Avançar para o conteúdo principal

A Casa do Azeite

Ela veio do sul. Carregada com uma mala cheia de paixões desastrosas, tristezas, amarguras, dúvidas e sonhos, partiu para uma terra desconhecida em busca da realização profissional, e de um caminho que a levasse à sua construção enquanto pessoa, à sua identidade.
Com dezanove anos, 12º ano completo e provas específicas feitas em cima do joelho, recuou três anos no seu percurso académico em busca de um sonho. Amargurada pela indecisão, quanto ao que queria fazer na vida, decepcionada com o meio citadino, escolheu um refúgio rural, onde estivesse rodeada de animais, ar puro, céu e planícies infinitas. 

Ele veio do norte. Carregado com uma mochila de incertezas, pureza e juventude, partiu atrás dos resultados dos testes psicotécnicos, feitos recentemente: trabalho ao ar livre. 
Ele tinha apenas dezasseis anos, um 9º ano completo à custa de muita insatisfação, uma vida familiar pouco calorosa e um desejo enorme de liberdade e, repleto de sonhos.

Ele desceu e ela subiu, para se encontrarem bem no centro do país. 
Quem os conhecia não diria que se apaixonariam. Mas apaixonaram...

Um dia, travaram conversa, por acaso... Falaram dos testes, que ambos tiveram que fazer para entrar na escola. Ela, com todo o conhecimento fresco de um 12º ano em Letras acabado de fazer, começou a divagar e a intelectualizar o conteúdo de um teste de Português básico. Ele, achou-lhe piada. 

Começaram a encontrar-se mais vezes, por acaso...

Enquanto esperava pela hora do jantar na cantina da escola, ela ia assistir aos jogos de futebol ou basquetebol onde ele jogava. Por acaso...
Normalmente, ficava sozinha a pensar na vida. Sentada no muro que delimitava o campo, estudava, ou fingia que estudava, e punha os sonhos em dia. 
Ele, atlético e apaixonado por desporto, jogava como se não houvesse amanhã. Quebrava todos os limites do seu corpo, na tentativa de encontrar novos limites para quebrar. Ela, achava-lhe piada.

Encontravam-se cada vez mais. Às vezes, conversavam. Outras, não.
Nalguns dias, eram os desgostos amorosos dela que falavam mais alto e virava-lhe as costas, e fingia que não o via, olhava através dele ou ia-se embora. Ele ficava confuso, a pensar no que lhe teria feito para merecer tanto desprezo. Mal ele sabia que o que tinha feito era ter tocado no coração despedaçado dela, que se defendia.

No Natal, ele mascarou-se de Pai Natal sem ela saber.
Ela, confusa por não o avistar na festa da escola, mas tentando disfarçar que o procurava com o olhar, deixou-se ficar à conversa com as colegas. Ele, foi ter com ela. Deu-lhe uma prenda, sem proferir uma só palavra, que ela recebeu, sem perceber de quem era a mão que lhe estava estendida. 
Quando ele se preparava para se afastar, ela reconheceu-o, pelas botas. Aquelas botas de trabalhador do campo, com sola de pneu de camião, eram inconfundíveis. O Pai Natal só podia ser ele. E era!

O tempo foi passando e eles começaram a conversar mais. Por acaso...

Até que um dia, ela teve que mudar de casa. Foi viver, juntamente com uma amiga, para uma casa que a padeira da aldeia tinha para alugar. A casa era por cima de um lagar de azeite, e cheirava a azeite.
A amiga quase nunca estava lá. Passava mais tempo em casa do namorado, do que na dela. Por isso, ela passava a maior parte das noites sozinha.

Ele morava com vários colegas, numa espécie de república, mas acompanhava-a a casa antes de ir para a dele. Ficavam na conversa, em casa dela, até à meia-noite, hora a que começava a sair o pão quentinho na panificadora. Mal davam as doze badaladas no sino da igreja, lá estavam eles à espera do pão. Levavam-no para a casa do azeite e deliciavam-se com ele, e um com o outro.

Certo dia, após encherem a barriga de pão e o peito de contentamento, fez-se tarde para ele ir para casa. Então, ele não foi. E ficou...
Deitaram-se no colchão, que estava no chão da sala e que fazia de cama da amiga ausente, e conversaram durante toda a noite, unidos pelas testas que se tocavam ao mesmo tempo que sentiam o calor da respiração um do outro.

Só de manhã, quando o Pintas (o cão que acompanhava quase todos os alunos à herdade da escola e que dormia num tapete que ele e ela tinham posto do lado de fora da porta da casa do azeite) se levantou para ir levar os alunos à escola, já o sol iluminava o chão da sala, é que os lábios deles finalmente se tocaram, num beijo de um amor profundo, que ali acabara de nascer.

Mensagens populares deste blogue

Marcadores: Capítulo 5

Ana entrou no quarto, sentou-se na beira da cama, acariciou o rosto da mãe e perguntou: - Como te sentes hoje? - Mais ou menos. Agora, não tenho dores. - Ao menos isso... Queres que te traga alguma coisa? - Não, obrigada. Fica só aqui comigo a conversar. - Fico pois! – disse enquanto massajava a mão da mãe para a aquecer. Ana visitava Cármen diariamente. Aparecia geralmente ao fim do dia, porque trabalhava até tarde. Detestava só sair do trabalho depois do sol-posto, especialmente agora que a mãe precisava tanto dela. - Dormiste bem? – perguntou sem lhe lagar a mão gelada. - Sim, tenho a sensação – parou para respirar - que consegui dormir algumas horas seguidas – continuou a custo. Acariciou a mão da filha como se ainda fosse uma mão pequenina que poderia guardar dentro da sua. Observou-lhe o rosto com ternura e articulou as palavras devagarinho: - Filha, nunca mais me falaste do teu trabalho. Como está a correr? Ana resumiu as últimas semanas de trabalho. Falou dos colegas, que ainda não es…

Por entre livros e árvores

Estou sentada no sofá do supermercado junto aos livros.

Incrivelmente este supermercado tem um sofá para quem vê livros. Confesso que sou uma parasita das livrarias, daquelas que lêem muitos pedaços de literatura e raramente compram alguma coisa. Namoro livros durante meses, às vezes anos e só os compro quando já se criou uma certa intimidade entre mim e eles, ou entre mim e os seus autores.
Também compro por impulso, mas é mais raro agora que tenho menos dinheiro para consumismos.

Hoje, levo comigo para o sofá o Lobo Antunes e o Rodrigo Guedes de Carvalho. Vou lendo pedaços de um e de outro. Salto capítulos, reviro os livros e escolho páginas aleatórias na tentativa de entrar nas histórias e nas palavras. Mergulho em parágrafos que me marcam, afundo-me em frases que me fazem eco. Volto à superfície.

Por momentos, desvio o olhar dos livros para perceber o que se passa à minha volta. Entram e saem pessoas do supermercado. Há um homem que passa de guarda-chuva em punho como se fosse uma…

Marcadores: Capítulo 4

Levantou a cabeça. Olhou-me como se fosse pela primeira vez. Senti os olhos a percorrerem-me o rosto. Contornou-me os olhos, a boca, o nariz e parou o olhar para além de mim. É estranha a sensação de nos desenharem com os olhos, vermos-nos estampados na mente dos outros, recortados, colados e redesenhados. Deixamos de ser nós para passarmos a ser uma ideia de nós. Ana desenhou-me, mas abandonou a obra a meio para se colocar a uma distância de segurança. Foi para além de mim e por lá ficou.  - Desculpe tê-lo incomodado. Não devia ter vindo contagiá-lo com a minha tristeza. Estava aqui sossegado a beber a sua cerveja, melhor do que uísque, e vim trazer-lhe tristezas. A minha vida não tem estado fácil… Desculpe-me. É melhor ir-me embora. - Não, deixe-se estar. Estou a gostar de estar consigo. Além disso, não está em condições de ir sozinha para casa. Pelo menos, por agora. – disse-lhe, enquanto observava os dedos que tentavam desfolhar o marcador em forma de flor mais ou menos a meio do li…

Marcadores: Capítulo 1

Sentei-me na mesma mesa do canto. Pedi uma cerveja, acendi um cigarro e fiquei a olhar o mar. A esplanada estava quase vazia. Às três da tarde é normal não haver muita gente por aqui. Está muito calor. É a hora de que mais gosto, porque o vazio do espaço e a paisagem cheia ajudam-me a rascunhar palavras no meu caderninho. Escrevo frases soltas, sem grande nexo, que depois uso nos meus livros. O mar, lá em baixo, no fim da falésia a bater nas rochas e a brisa ligeira, cá em cima, a refrescar-me a mente, libertam as palavras que tenho presas em mim. Preciso de as soltar para voltar ao ténue equilíbrio que me mantém vivo. Trouxeram-me amendoins salgados. Sabem que são os meus aperitivos preferidos para acompanhar a cerveja. Bebo-a com mais gosto e com mais sede. Bebo golos pequenos, o gás faz-me arrotar se a tentar beber de um trago. Por isso, depenico a cerveja, e os amendoins, da mesma forma que sempre depeniquei a vida. Ela surgiu no cimo das escadas que nos leva até à esplanada. Sent…