Avançar para o conteúdo principal

Da Amostra ao Universo, Passando Por... Uma Passadeira

Imagem retirada da Internet!

Como sabem, tenho-me dedicado à observação da espécie. 

Tal Charles Darwin, em pleno século XIX, tenho observado a espécie de forma atenta e analítica. O problema é que, pertencendo eu à espécie observada, não sou totalmente isenta nas minhas análises. No entanto, aventuro-me, na mesma, a este exercício. 
Já vos disse que sou uma aventureira? Não disse? Pois... Na verdade, não sou nada aventureira! 
Seria incapaz de subir o Evereste. Tenho cagufa, muita cagufa! 
Mas na minha cabeça, já subi muito mais alto do que o Evereste, já subi até vários Everestes, e tenho pretensões de continuar a subir muitos mais.

É por ter esta capacidade de subir Everestes, dentro do meu cérebro (tal João Garcia a escalar massa cinzenta pegajosa) que me aventuro na observação da minha própria espécie. Por isso, e  por ser esta, por mais incrível que pareça, a espécie que me é mais estranha. 
Com este estudo, pretendo ir, aos poucos, desvendando alguns dos enigmas que me têm intrigado, ao longo de vários anos inserida neste habitat (meio) hostil.
Porque, infelizmente, não sou aventureira, só me aventuro a viajar dentro desta cabecinha loira: É mais seguro, confortável e tem a vantagem de se poder voltar atrás, ou desistir, em qualquer momento da expedição.

Ultimamente, concentrei-me na observação de vários espécimes de peões a atravessar passadeiras.

Pareço-vos louca? Fixe, já que não sou aventureira, pelo menos que seja um pouco louca para animar esta vidinha da treta que, quase, todos vamos tendo um pouco.

Depois da extenuante e atenta observação destes seres, consegui recolher cinco amostras que me parecem bastante reveladoras de algumas das características mais vincadas da espécie em estudo.

Eis as amostras:

- O peão distraído - este peão não pára quando avista a primeira lista branca da passadeira. Na realidade, ele não vê, sequer, a passadeira. Continua a andar como se o passeio não tivesse acabado. Enquanto anda, fala ao telemóvel ou conversa com o colega do lado, sem reparar nas várias travagens ruidosas que vão acontecendo à sua volta.

- O peão importante - este peão, geralmente, pára antes de abordar a passadeira. Pára, empina o nariz e atravessa-a lentamente com ar superior. Olha alguns condutores fixamente nos olhos, como quem diz "olha bem para a minha cara, quando eu te aparecer à frente, vais ter que ficar aí, quietiiiinho".

- O peão "espera aí, que eu estou a atravessar a rua" - este espécime é o mais engraçado! Pára, mas logo a seguir, avança com passo decidido para a passadeira. Não olha para os carros, que esperam pacientemente que ele volte a colocar o pezinho no passeio. Anda o mais devagar que consegue. É capaz de parar a meio, se estiver para aí virado, só para sentir o prazer de fazer alguém esperar por ele. Também o podemos chamar de " peão sádico", se nos apetecer. O nome assenta-lhe bem, e ele aprecia-o bastante.

- O peão cuidadoso - este peão, ainda muito longe do fim do passeio, olha para um lado e para o outro, cheio de medo. Mal se aproxima da passadeira, cai numa hesitação irritante. Põe o pé, tira o pé. Põe o pé, tira o pé. Quando finalmente se decide a atravessar a estrada, é porque já é noite escura, a estrada está deserta e não se vê vivalma. Faz todo o percurso a hesitar e a olhar para todos os lados, com medo que lhe saia um carro até de dentro de um caixote do lixo.

- Por fim, temos "o peão que não é peão" - como o nome indica, este peão não é peão. Ele não quer atravessar a estrada. Ele não está ali, bem à bordinha da estrada e em frente à passadeira, a fazer nada. Gosta de ver os carros passarem e abrandarem quando o avistam. Por vezes, pisa a passadeira, só para os confundir. Pode passar horas ali, na esperança que algum se estampe por sua causa. É propenso a meter conversa com quem por ali passa, preferindo sempre quem segue com a intenção de atravessar a estrada na SUA passadeira.

Conclusão do estudo: Amigos, a única conclusão que posso tirar deste estudo, é que qualquer um destes peões me irrita solenemente e, não fossem as consequências que poderiam advir de um acto tão odioso quanto o que vou referir a seguir, os atropelaria a todos. Um por um!

Estavam à espera de uma conclusão inteligente, não era? Não se esqueçam que aqui, a Mammy, é loira e o brilho incandescente de tal melena não deixa passar as ondas ultra-sónicas do conhecimento. Para fora, claro, que cá dentro sobem-se Everestes.


PS: Pronto, lancem-me lá olhares fulminantes por vos ter feito ler, até ao fim, este texto de piiiiiiiiiiiiii! Eu mereço, eu sei que mereço!

Mensagens populares deste blogue

O Espelho

Em pequena fui protectora das minorias, dos mal-tratados e dos ofendidos. Costumava juntar-me à mais gorda ou mais feia da turma, aquela menina com quem toda a gente gozava e com quem ninguém gostava de ser visto. Tratava melhor os que eram desprezados e tinha uma atenção especial para com quem levava mais reguadas. Ainda sou um bocado assim, porém não tanto, porque as pessoas  que eu considerava minorias me foram mostrando tantos lados das suas personalidades que deixei de as ver apenas como mal-tratadas, ofendidas e carentes de protecção. Percebi, ao longo dos anos, que somos muito mais do que aquilo que aparentamos. E ainda bem, digo-o hoje.
Olhando para trás, penso que talvez o fizesse por pena de as pessoas não terem as mesmas atenções que os outros, ditos populares, e como que para compensar os males que lhes faziam. 
Olhando depois para dentro de mim, penso que também agia daquela forma para desviar os olhares das minhas próprias fragilidades. Se eu protegesse outros, sentir-me…

Macacos do Nariz

O J. voltou a perguntar qual era o verdadeiro nome dos macacos do nariz e, uma vez mais, não lhe soubemos responder.
O pai tentou: -Detritos nasais!
Eu tentei: -Fluídos nasais secos!
As nossas tentativas não satisfizeram nenhum de nós três ...  O J. diz: -Temos que perguntar à Drª, como ela é médica deve saber ...
Fiquei a pensar onde poderia encontrar a resposta a esta questão sem ter que perguntar à médica ... 
Consultei a enciclopédia, o dicionário, procurei na net e ... nada, nem a mais pequena referência à designação científica para macacos do nariz ...

Confesso que nunca me tinha passado pela cabeça que os macacos do nariz tinham outro nome ...

As coisas em que este miúdo me põe a pensar ...

Este blogue vai descansar uns diazinhos, mas volta, com a maior brevidade possível!


Tenho uma tatuagem no meio do peito

Ontem, no elevador, olhei ao espelho o meu peito que espreitava pelo decote em bico da camisola, e vi-a. "Tenho uma tatuagem no meio do peito", pensei. Geralmente, não a vejo. Faz parte de mim, há dez anos, aquele pontinho meio azulado. Já quase invisível aos meus olhos, pelo contrário, ontem, olhei-a com atenção, porque o tempo já me separa do dia em que ma fizeram e me deixa olhá-la sem ressentimentos. À tatuagem como à cicatriz que trago no pescoço.

A cicatriz foi para tirar o gânglio que confirmou o linfoma. Lembro-me do médico me dizer "vamos fazer uma cicatriz bonitinha. Ainda é nova e vamos conseguir escondê-la na dobra do pescoço. Vai ver que quase não se vai notar". Naquela altura pouco me importava se se ia notar. Entreguei o meu corpo aos médicos como o entrego ao meu homem quando fazemos amor.
"Façam o que quiserem desde que me mantenham viva", pensava. "Cortem e cosam à vontade! Que interessa a estética de um corpo se ele está a morrer?!…

Facebook lovers

Chegam ao restaurante de mãos dadas como nos tempos em que ele ainda não tinha a barriguinha que lhe força os botões da camisa e ela as duas camadas de base em tonalidades diferentes que escondem os traços que o tempo lhe foi desenhando no rosto.
Ele afasta a cadeira para ela se sentar num gesto que reproduz o cavalheirismo dos filmes românticos de Hollywood. Ela senta-se com olhar meloso, encarnando a personagem feminina da trama, e ajeita a saia que lhe aperta as formas agora mais arredondadas.

Num silêncio premeditado, o frente-a-frente impõe-se. Afinal é dia dos namorados e o romantismo é a palavra de ordem.
O gesto automático tira o telemóvel do bolso da camisa dele que só acaba quando o objecto é pousado sobre a mesa. Está ansioso, mas não quer lhe notem a inquietação. Afinal, é só mais um dia dos namorados.

A voz sai-lhe tão melosa quanto o olhar que ela lhe dirige:
- Estás linda! - semicerra os olhos como que a comprovar a veracidade das suas palavras.
Aponta-lhe a objectiva …