Avançar para o conteúdo principal

Os Porcos

Prezados leitores, começo por vos pedir desculpas, por este ser um post repleto de desprezo explícito, onde poderão encontrar palavras menos agradáveis e, até, portadoras de um certo azedume. O desprezo não será por vocês, claro, mas por uma espécie que me causa uma certa espécie.
Devo informá-los que o post é propositadamente ofensivo, pois contém em si o nojo, de dimensões planetárias, que nutro por certos animais.

Feitos os necessários esclarecimentos, aqui vai:

O porco é um animal que me agrada pouco. Hoje em dia, já quase não faz parte da minha alimentação. Como-o, sem grande satisfação, se não tiver mais nada para comer e alguma fome. 
Este animal roliço de quatro patas, nariz a imitar uma tomada eléctrica e cauda em forma de saca-rolhas  até é razoavelmente suportado por mim, especialmente, porque não me cruzo com ele todos os dias, e se me cruzasse, o máximo que o poderia ouvir dizer seriam uns " oic, oic" ou "ronc, ronc".

Pelo contrário, existe um outro tipo de porco que não consigo suportar, nem à lei da bala.
Esta tipologia suína é aquela, cujos espécimes arrotam palavras ofensivas a tudo o que é fêmea.
Munido de uma clara insatisfação sexual, de uma libido fracassada e de um, óbvio, atraso mental, este animal só consegue vislumbrar as mamas e os cus das fêmeas, avaliando-as, às fêmeas, pelo tamanho, forma ou exposição destas partes dos seus corpos. Para lá de mamas e cus, este porco não vê mais nada. (Podendo aqui concluir-se que também sofre de uma elevada deficiência visual).
Por mais que se camufle, enfiando-se em fatinhos Haute Couture e tomando banho em perfumes, cuja alquimia é bem mais cara do que a essência do próprio suíno, este animal quando se agrupa em varas consegue produzir mais porcaria do que o outro animal, o do nariz a imitar tomadas.
Em varas, costumam grunhir mais e mais alto, do que sozinhos, e sempre qualquer coisa do tipo "aquela gaja tem um par da mamas!", "aquele cu é uma bomba!", "se eu tivesse aquela gaja, comia-a assim ou assado!".
Claro que isto não passam de grunhidos e grunhidos de porcos reles não chegam aos céus.
Geralmente, estes porcos se não são impotentes, estão lá muito perto. E se, por um qualquer estranho acaso, têm a oportunidade de se aproximarem das ditas mamas ou cus, ficam tão acagaçados que todos eles tremem que nem varas verdes.
Apesar de não terem capacidade de materializarem o que grunhem, estes suínos insistem nestes grunhidos. E, a cada fêmea avistada, dedicam um som cada vez mais nojento.
A importância destas vocalizações de pocilga, está na tentativa de afirmação perante os restantes elementos da vara. Cada um deles, tenta, a todo o custo, evidenciar-se mais porco do que os outros.
Na verdade, há sempre algum que o consegue e que passa a ficar conhecido como o porco-mor. O porco-mor tem como função escolher as fêmeas a serem avaliadas. Mas, talvez por esse mesmo motivo, juntamente com o facto de ser o mais nojento de todos, este porco não tem sorte nenhuma com as fêmeas e, além de ser o mais nojento, é também o mais frustrado.

Agora, acabe-me a mim colocar uma questão que me parece pertinente neste contexto:
Porque se dedicam estes porcos a produzir tanto esterco, se nem sequer se propõem a aproveitá-lo na produção de biogás?
Hummm?

Mensagens populares deste blogue

"Bom dia e as melhoras!"

IPO - 9h da manhã

Indicam-me a sala de espera da radiologia. Há uma televisão que vai distraindo as pessoas sentadas, alinhadas, de frente para ela.
Sento-me no sofá por baixo da televisão e de frente para os espectadores pouco atentos às notícias da manhã.
O ar que se respira nas salas de espera do IPO é sempre um pouco solene. Vive-se a incerteza e espera-se o desconhecido. O silêncio e as palavras ditas em murmúrios impregnam o ambiente de uma musicalidade suave. Como se fosse o som de fundo de uma floresta imergida na fatalidade perene.

Chamam-me para o exame. Sigo a "operacional" - como chamam hoje às funcionárias dos hospitais - até ao gabinete onde me devo despir da cintura para cima e vestir a bata branca com centenas de IPOs estampados.
Faço o que me mandam e tiro o piercing do umbigo. Tiro o piercing do umbigo sempre que sou irradiada. Tenho a sensação que o metal do brinco pode projectar as radiações para lugares inusitados se não o fizer. Talvez seja uma crença o…

A sesta

Às vezes ainda sinto o cheiro do colchão forrado a plástico impermeável azul do infantário. Volto à sala dos quatro anos, onde, na semi-obscuridade, tento dormir.
Vejo as persianas descidas quase até acima e conto os quadradinhos de luz que saem das duas últimas filas dos estores que ficaram por fechar. Fixo os olhos na luz e na vontade de sair para rua num dia bonito de Verão. Estou aprisionada naquela sala transformada em dormitório infantil e sinto, hoje, a mesma impaciência que sentia pelo fim da hora da sesta.

A Preciosa e a Isabel cochicham junto à porta, enquanto controlam quem ainda não dorme. Estão sentadas nas cadeiras minúsculas e rodeadas por um clarão de luz. Invejo-as por ninguém as obrigar a dormir, por estarem ali na conversa, ao contrário de mim que estou aprisionada no colchão com a cara colada ao plástico azul. Tento descolar-me do colchão, mas o movimento da minha cabeça denunciar-me-ia às educadoras.
Olho para o meu colega do lado, também de quatro anos, que dorme…

Marcadores #6

- A Gabrielle é inocente, podes acreditar! Quando a conheceres vais ter vontade de a defender, vais ver – Cármen estava exausta, por isso Ana resolveu fazer uma pausa na conversa para a mãe descansar. Levantou-se e dirigiu-se à cozinha para ir buscar um copo de água. Quando voltou, abriu a gaveta da mesinha-de-cabeceira e tirou várias qualidades de comprimidos. Olhou para o papelinho que os acompanhava que descrevia as quantidades e horários e começou a separar os que pertenciam àquela hora. Juntou seis que Cármen teria de deglutir uns atrás dos outros. Passou-os um a um, para a mão da mãe, que os tentou empurrar garganta abaixo com a ajuda de doridos golos de água.             Cármen quebrou o silêncio para dizer que guardava cartas trocadas com Gabrielle no tempo em que a amiga trabalhou na Alemanha e que gostava que a filha as lesse. Era uma forma de conhecer Gabrielle, explicou. Apontou para uma caixinha de madeira que se encontrava sobre a cómoda debaixo da janela que continh…