Avançar para o conteúdo principal

Escarafunchar as Entranhas

Ao longo dos anos, tenho visto crescer em mim um fascínio pelo ser humano. Se há alguns anos, era muito penoso relacionar-me com pessoas, esta tendência tem vindo alterar-se lentamente, mas mesmo assim, a alterar-se.

Para mim, a relação com os animais é mais do que um simples contacto entre Homem e Animal, pois eles são a minha ligação à terra, são a minha fonte de paz e são quem me faz sentir em plena comunhão com a Natureza e com a vida.
Nunca tive muita necessidade em me ver cercada de pessoas, preferia tê-las suficientemente longe para que não importunassem a minha paz com a sua desconcertante complexidade.

Sinto-me em casa no meio de um pasto rodeada de cavalos, ou dentro de uma boxe, deitada na palha, desfrutando o silêncio que é apenas interrompido pela respiração do animal e pelo bater dos cascos no chão, num enxotar de moscas constante. Vivo um passeio a cavalo pelos montes, como quem tem apenas aquele instante para respirar, e respiro, inspirando a beleza que os meus olhos vêem e expirando todas as enfermidades da vida.
E o cheiro, oh o cheiro, sempre o cheiro, dos cavalos que me inebria de felicidade e me transporta para o imaginário da liberdade plena!
Quando os cavalos eram a minha profissão, ficava horas colada aos seus corpos, abraçava-os de tal forma que conseguia ouvir-lhes o coração e sentir-lhes o cheiro em simultâneo... Não dava pelo tempo passar... Sentia-me bem ali e ali pertencia...

Depois de deixar o trabalho com cavalos, tive um emprego perto do Campo Pequeno e, no caminho para lá, tinha que passar pela praça de toiros. As quintas-feiras eram dias de touradas, e à hora que eu passava, já lá estavam os camiões com os cavalos dos toureiros. O ar ficava inundado com o cheiro dos animais, não sei se toda a gente o sentia, mas eu sentia-o tão bem ao ponto de me saltarem lágrimas dos olhos perante um odor que, para mim, é de liberdade total, à qual eu já não pertencia, à qual eu já não pertenço...

Não sei se conseguirei descrever por palavras o que é praticamente isento de palavras, mas o relacionamento entre mim e os animais, por não ter palavras, é essencialmente sensitivo. Posso dizer que falar é supérfluo e os abomináveis mal-entendidos não existem, tudo é claro, limpo, sincero, profundo... Relacionamentos destes com pessoas são raros, pois é preciso termos uma proximidade e intimidade muito grande com alguém, para que consigamos atingir um grau semelhante ao de quase telepatia. 

Talvez desde o momento em que fui mãe, ou talvez desde o momento em que tive que me afastar dos cavalos por ter mudado de profissão (não sei bem qual o momento preciso, mas penso que estes dois foram marcantes) comecei a interessar-me pelas pessoas, senti necessidade de me aproximar delas e de as estudar.

Hoje, estou mais próxima das pessoas e mais longe dos animais, não sei se isso será bom, porque não continuo a ver as pessoas como melhores do que os animais, apesar de já conseguir encontrar nelas mais algum interesse.

Enquanto os animais são precisamente aquilo que parecem, as pessoas parecem sempre diferentes do que são. A personalidade dos animais está estampado neles, e é espelhada em nós, nunca é camuflada por acções ou atitudes propositadas para nos confundir. A personalidade das pessoas está escondida por debaixo de várias capas. Ao passo que, vemos os animais como são, às pessoas, temos que as descobrir no meio de um amontoado de máscaras complexas e ambivalentes.

Se, há uns anos, eu não me aproximaria das pessoas com medo do que ia encontrar, hoje eu aproximo-me intencionalmente delas, só para encontrar o que está escondido, só para perceber porque está escondido, e gosto, gosto muito, de lhes escarafunchar as entranhas da alma para depois, no final, encontrar a essência, que é, enfim, nada mais do que o animal que todos temos em nós.

Comentários

  1. Entendi (ou penso que entendi, nunca se tem a certeza) o seu grito de "amor", amor pelo estar viva e saber ler o que sente e conseguir transmitir esse sentir, como ainda a confunde a sua maior abertura ao "mundo".
    Para se conhecer as pessoas é bom embrenharmo-nos nas Ciências do Comportamento Humano, pessoalmente fi-lo durante muitos anos, aprendi muito, mas ainda me engano, com mais facilidade do que devia.
    Sou gregária, gosto muito de conviver, sou muito bem aceite pelos "grupos" por onde me movimento,no entanto, verifico que a hipocrisia está em crescendo.
    Abracinho meu!

    ResponderEliminar
  2. o "ser" humano é complexo...!!
    o "ser" animal (irracional) é uno...!! vive uma única personalidade.
    o viver numa relação com o ser animal (irracional) é a certeza da verdade eterna. o mesmo já não se pode dizer do ser humano... racional...!!
    o ser humano hoje é uma atitude, amanhã é outra.
    adoro estar em locais onde o "ser" humano se cruza e poder observar a diversidade. e mais espantoso ainda... poder vê-los numa esquina, e são eles... mas tomam o lugar em outra esquina, e logo são outros.
    acabo (na observação) por não saber qual é o verdadeiro ele...!!
    o ser humano tem essa capacidade... (a meu ver) negativa em todos os aspetos. há sempre um momento que vivem com o seu outro "ser". a "confusão" gera-se e somos surpreendidos... ou pela positiva, mas são mais os casos da negativa.

    não esquecer... ao estarmos a "estudar" alguém, também estamos a ser estudados por um alguém...!!

    bj...nho

    P.S. adoro o cavalo... e o lobo...!!

    ResponderEliminar
  3. Maria Teresa,
    É isso mesmo!Sou "verde" nisto das relações interpessoais, ando a tentar entender as pessoas. Possivelmente, devido a eu ser um pouco básica, a complexidade das pessoas confunde-me, e assusta-me também.
    Em miúda, era tida como uma pessoa antipática, pois dizia o que sentia e isso não era muito bem aceite pelos outros. Cordialidade, só por si, nunca me disse grande coisa, por isso nunca dei confiança a quem eu não sentia a mínima confiança.
    Esta atitude rotulava-me de antipática.
    Fui mudando por necessidade, lentamente fui-me abrindo às pessoas, fui-me tornando mais simpática e cordial, talvez também um pouco hipócrita, mas se não o fosse, continuaria fechada no meu casulo, sozinha ou no meio dos bichos.
    Ao contrário da Maria Teresa, não sou bem aceite em grupos, pois não me dou o suficiente, nem tenho grande paciência para as conversas que geralmente agradam aos grupos. Mas tenho feito um esforço, tenho tentado incluir-me mais, e este esforço de aproximação reflectiu-se num fascínio crescente pela complexidade das pessoas.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  4. Sérgio Figueiredo,
    É verdade, mas apesar das surpresas negativas, é fascinante até onde são capazes de ir para surtir determinado efeito nos outros e, se conseguirmos esgravata-las bem, conseguimos vislumbrar o animal que também são. Essa procura, até mais do que a própria descoberta, tem-me proporcionado experiências estimulantes e aumentado o interesse que sinto pelas pelas pessoas.

    E, é verdade, o "estudo" costuma ser recíproco.

    Bjs

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue

Anita no Facebook

O Facebook anda a fazer-me mal. O chato é que preciso daquilo como ferramenta de trabalho e acaba por ser difícil desligar de vez ou até fazer um intervalinho com fins terapêuticos.
Ultimamente, ando tão farta de por ali andar que já tudo me parece os livros da Anita.
Antes do Verão: Anita corre quilómetros para caber no biquíni
Em férias:  Anita mete o pezinho na areia e o nariz no mar
Em dias de sol: Anita vai à esplanada com as amigas e diverte-se a potes
No fim das férias:  Anita volta para o trabalho chateadíssima, mas, pronto, a vida é assim e tem que trabalhar
À hora das refeições:  Anita cozinha um delicioso jantar cheio de super-alimentos e de baixas calorias ou  Anita vai almoçar a um sítio todo fashion, come imenso marisco e bebe sangria de champagne
Tarde de sábado:  Anita vai a uma exposição qualquer interessantíssima ou Anita sai à rua e vê as pessoas a passar
Sábado à noite:  Anita dança e bebe gin 
Tarde de domingo:  Anita vê um filme com a família ou Anita tem umas flores lindas…

Ler e escrever

Há uma candura e uma vontade de regressar à infância de quem lê e escreve. Ler, e escrever, vai para lá do que é o real. Leva-nos para um mundo imaginário, conduzido por quem escreve, mas só nosso, tão pessoal. Talvez por isso, ler e escrever sejam estreitos encontros com a solidão...

Quando se lê um livro, mergulha-se numa dimensão à parte. Trilha-se um caminho de ficção e trilha-se outro que só existe no nosso interior. Percorrem-se as dúvidas e as certezas, os sonhos e a realidade, como se fossem sempre tão próximos. Parte-se da fantasia para a existência, sem nunca se sair completamente de dentro de nós.
Ler, e escrever, é uma viagem ao tempo em que a imaginação nos comandava as emoções. É explorar o quarto escuro que nos apavorava ou os jardins que nos deslumbravam. É ir, e não voltar, aos lugares onde nos sentíamos sós e incompletos, mas ao mesmo tempo cheios de desconhecimento, inocência e ilusão.
Ler, e escrever, é um exercício egoísta, em que não cabe lá mais ninguém para além d…