Avançar para o conteúdo principal

Virgindade à Venda

Parece que está na moda vender-se a virgindade. 
Aqui, temos dois tontinhos que vendem a sua primeira vez a quem pagar mais. 
Já conseguiram outros dois tontinhos que pagam caro para serem os primeiros. 

Estava aqui a pensar e fiquei na dúvida de quem é mais totó nesta história: se os tontinhos que põem à venda a virgindade, e apregoam aos sete ventos que não são prostitutos (como se alguém se preocupassem realmente com isso), porque é só uma vez; se os tontinhos que pagam uma pipa de massa para fazerem sexo com quem ainda não percebe nada da coisa...

Confesso que não consigo chegar a uma conclusão.

Comentários

  1. Sinceramente acho que é tão degradante que nem consigo comentar...

    ResponderEliminar
  2. Eu também não! Há cada "maduro" ou "verde" neste caso!
    Abracinho meu!

    ResponderEliminar
  3. OLha, é gente que não tem mais nada com que se entreter, só pode.
    :)

    ResponderEliminar
  4. e não vale a pena incendiar a nossa mente a pensar nestes "tolinhos" que, para mim, tanto são os que compram como os que se vendem.

    por curiosidade, foi ler através do link que deixas e, diga-se de passagem... de santinhos não têm nada. coitadinha da menina, vê-se na "dramática" situação de se pôr à venda para subsidiar os estudos de medicina. nota-se pela sua pose na fotografia e pelo que disse à imprensa... "Isto permite viajar, rodar um filme e ganhar dinheiro". ora, e onde está o curso de medicina... nem sequer uma pequena referência...??
    não tenho que reclamar... cada um é dono de si, do seu corpo. eu, eu não tenho o direito de dizer o que ela, eles, são. de os classificar, são opções de vida.

    até

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue

O Pintas

Estudei Gestão Equina numa terra no centro de Portugal.
A escola dividia-se entre uma antiga escola, no centro da aldeia, convertida em internato masculino e salas de aulas e uma herdade a uns setecentos ou oitocentos metros já quase fora da localidade.
Os alunos tinham aulas ora na escola, ora na herdade e seguiam geralmente a pé de um lado para o outro.
Um dia, o Pintas apareceu por lá (já não me lembro bem onde o encontrámos pela primeira vez), um cão talvez arraçado de dálmata, pois era branco com pintas negras.
Deram-lhe o nome de "Pintas", mas havia quem o chamasse de "Beethoven". Na verdade, podiam chamá-lo como quisessem que o cão reconhecia quando a conversa era com ele.
O Pintas fazia o caminho herdade/escola e escola/herdade vezes sem conta. Penso que a intenção era acompanhar os seus amigos preferidos no caminho que separava as duas instalações escolares... Seguia a nosso lado como se fosse mais um aluno. Deixava-nos na herdade e seguia de novo para a …