Avançar para o conteúdo principal

A Minha Teoria Sobre As Pedradas e As Bastonadas

Só alguns dias passados sobre os acontecimentos, consigo reflectir com a necessária clareza de espírito para articular uma teoria sobre tudo o que se passou em frente à Assembleia da República, naquele dia fatídico das pedradas e das bastonadas.
Depois de muito ler, ver, ouvir, conversar e tentar compreender, já sem o calor da emoção, me atrevo a escrever o que penso sobre este assunto.
Lembro-vos que eu sou pela Teoria da Conspiração, e alerto-vos para este facto, porque no final pode parecer-vos que sou uma louca paranóica, por isso não se assustem, ok?

Assim, aqui vai:

Segundo me parece, as pedras foram atiradas aos polícias maioritariamente por putos que passaram o dia a beber uns copos, que gostam de arranjar merda em todo o lado, que adoram parecer bad boys em fúria, e por pessoal (putos, ou não) que estava lá apenas para "avacalhar" qualquer digna tentativa de contestação.

O reais manifestantes, quando se deparam com tamanha selvajaria têm atitudes variadas: uns afastam-se para marcar a diferença dos desordeiros; outros aproveitam para também atirarem uma pedrinha ou outra e, há também quem, heroicamente, tente fazer parar o arremesso de pedras, pondo-se entre os snipers das pedras e o corpo policial.

A polícia aguenta o embate sucessivo de calhaus durante demasiado tempo. E aqui, começa a minha teoria, no demasiado tempo do arremesso de pedras que a polícia suportou:

Dada a dimensão da greve geral, a voz que dá ordem à polícia para avançar, terá que ser a do Ministro da Administração Interna, portanto uma voz "superior". Esta voz, só se pronunciou após os manifestantes terem descascado a calçada quase toda. E porquê?

Eis a minha explicação: Porque queria os agentes policiais nervosos e raivosos e porque pretendia justificar uma acção policial excessiva através da clara violência dos manifestantes! (Todas as estações de televisão tiveram oportunidade de registar o arremesso de pedras, todas as famílias portuguesas puderam, através das imagens nos telejornais e das fotos nos jornais, ver a quantidade de pedras arremessadas.) Objectivo primeiro: check!

E agora perguntem-me, porque queria o MAI justificar tal carga policial?
E eu respondo: Porque queria assustar os reais manifestantes, as pessoas que estavam ali por uma causa real e legítima, de maneira tal, que tivessem medo de ingressar em próximas manifestações! Objectivo segundo: check!
Se não fosse esta a intenção do MAI, teria permitido que os polícias à paisana tivessem circundado os manifestantes agressivos e prendido quem merecia ser preso. Mas não o fez, e preferiu mandar prender gente ao calhas e os putos que estavam no Cais do Sodré, a uma distância considerável dos distúrbios. 
Isto para quê? Para assustar os pais dos ditos putos, que na próxima manifestação os vão segurar em casa com medo que sejam presos outra vez.
E perguntam-me vocês, e muito bem por sinal, "mas para quê tanta violência? Porque é que os polícias bateram em toda a gente, manifestantes ou não?".
Porque, primeiro, estavam no ponto rebuçado da agressividade, estiveram uma hora e tal a levar com calhaus; segundo, porque os mandaram limpar a área, portanto tirar dali tudo o que mexesse; terceiro, porque o objectivo também era eles darem umas bastonadazinhas a inocentes para que estes inocentes se virassem contra a polícia. Objectivo terceiro: check!

E agora a pergunta final: Porque quereria o MAI que os inocentes se virassem contra a polícia?
Porque a polícia andava a manifestar-se muito; porque o grande perigo para o governo é as forças policiais e as forças armadas virarem-se contra ele; porque é alimentando a desordem e a desunião de um povo que se o incapacita. Objectivo quarto: check!


Observaçãozinha à parte, que até podia ser a leitura dos pensamentos da voz "superior": 
Entretenham-se filhos, a dizerem mal uns dos outros, a arranjarem quezílias aí em baixo, enquanto nós vos usurpamos os direitos, roubamos o dinheiro e vos atiramos com mais austeridade para que, por aqui, possamos continuar a beber o nosso uísquezinho bem velhinho e a andar em carros topo de gama, pagos com os vossos impostos, que nos conduzirão a cargos muito bem pagos, mal saiamos do governo!

Mensagens populares deste blogue

A sesta

Às vezes ainda sinto o cheiro do colchão forrado a plástico impermeável azul do infantário. Volto à sala dos quatro anos, onde, na semi-obscuridade, tento dormir.
Vejo as persianas descidas quase até acima e conto os quadradinhos de luz que saem das duas últimas filas dos estores que ficaram por fechar. Fixo os olhos na luz e na vontade de sair para rua num dia bonito de Verão. Estou aprisionada naquela sala transformada em dormitório infantil e sinto, hoje, a mesma impaciência que sentia pelo fim da hora da sesta.

A Preciosa e a Isabel cochicham junto à porta, enquanto controlam quem ainda não dorme. Estão sentadas nas cadeiras minúsculas e rodeadas por um clarão de luz. Invejo-as por ninguém as obrigar a dormir, por estarem ali na conversa, ao contrário de mim que estou aprisionada no colchão com a cara colada ao plástico azul. Tento descolar-me do colchão, mas o movimento da minha cabeça denunciar-me-ia às educadoras.
Olho para o meu colega do lado, também de quatro anos, que dorme…

"Bom dia e as melhoras!"

IPO - 9h da manhã

Indicam-me a sala de espera da radiologia. Há uma televisão que vai distraindo as pessoas sentadas, alinhadas, de frente para ela.
Sento-me no sofá por baixo da televisão e de frente para os espectadores pouco atentos às notícias da manhã.
O ar que se respira nas salas de espera do IPO é sempre um pouco solene. Vive-se a incerteza e espera-se o desconhecido. O silêncio e as palavras ditas em murmúrios impregnam o ambiente de uma musicalidade suave. Como se fosse o som de fundo de uma floresta imergida na fatalidade perene.

Chamam-me para o exame. Sigo a "operacional" - como chamam hoje às funcionárias dos hospitais - até ao gabinete onde me devo despir da cintura para cima e vestir a bata branca com centenas de IPOs estampados.
Faço o que me mandam e tiro o piercing do umbigo. Tiro o piercing do umbigo sempre que sou irradiada. Tenho a sensação que o metal do brinco pode projectar as radiações para lugares inusitados se não o fizer. Talvez seja uma crença o…

Marcadores #6

- A Gabrielle é inocente, podes acreditar! Quando a conheceres vais ter vontade de a defender, vais ver – Cármen estava exausta, por isso Ana resolveu fazer uma pausa na conversa para a mãe descansar. Levantou-se e dirigiu-se à cozinha para ir buscar um copo de água. Quando voltou, abriu a gaveta da mesinha-de-cabeceira e tirou várias qualidades de comprimidos. Olhou para o papelinho que os acompanhava que descrevia as quantidades e horários e começou a separar os que pertenciam àquela hora. Juntou seis que Cármen teria de deglutir uns atrás dos outros. Passou-os um a um, para a mão da mãe, que os tentou empurrar garganta abaixo com a ajuda de doridos golos de água.             Cármen quebrou o silêncio para dizer que guardava cartas trocadas com Gabrielle no tempo em que a amiga trabalhou na Alemanha e que gostava que a filha as lesse. Era uma forma de conhecer Gabrielle, explicou. Apontou para uma caixinha de madeira que se encontrava sobre a cómoda debaixo da janela que continh…