Avançar para o conteúdo principal

A Casa do Azeite

Ela veio do sul. Carregada com uma mala cheia de paixões desastrosas, tristezas, amarguras, dúvidas e sonhos, partiu para uma terra desconhecida em busca da realização profissional, e de um caminho que a levasse à sua construção enquanto pessoa, à sua identidade.
Com dezanove anos, 12º ano completo e provas específicas feitas em cima do joelho, recuou três anos no seu percurso académico em busca de um sonho. Amargurada pela indecisão, quanto ao que queria fazer na vida, decepcionada com o meio citadino, escolheu um refúgio rural, onde estivesse rodeada de animais, ar puro, céu e planícies infinitas. 

Ele veio do norte. Carregado com uma mochila de incertezas, pureza e juventude, partiu atrás dos resultados dos testes psicotécnicos, feitos recentemente: trabalho ao ar livre. 
Ele tinha apenas dezasseis anos, um 9º ano completo à custa de muita insatisfação, uma vida familiar pouco calorosa e um desejo enorme de liberdade e, repleto de sonhos.

Ele desceu e ela subiu, para se encontrarem bem no centro do país. 
Quem os conhecia não diria que se apaixonariam. Mas apaixonaram...

Um dia, travaram conversa, por acaso... Falaram dos testes, que ambos tiveram que fazer para entrar na escola. Ela, com todo o conhecimento fresco de um 12º ano em Letras acabado de fazer, começou a divagar e a intelectualizar o conteúdo de um teste de Português básico. Ele, achou-lhe piada. 

Começaram a encontrar-se mais vezes, por acaso...

Enquanto esperava pela hora do jantar na cantina da escola, ela ia assistir aos jogos de futebol ou basquetebol onde ele jogava. Por acaso...
Normalmente, ficava sozinha a pensar na vida. Sentada no muro que delimitava o campo, estudava, ou fingia que estudava, e punha os sonhos em dia. 
Ele, atlético e apaixonado por desporto, jogava como se não houvesse amanhã. Quebrava todos os limites do seu corpo, na tentativa de encontrar novos limites para quebrar. Ela, achava-lhe piada.

Encontravam-se cada vez mais. Às vezes, conversavam. Outras, não.
Nalguns dias, eram os desgostos amorosos dela que falavam mais alto e virava-lhe as costas, e fingia que não o via, olhava através dele ou ia-se embora. Ele ficava confuso, a pensar no que lhe teria feito para merecer tanto desprezo. Mal ele sabia que o que tinha feito era ter tocado no coração despedaçado dela, que se defendia.

No Natal, ele mascarou-se de Pai Natal sem ela saber.
Ela, confusa por não o avistar na festa da escola, mas tentando disfarçar que o procurava com o olhar, deixou-se ficar à conversa com as colegas. Ele, foi ter com ela. Deu-lhe uma prenda, sem proferir uma só palavra, que ela recebeu, sem perceber de quem era a mão que lhe estava estendida. 
Quando ele se preparava para se afastar, ela reconheceu-o, pelas botas. Aquelas botas de trabalhador do campo, com sola de pneu de camião, eram inconfundíveis. O Pai Natal só podia ser ele. E era!

O tempo foi passando e eles começaram a conversar mais. Por acaso...

Até que um dia, ela teve que mudar de casa. Foi viver, juntamente com uma amiga, para uma casa que a padeira da aldeia tinha para alugar. A casa era por cima de um lagar de azeite, e cheirava a azeite.
A amiga quase nunca estava lá. Passava mais tempo em casa do namorado, do que na dela. Por isso, ela passava a maior parte das noites sozinha.

Ele morava com vários colegas, numa espécie de república, mas acompanhava-a a casa antes de ir para a dele. Ficavam na conversa, em casa dela, até à meia-noite, hora a que começava a sair o pão quentinho na panificadora. Mal davam as doze badaladas no sino da igreja, lá estavam eles à espera do pão. Levavam-no para a casa do azeite e deliciavam-se com ele, e um com o outro.

Certo dia, após encherem a barriga de pão e o peito de contentamento, fez-se tarde para ele ir para casa. Então, ele não foi. E ficou...
Deitaram-se no colchão, que estava no chão da sala e que fazia de cama da amiga ausente, e conversaram durante toda a noite, unidos pelas testas que se tocavam ao mesmo tempo que sentiam o calor da respiração um do outro.

Só de manhã, quando o Pintas (o cão que acompanhava quase todos os alunos à herdade da escola e que dormia num tapete que ele e ela tinham posto do lado de fora da porta da casa do azeite) se levantou para ir levar os alunos à escola, já o sol iluminava o chão da sala, é que os lábios deles finalmente se tocaram, num beijo de um amor profundo, que ali acabara de nascer.

Mensagens populares deste blogue

A sesta

Às vezes ainda sinto o cheiro do colchão forrado a plástico impermeável azul do infantário. Volto à sala dos quatro anos, onde, na semi-obscuridade, tento dormir.
Vejo as persianas descidas quase até acima e conto os quadradinhos de luz que saem das duas últimas filas dos estores que ficaram por fechar. Fixo os olhos na luz e na vontade de sair para rua num dia bonito de Verão. Estou aprisionada naquela sala transformada em dormitório infantil e sinto, hoje, a mesma impaciência que sentia pelo fim da hora da sesta.

A Preciosa e a Isabel cochicham junto à porta, enquanto controlam quem ainda não dorme. Estão sentadas nas cadeiras minúsculas e rodeadas por um clarão de luz. Invejo-as por ninguém as obrigar a dormir, por estarem ali na conversa, ao contrário de mim que estou aprisionada no colchão com a cara colada ao plástico azul. Tento descolar-me do colchão, mas o movimento da minha cabeça denunciar-me-ia às educadoras.
Olho para o meu colega do lado, também de quatro anos, que dorme…

"Bom dia e as melhoras!"

IPO - 9h da manhã

Indicam-me a sala de espera da radiologia. Há uma televisão que vai distraindo as pessoas sentadas, alinhadas, de frente para ela.
Sento-me no sofá por baixo da televisão e de frente para os espectadores pouco atentos às notícias da manhã.
O ar que se respira nas salas de espera do IPO é sempre um pouco solene. Vive-se a incerteza e espera-se o desconhecido. O silêncio e as palavras ditas em murmúrios impregnam o ambiente de uma musicalidade suave. Como se fosse o som de fundo de uma floresta imergida na fatalidade perene.

Chamam-me para o exame. Sigo a "operacional" - como chamam hoje às funcionárias dos hospitais - até ao gabinete onde me devo despir da cintura para cima e vestir a bata branca com centenas de IPOs estampados.
Faço o que me mandam e tiro o piercing do umbigo. Tiro o piercing do umbigo sempre que sou irradiada. Tenho a sensação que o metal do brinco pode projectar as radiações para lugares inusitados se não o fizer. Talvez seja uma crença o…

Marcadores #6

- A Gabrielle é inocente, podes acreditar! Quando a conheceres vais ter vontade de a defender, vais ver – Cármen estava exausta, por isso Ana resolveu fazer uma pausa na conversa para a mãe descansar. Levantou-se e dirigiu-se à cozinha para ir buscar um copo de água. Quando voltou, abriu a gaveta da mesinha-de-cabeceira e tirou várias qualidades de comprimidos. Olhou para o papelinho que os acompanhava que descrevia as quantidades e horários e começou a separar os que pertenciam àquela hora. Juntou seis que Cármen teria de deglutir uns atrás dos outros. Passou-os um a um, para a mão da mãe, que os tentou empurrar garganta abaixo com a ajuda de doridos golos de água.             Cármen quebrou o silêncio para dizer que guardava cartas trocadas com Gabrielle no tempo em que a amiga trabalhou na Alemanha e que gostava que a filha as lesse. Era uma forma de conhecer Gabrielle, explicou. Apontou para uma caixinha de madeira que se encontrava sobre a cómoda debaixo da janela que continh…