Avançar para o conteúdo principal

O Fósforo

Hoje, decidi dar para as mãos do meu filho uma caixa de fósforos. Tirei um fósforo e demonstrei-lhe como se acendia. 
Disse-lhe:
- Agora tu. Acende!
- Como, mãe?
- Pegas na caixa assim... e acendes assim!
Raspei o fósforo na lixa da caixa e fez-se luz, o fósforo acendeu.
- Wow! - disse ele afastando-se.
- Vá, toma. Agora acende tu!
Agarrou na caixa a medo e perguntou:
- Mãe, como se pega na caixa? É assim?
- É! 
- E agora?
- Passas o fósforo aqui e acendes!
- Não consigo! Tenho medo!
- Não precisas de ter medo! Achas que se fosse muito perigoso, eu estava a dizer-te para fazeres isso? Tens é que passar o fósforo no sentido contrário ao teu corpo. Assim, para fora! E só o fazes quando eu estiver ao pé de ti!
- Ok! Mas não sei se vou conseguir... Isto não é só quando eu tiver 10 anos?
- Não, já podes acender um fósforo agora. Já estás grande!
Tentou várias vezes sem sucesso. Foi para o pé do lava-loiças e perguntou:
- É aqui que se faz?
- Sim, aí é bom, mas não precisas de ir para aí, podes acender o fósforo aqui ao pé de mim.
- Vou tentar aqui!
- Ok!
- Não consigo!
Peguei-lhe nas mãos e acendemos o fósforo juntos. Quando viu a chama, a mão dele estremeceu.
- Não tenhas medo, desde que não o inclines para ti e que o apagues antes de te queimar os dedos, não faz mal.
- Vou tentar agora sozinho!
- Boa!
Tentei não olhar fixamente para ele, mas pelo rabinho do olho... Com muito cuidado lá ia tentando sem sucesso, até que...
- Olha mãe, consegui, consegui!
Soprou logo para o apagar mal o fósforo acendeu.
- Posso tentar outra vez?
- Podes!
Acendeu outro. Todo ele era felicidade.
- Boa! Mas nunca vais fazer isto sozinho, só quando eu estiver ao pé de ti. Ok?
- Sim mãe, claro!

E foi para o quarto brincar com aquele andar de orgulhoso, que lhe é tão característico, quando se sente um homenzinho.

Mas eu fiquei na dúvida "será que fiz bem?".

Imagem retirada da Internet

Comentários

  1. O eterno dilema... será que fiz bem? teria sido a altura certa? segue a tua intuição és a unica pessoa que melhor conhece o teu filho...

    Beijinho

    ResponderEliminar
  2. Acho que sim. Cada coisa a seu tempo. E além disso o J. parece ter a noção do perigo associado!

    ResponderEliminar
  3. "O eterno dilema" mesmo!
    Beijinhos às duas

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue

Estamos a matar a infância das nossas crianças!

Se há cerca de vinte, trinta anos, não se sabia tanto quanto se sabe hoje sobre pedagogia, psicologia ou educação, actualmente este conhecimento é muito mais vasto. Tão vasto que tendemos a instrumentalizar a forma como educamos as nossas crianças.

Olhamos para os nosso filhos e vemo-los como projectos pessoais. Queremos que sejam os melhores e sempre melhores que eles próprios, que estejam sempre a evoluir para que sejam bem sucedidos na vida. É normal, porque independentemente das nossas crenças, queremos o melhor para eles, porque os amamos. Mas esta forma de amar e de os tentar conduzir para o sucesso está a matar-lhes a infância. 
Não são poucas as vezes que ouvimos coisas do género:  "Quero que o Rui seja um óptimo engenheiro";  "Estou a fazer tudo para que a Ana seja a melhor professora que já leccionou";  "O que mais quero é que o André vença no mundo do trabalho como o melhor designer gráfico".
Também dizemos que A ou B tem que frequentar determi…