Avançar para o conteúdo principal

A Minha Teoria Sobre As Pedradas e As Bastonadas

Só alguns dias passados sobre os acontecimentos, consigo reflectir com a necessária clareza de espírito para articular uma teoria sobre tudo o que se passou em frente à Assembleia da República, naquele dia fatídico das pedradas e das bastonadas.
Depois de muito ler, ver, ouvir, conversar e tentar compreender, já sem o calor da emoção, me atrevo a escrever o que penso sobre este assunto.
Lembro-vos que eu sou pela Teoria da Conspiração, e alerto-vos para este facto, porque no final pode parecer-vos que sou uma louca paranóica, por isso não se assustem, ok?

Assim, aqui vai:

Segundo me parece, as pedras foram atiradas aos polícias maioritariamente por putos que passaram o dia a beber uns copos, que gostam de arranjar merda em todo o lado, que adoram parecer bad boys em fúria, e por pessoal (putos, ou não) que estava lá apenas para "avacalhar" qualquer digna tentativa de contestação.

O reais manifestantes, quando se deparam com tamanha selvajaria têm atitudes variadas: uns afastam-se para marcar a diferença dos desordeiros; outros aproveitam para também atirarem uma pedrinha ou outra e, há também quem, heroicamente, tente fazer parar o arremesso de pedras, pondo-se entre os snipers das pedras e o corpo policial.

A polícia aguenta o embate sucessivo de calhaus durante demasiado tempo. E aqui, começa a minha teoria, no demasiado tempo do arremesso de pedras que a polícia suportou:

Dada a dimensão da greve geral, a voz que dá ordem à polícia para avançar, terá que ser a do Ministro da Administração Interna, portanto uma voz "superior". Esta voz, só se pronunciou após os manifestantes terem descascado a calçada quase toda. E porquê?

Eis a minha explicação: Porque queria os agentes policiais nervosos e raivosos e porque pretendia justificar uma acção policial excessiva através da clara violência dos manifestantes! (Todas as estações de televisão tiveram oportunidade de registar o arremesso de pedras, todas as famílias portuguesas puderam, através das imagens nos telejornais e das fotos nos jornais, ver a quantidade de pedras arremessadas.) Objectivo primeiro: check!

E agora perguntem-me, porque queria o MAI justificar tal carga policial?
E eu respondo: Porque queria assustar os reais manifestantes, as pessoas que estavam ali por uma causa real e legítima, de maneira tal, que tivessem medo de ingressar em próximas manifestações! Objectivo segundo: check!
Se não fosse esta a intenção do MAI, teria permitido que os polícias à paisana tivessem circundado os manifestantes agressivos e prendido quem merecia ser preso. Mas não o fez, e preferiu mandar prender gente ao calhas e os putos que estavam no Cais do Sodré, a uma distância considerável dos distúrbios. 
Isto para quê? Para assustar os pais dos ditos putos, que na próxima manifestação os vão segurar em casa com medo que sejam presos outra vez.
E perguntam-me vocês, e muito bem por sinal, "mas para quê tanta violência? Porque é que os polícias bateram em toda a gente, manifestantes ou não?".
Porque, primeiro, estavam no ponto rebuçado da agressividade, estiveram uma hora e tal a levar com calhaus; segundo, porque os mandaram limpar a área, portanto tirar dali tudo o que mexesse; terceiro, porque o objectivo também era eles darem umas bastonadazinhas a inocentes para que estes inocentes se virassem contra a polícia. Objectivo terceiro: check!

E agora a pergunta final: Porque quereria o MAI que os inocentes se virassem contra a polícia?
Porque a polícia andava a manifestar-se muito; porque o grande perigo para o governo é as forças policiais e as forças armadas virarem-se contra ele; porque é alimentando a desordem e a desunião de um povo que se o incapacita. Objectivo quarto: check!


Observaçãozinha à parte, que até podia ser a leitura dos pensamentos da voz "superior": 
Entretenham-se filhos, a dizerem mal uns dos outros, a arranjarem quezílias aí em baixo, enquanto nós vos usurpamos os direitos, roubamos o dinheiro e vos atiramos com mais austeridade para que, por aqui, possamos continuar a beber o nosso uísquezinho bem velhinho e a andar em carros topo de gama, pagos com os vossos impostos, que nos conduzirão a cargos muito bem pagos, mal saiamos do governo!

Comentários

  1. Devias ter um espaço no Jornal de Noticias para escreveres as tuas crónicas, gosto da tua lucidez e a tua capacidade de analise, pensa nisso...

    Beijoca

    ResponderEliminar
  2. Tchiiii, que exagero!
    Mas soube bem o elogio! ;)
    Só por curiosidade: porquê o Jornal de Notícia?
    Bjs

    ResponderEliminar
  3. Suponho que seja o mais lido :) mas podes escolher outro se quizeres :)

    Beijoca

    ResponderEliminar
  4. assino, aprovo, esta "teoria"...!!

    penso que são as palavras mais que suficientes para comentar este teu post. outras que escrevesse seriam a repetição das tuas.

    uma análise merecedora de uma crónica na revista "VISÃO".

    bj...nho

    ResponderEliminar
  5. Tchiiii!!!!
    Vocês estão cá uns exagerados!
    Olhem que eu fico convencida com esses elogios...
    Obrigada!
    Jornal de Notícias, Visão, qualquer um era bom!
    <3
    Beijinhos

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue

Anita no Facebook

O Facebook anda a fazer-me mal. O chato é que preciso daquilo como ferramenta de trabalho e acaba por ser difícil desligar de vez ou até fazer um intervalinho com fins terapêuticos.
Ultimamente, ando tão farta de por ali andar que já tudo me parece os livros da Anita.
Antes do Verão: Anita corre quilómetros para caber no biquíni
Em férias:  Anita mete o pezinho na areia e o nariz no mar
Em dias de sol: Anita vai à esplanada com as amigas e diverte-se a potes
No fim das férias:  Anita volta para o trabalho chateadíssima, mas, pronto, a vida é assim e tem que trabalhar
À hora das refeições:  Anita cozinha um delicioso jantar cheio de super-alimentos e de baixas calorias ou  Anita vai almoçar a um sítio todo fashion, come imenso marisco e bebe sangria de champagne
Tarde de sábado:  Anita vai a uma exposição qualquer interessantíssima ou Anita sai à rua e vê as pessoas a passar
Sábado à noite:  Anita dança e bebe gin 
Tarde de domingo:  Anita vê um filme com a família ou Anita tem umas flores lindas…

Ler e escrever

Há uma candura e uma vontade de regressar à infância de quem lê e escreve. Ler, e escrever, vai para lá do que é o real. Leva-nos para um mundo imaginário, conduzido por quem escreve, mas só nosso, tão pessoal. Talvez por isso, ler e escrever sejam estreitos encontros com a solidão...

Quando se lê um livro, mergulha-se numa dimensão à parte. Trilha-se um caminho de ficção e trilha-se outro que só existe no nosso interior. Percorrem-se as dúvidas e as certezas, os sonhos e a realidade, como se fossem sempre tão próximos. Parte-se da fantasia para a existência, sem nunca se sair completamente de dentro de nós.
Ler, e escrever, é uma viagem ao tempo em que a imaginação nos comandava as emoções. É explorar o quarto escuro que nos apavorava ou os jardins que nos deslumbravam. É ir, e não voltar, aos lugares onde nos sentíamos sós e incompletos, mas ao mesmo tempo cheios de desconhecimento, inocência e ilusão.
Ler, e escrever, é um exercício egoísta, em que não cabe lá mais ninguém para além d…