Avançar para o conteúdo principal

Como Despolitizar uma Criança de Oito Anos?

O J. vai para a escola falar de política.

Hoje, pediu à professora para lhe perguntar quem eram os ministros: das Finanças; dos Negócios Estrangeiros; da Economia; o Presidente da República e o Primeiro-ministro.

Ela perguntou-lhe e ele respondeu:
- Vitor Gaspar. Paulo Portas. Álvaro Santos Pereira. Cavaco Silva. Passos Coelho.
Uma colega perguntou-lhe:
- Como é que tu sabes isso tudo?
- Sei! - respondeu orgulhoso.


- Os meus colegas nem sabem o que são as Finanças! - disse-me no carro, a caminho do supermercado, como se fosse uma enorme gaffe da parte dos colegas.
- E tu sabes?
- Sei. São os impostos.
- Sim, mais ou menos... São os dinheiros do Estado.

Mas tamanha sabedoria também é invadida por dúvidas... Como esta:
- E o Relvas, mãe? É Ministro de quê? - perguntou-me. 
Disse-lhe que era Adjunto dos Assuntos Parlamentares. 
- Adjunto? - achou pouco.
- Sim, acho que é adjunto!

A cabecinha dele deve ter ficado a matutar naquilo...
"Como é que um ministro, de quem se fala tanto, é só Adjunto? Devia ser mais importante, não? E, se é só um adjunto, porque lhe dão tanta importância?".

Durante o jantar, falou do Orçamento de Estado e do IRS, como qualquer português indignado e, maior de idade.

De vez em quando, inventa letras para músicas conhecidas a desancar nos ministros e na política do governo actual. É um fã ferrenho das Mixórdias de Temáticas do Ricardo Araújo Pereira, que ouve em sessões contínuas e que imita na perfeição, dizendo o texto quase como se o estivesse a ler e reproduzindo com mestria as vozes das personagens do Ricardo...

Quer-me parecer que estou a criar um pequeno, grande, revolucionário... Ainda estou na dúvida se isso será bom ou mau...

Agora digam-me, por favor: Como despolitizar uma criança de oito anos?

Comentários

  1. Não faz nada! Quem me dera que o meu neto mais velho (10 anos) soubesse o que o seu filho sabe. As conversas dele incidem essencialmente sobre o futebol!

    ResponderEliminar
  2. Pois... E o problema pode ser mesmo esse: os outros miúdos não entenderem nada do que ele diz. E ele preocupar-se com coisas que não são para a idade dele.
    Confesso que tenho orgulho em ele saber tantas coisas da vida que algumas crianças nem sonham que existem, mas isso desloca-o um bocado do convívio com as crianças da idade dele. E pode não ser assim tão positivo... Pode excluí-lo dos grupos, pode impedir que faça amigos com tanta facilidade, pode torná-lo alvo de gozo...

    Enfim, orgulha-me, mas assusta-me ao mesmo tempo.

    Bjs

    ResponderEliminar
  3. Mammy, acho que o Relvas é Adjunto do Primeiro Ministro e Ministro dos Assuntos Parlamentares, são dois cargos que acumula...

    ResponderEliminar
  4. É verdade, Naná!
    O pai do J. também me disse isso depois de ler o "post". Ainda me aconselhou a corrigir, mas como eu não sabia, e foi o que realmente disse ao J. preferi deixar ficar assim.
    Pelos vistos, não sou tão politizada quanto o J. :)))))

    Engraçado que no dia seguinte a este episódio se passar, o J. viu o Relvas na televisão e, em rodapé, dizia "Ministro Adjunto e dos Assuntos Parlamentares", ele chama-me e diz "olha mãe, o Miguel Relvas afinal é Ministro Adjunto e dos Assuntos Parlamentares!".
    Com isto, a dúvida ficou desfeita.

    Talvez, um dia destes, vá pedir à professora para lhe perguntar qual é o cargo do Relvas. ;)
    Beijinhos

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue

O Pintas

Estudei Gestão Equina numa terra no centro de Portugal.
A escola dividia-se entre uma antiga escola, no centro da aldeia, convertida em internato masculino e salas de aulas e uma herdade a uns setecentos ou oitocentos metros já quase fora da localidade.
Os alunos tinham aulas ora na escola, ora na herdade e seguiam geralmente a pé de um lado para o outro.
Um dia, o Pintas apareceu por lá (já não me lembro bem onde o encontrámos pela primeira vez), um cão talvez arraçado de dálmata, pois era branco com pintas negras.
Deram-lhe o nome de "Pintas", mas havia quem o chamasse de "Beethoven". Na verdade, podiam chamá-lo como quisessem que o cão reconhecia quando a conversa era com ele.
O Pintas fazia o caminho herdade/escola e escola/herdade vezes sem conta. Penso que a intenção era acompanhar os seus amigos preferidos no caminho que separava as duas instalações escolares... Seguia a nosso lado como se fosse mais um aluno. Deixava-nos na herdade e seguia de novo para a …