Avançar para o conteúdo principal

O Fósforo

Hoje, decidi dar para as mãos do meu filho uma caixa de fósforos. Tirei um fósforo e demonstrei-lhe como se acendia. 
Disse-lhe:
- Agora tu. Acende!
- Como, mãe?
- Pegas na caixa assim... e acendes assim!
Raspei o fósforo na lixa da caixa e fez-se luz, o fósforo acendeu.
- Wow! - disse ele afastando-se.
- Vá, toma. Agora acende tu!
Agarrou na caixa a medo e perguntou:
- Mãe, como se pega na caixa? É assim?
- É! 
- E agora?
- Passas o fósforo aqui e acendes!
- Não consigo! Tenho medo!
- Não precisas de ter medo! Achas que se fosse muito perigoso, eu estava a dizer-te para fazeres isso? Tens é que passar o fósforo no sentido contrário ao teu corpo. Assim, para fora! E só o fazes quando eu estiver ao pé de ti!
- Ok! Mas não sei se vou conseguir... Isto não é só quando eu tiver 10 anos?
- Não, já podes acender um fósforo agora. Já estás grande!
Tentou várias vezes sem sucesso. Foi para o pé do lava-loiças e perguntou:
- É aqui que se faz?
- Sim, aí é bom, mas não precisas de ir para aí, podes acender o fósforo aqui ao pé de mim.
- Vou tentar aqui!
- Ok!
- Não consigo!
Peguei-lhe nas mãos e acendemos o fósforo juntos. Quando viu a chama, a mão dele estremeceu.
- Não tenhas medo, desde que não o inclines para ti e que o apagues antes de te queimar os dedos, não faz mal.
- Vou tentar agora sozinho!
- Boa!
Tentei não olhar fixamente para ele, mas pelo rabinho do olho... Com muito cuidado lá ia tentando sem sucesso, até que...
- Olha mãe, consegui, consegui!
Soprou logo para o apagar mal o fósforo acendeu.
- Posso tentar outra vez?
- Podes!
Acendeu outro. Todo ele era felicidade.
- Boa! Mas nunca vais fazer isto sozinho, só quando eu estiver ao pé de ti. Ok?
- Sim mãe, claro!

E foi para o quarto brincar com aquele andar de orgulhoso, que lhe é tão característico, quando se sente um homenzinho.

Mas eu fiquei na dúvida "será que fiz bem?".

Imagem retirada da Internet

Comentários

  1. O eterno dilema... será que fiz bem? teria sido a altura certa? segue a tua intuição és a unica pessoa que melhor conhece o teu filho...

    Beijinho

    ResponderEliminar
  2. Acho que sim. Cada coisa a seu tempo. E além disso o J. parece ter a noção do perigo associado!

    ResponderEliminar
  3. "O eterno dilema" mesmo!
    Beijinhos às duas

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue

Anita no Facebook

O Facebook anda a fazer-me mal. O chato é que preciso daquilo como ferramenta de trabalho e acaba por ser difícil desligar de vez ou até fazer um intervalinho com fins terapêuticos.
Ultimamente, ando tão farta de por ali andar que já tudo me parece os livros da Anita.
Antes do Verão: Anita corre quilómetros para caber no biquíni
Em férias:  Anita mete o pezinho na areia e o nariz no mar
Em dias de sol: Anita vai à esplanada com as amigas e diverte-se a potes
No fim das férias:  Anita volta para o trabalho chateadíssima, mas, pronto, a vida é assim e tem que trabalhar
À hora das refeições:  Anita cozinha um delicioso jantar cheio de super-alimentos e de baixas calorias ou  Anita vai almoçar a um sítio todo fashion, come imenso marisco e bebe sangria de champagne
Tarde de sábado:  Anita vai a uma exposição qualquer interessantíssima ou Anita sai à rua e vê as pessoas a passar
Sábado à noite:  Anita dança e bebe gin 
Tarde de domingo:  Anita vê um filme com a família ou Anita tem umas flores lindas…

Ler e escrever

Há uma candura e uma vontade de regressar à infância de quem lê e escreve. Ler, e escrever, vai para lá do que é o real. Leva-nos para um mundo imaginário, conduzido por quem escreve, mas só nosso, tão pessoal. Talvez por isso, ler e escrever sejam estreitos encontros com a solidão...

Quando se lê um livro, mergulha-se numa dimensão à parte. Trilha-se um caminho de ficção e trilha-se outro que só existe no nosso interior. Percorrem-se as dúvidas e as certezas, os sonhos e a realidade, como se fossem sempre tão próximos. Parte-se da fantasia para a existência, sem nunca se sair completamente de dentro de nós.
Ler, e escrever, é uma viagem ao tempo em que a imaginação nos comandava as emoções. É explorar o quarto escuro que nos apavorava ou os jardins que nos deslumbravam. É ir, e não voltar, aos lugares onde nos sentíamos sós e incompletos, mas ao mesmo tempo cheios de desconhecimento, inocência e ilusão.
Ler, e escrever, é um exercício egoísta, em que não cabe lá mais ninguém para além d…