Avançar para o conteúdo principal

Observação da Espécie

Faço um exercício, quase diário, que consiste em observar as pessoas sem as ouvir, e ouvi-las sem as ver.
Gosto de ver as expressões faciais e os movimentos dos seus corpos e inventar as palavras que poderão estar a dizer. Gosto de tentar analisar / interpretar os sons que proferem, imaginando um contexto e ilustrando-o com semblantes.

Faço jogos sozinha, no silêncio da minha mente: Serás capaz de adivinhar do que estão a falar? Que sentimentos descrevem estes movimentos? O que é que aquela cara quererá dizer?

A entoação da voz é tão reveladora... O franzido da testa, a posição dos lábios, o nariz que se contorce e o olhar, oh o olhar, que pode dizer tanto ou tão pouco...

Faço o mesmo jogo comigo, ao espelho: O que queres dizer com esse olhar? Esses olhos muito abertos desejam devorar o mundo ou assustam-se com ele? Será que quem te vê, vê-te na realidade? E quem te ouve? Entende o significado subjacente das tuas palavras?


Gosto da clarividência da adivinhação; gosto de tornar o desconhecido, conhecido; gosto da dúvida permanente que me exulta a mente; gosto do exercício cerebral, apenas e só, pelo exercício; gosto de observar a espécie para a descobrir e me tentar adivinhar.

Comentários

  1. Sopram ventos de melancolia
    Transparente é o cinza que a tua alma encerra

    A minha pobreza é a falta de um par de asas
    Encontrei um lugar de reinvenção das sombras
    Pensei virar as costas ao tempo e ao deslumbramento
    E aí houve estranhamente o amanhecer das minhas palavras

    E passei para te deixar


    Um mágico beijo

    ResponderEliminar
  2. Terríveis são aqueles rostos inexpressivos que não deixam ver a alma...

    Beijinho

    ResponderEliminar
  3. Também gosto de apreciar a espécie!
    Invariavelmente descubro tanto mais sobre mim mesma!

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue

O Pintas

Estudei Gestão Equina numa terra no centro de Portugal.
A escola dividia-se entre uma antiga escola, no centro da aldeia, convertida em internato masculino e salas de aulas e uma herdade a uns setecentos ou oitocentos metros já quase fora da localidade.
Os alunos tinham aulas ora na escola, ora na herdade e seguiam geralmente a pé de um lado para o outro.
Um dia, o Pintas apareceu por lá (já não me lembro bem onde o encontrámos pela primeira vez), um cão talvez arraçado de dálmata, pois era branco com pintas negras.
Deram-lhe o nome de "Pintas", mas havia quem o chamasse de "Beethoven". Na verdade, podiam chamá-lo como quisessem que o cão reconhecia quando a conversa era com ele.
O Pintas fazia o caminho herdade/escola e escola/herdade vezes sem conta. Penso que a intenção era acompanhar os seus amigos preferidos no caminho que separava as duas instalações escolares... Seguia a nosso lado como se fosse mais um aluno. Deixava-nos na herdade e seguia de novo para a …