar ao princípio, e conseguir analisar convenientemente os concorrentes, para que fosse capaz de um estudo aceitável sobre quem os inveja.

Portanto... Fim de análise!

Mensagens populares deste blogue

A sesta

Às vezes ainda sinto o cheiro do colchão forrado a plástico impermeável azul do infantário. Volto à sala dos quatro anos, onde, na semi-obscuridade, tento dormir.
Vejo as persianas descidas quase até acima e conto os quadradinhos de luz que saem das duas últimas filas dos estores que ficaram por fechar. Fixo os olhos na luz e na vontade de sair para rua num dia bonito de Verão. Estou aprisionada naquela sala transformada em dormitório infantil e sinto, hoje, a mesma impaciência que sentia pelo fim da hora da sesta.

A Preciosa e a Isabel cochicham junto à porta, enquanto controlam quem ainda não dorme. Estão sentadas nas cadeiras minúsculas e rodeadas por um clarão de luz. Invejo-as por ninguém as obrigar a dormir, por estarem ali na conversa, ao contrário de mim que estou aprisionada no colchão com a cara colada ao plástico azul. Tento descolar-me do colchão, mas o movimento da minha cabeça denunciar-me-ia às educadoras.
Olho para o meu colega do lado, também de quatro anos, que dorme…

"Bom dia e as melhoras!"

IPO - 9h da manhã

Indicam-me a sala de espera da radiologia. Há uma televisão que vai distraindo as pessoas sentadas, alinhadas, de frente para ela.
Sento-me no sofá por baixo da televisão e de frente para os espectadores pouco atentos às notícias da manhã.
O ar que se respira nas salas de espera do IPO é sempre um pouco solene. Vive-se a incerteza e espera-se o desconhecido. O silêncio e as palavras ditas em murmúrios impregnam o ambiente de uma musicalidade suave. Como se fosse o som de fundo de uma floresta imergida na fatalidade perene.

Chamam-me para o exame. Sigo a "operacional" - como chamam hoje às funcionárias dos hospitais - até ao gabinete onde me devo despir da cintura para cima e vestir a bata branca com centenas de IPOs estampados.
Faço o que me mandam e tiro o piercing do umbigo. Tiro o piercing do umbigo sempre que sou irradiada. Tenho a sensação que o metal do brinco pode projectar as radiações para lugares inusitados se não o fizer. Talvez seja uma crença o…

Marcadores #6

- A Gabrielle é inocente, podes acreditar! Quando a conheceres vais ter vontade de a defender, vais ver – Cármen estava exausta, por isso Ana resolveu fazer uma pausa na conversa para a mãe descansar. Levantou-se e dirigiu-se à cozinha para ir buscar um copo de água. Quando voltou, abriu a gaveta da mesinha-de-cabeceira e tirou várias qualidades de comprimidos. Olhou para o papelinho que os acompanhava que descrevia as quantidades e horários e começou a separar os que pertenciam àquela hora. Juntou seis que Cármen teria de deglutir uns atrás dos outros. Passou-os um a um, para a mão da mãe, que os tentou empurrar garganta abaixo com a ajuda de doridos golos de água.             Cármen quebrou o silêncio para dizer que guardava cartas trocadas com Gabrielle no tempo em que a amiga trabalhou na Alemanha e que gostava que a filha as lesse. Era uma forma de conhecer Gabrielle, explicou. Apontou para uma caixinha de madeira que se encontrava sobre a cómoda debaixo da janela que continh…