Avançar para o conteúdo principal

Os Porcos

Prezados leitores, começo por vos pedir desculpas, por este ser um post repleto de desprezo explícito, onde poderão encontrar palavras menos agradáveis e, até, portadoras de um certo azedume. O desprezo não será por vocês, claro, mas por uma espécie que me causa uma certa espécie.
Devo informá-los que o post é propositadamente ofensivo, pois contém em si o nojo, de dimensões planetárias, que nutro por certos animais.

Feitos os necessários esclarecimentos, aqui vai:

O porco é um animal que me agrada pouco. Hoje em dia, já quase não faz parte da minha alimentação. Como-o, sem grande satisfação, se não tiver mais nada para comer e alguma fome. 
Este animal roliço de quatro patas, nariz a imitar uma tomada eléctrica e cauda em forma de saca-rolhas  até é razoavelmente suportado por mim, especialmente, porque não me cruzo com ele todos os dias, e se me cruzasse, o máximo que o poderia ouvir dizer seriam uns " oic, oic" ou "ronc, ronc".

Pelo contrário, existe um outro tipo de porco que não consigo suportar, nem à lei da bala.
Esta tipologia suína é aquela, cujos espécimes arrotam palavras ofensivas a tudo o que é fêmea.
Munido de uma clara insatisfação sexual, de uma libido fracassada e de um, óbvio, atraso mental, este animal só consegue vislumbrar as mamas e os cus das fêmeas, avaliando-as, às fêmeas, pelo tamanho, forma ou exposição destas partes dos seus corpos. Para lá de mamas e cus, este porco não vê mais nada. (Podendo aqui concluir-se que também sofre de uma elevada deficiência visual).
Por mais que se camufle, enfiando-se em fatinhos Haute Couture e tomando banho em perfumes, cuja alquimia é bem mais cara do que a essência do próprio suíno, este animal quando se agrupa em varas consegue produzir mais porcaria do que o outro animal, o do nariz a imitar tomadas.
Em varas, costumam grunhir mais e mais alto, do que sozinhos, e sempre qualquer coisa do tipo "aquela gaja tem um par da mamas!", "aquele cu é uma bomba!", "se eu tivesse aquela gaja, comia-a assim ou assado!".
Claro que isto não passam de grunhidos e grunhidos de porcos reles não chegam aos céus.
Geralmente, estes porcos se não são impotentes, estão lá muito perto. E se, por um qualquer estranho acaso, têm a oportunidade de se aproximarem das ditas mamas ou cus, ficam tão acagaçados que todos eles tremem que nem varas verdes.
Apesar de não terem capacidade de materializarem o que grunhem, estes suínos insistem nestes grunhidos. E, a cada fêmea avistada, dedicam um som cada vez mais nojento.
A importância destas vocalizações de pocilga, está na tentativa de afirmação perante os restantes elementos da vara. Cada um deles, tenta, a todo o custo, evidenciar-se mais porco do que os outros.
Na verdade, há sempre algum que o consegue e que passa a ficar conhecido como o porco-mor. O porco-mor tem como função escolher as fêmeas a serem avaliadas. Mas, talvez por esse mesmo motivo, juntamente com o facto de ser o mais nojento de todos, este porco não tem sorte nenhuma com as fêmeas e, além de ser o mais nojento, é também o mais frustrado.

Agora, acabe-me a mim colocar uma questão que me parece pertinente neste contexto:
Porque se dedicam estes porcos a produzir tanto esterco, se nem sequer se propõem a aproveitá-lo na produção de biogás?
Hummm?

Mensagens populares deste blogue

Anita no Facebook

O Facebook anda a fazer-me mal. O chato é que preciso daquilo como ferramenta de trabalho e acaba por ser difícil desligar de vez ou até fazer um intervalinho com fins terapêuticos.
Ultimamente, ando tão farta de por ali andar que já tudo me parece os livros da Anita.
Antes do Verão: Anita corre quilómetros para caber no biquíni
Em férias:  Anita mete o pezinho na areia e o nariz no mar
Em dias de sol: Anita vai à esplanada com as amigas e diverte-se a potes
No fim das férias:  Anita volta para o trabalho chateadíssima, mas, pronto, a vida é assim e tem que trabalhar
À hora das refeições:  Anita cozinha um delicioso jantar cheio de super-alimentos e de baixas calorias ou  Anita vai almoçar a um sítio todo fashion, come imenso marisco e bebe sangria de champagne
Tarde de sábado:  Anita vai a uma exposição qualquer interessantíssima ou Anita sai à rua e vê as pessoas a passar
Sábado à noite:  Anita dança e bebe gin 
Tarde de domingo:  Anita vê um filme com a família ou Anita tem umas flores lindas…

Ler e escrever

Há uma candura e uma vontade de regressar à infância de quem lê e escreve. Ler, e escrever, vai para lá do que é o real. Leva-nos para um mundo imaginário, conduzido por quem escreve, mas só nosso, tão pessoal. Talvez por isso, ler e escrever sejam estreitos encontros com a solidão...

Quando se lê um livro, mergulha-se numa dimensão à parte. Trilha-se um caminho de ficção e trilha-se outro que só existe no nosso interior. Percorrem-se as dúvidas e as certezas, os sonhos e a realidade, como se fossem sempre tão próximos. Parte-se da fantasia para a existência, sem nunca se sair completamente de dentro de nós.
Ler, e escrever, é uma viagem ao tempo em que a imaginação nos comandava as emoções. É explorar o quarto escuro que nos apavorava ou os jardins que nos deslumbravam. É ir, e não voltar, aos lugares onde nos sentíamos sós e incompletos, mas ao mesmo tempo cheios de desconhecimento, inocência e ilusão.
Ler, e escrever, é um exercício egoísta, em que não cabe lá mais ninguém para além d…