Avançar para o conteúdo principal

TPCs e AECs, ou seja, Trabalhos Para Casa e Actividades Extra-Curriculares

Assumo-me, aqui perante todos vós, uma convicta opositora aos TPCs, durante a semana e quando os miúdos frequentam as AECs!

Crianças com uma jornada laboral maior do que certos adultos, que apenas têm 4 horas em casa com os pais, e que nessas 4 horas ainda tenham que tomar banho, vestir-se, brincar um bocadinho à pressa e jantar, não deviam nunca, jamais, e em tempo algum, ter trabalhos de casa para fazer! Tenho dito!

As AECs foram inventadas para quê? Não foi para ocupar as crianças o resto do dia, enquanto os pais não chegam do trabalho para as irem buscar à escola? Não foi para alguns pais poderem prescindir dos ATLs (Actividades de Tempos Livres) e não terem que pagar uma mensalidade a estas instituições para irem levar e buscar os seus filhos à escola?

Pois se é para isso que elas existem, e até há uma delas que se chama Apoio ao Estudo, porque é que os miúdos não fazem os TPCs durante o período em que estão nestas actividades, ou, mais propriamente, nesta que tem um nome tão sugestivo?

E ainda querem que sejamos nós, pais, a educar os nossos filhos?!

Como podemos fazê-lo em 4 horas diárias, nas quais temos que os pôr a tomar banho, jantar e ainda ajudar a fazer TPCs? 
Digam-me, por favor, que eu estou "à nora"!

Concordo com TPCs, mas para os fins-de-semana, concordo que devem ser os pais a educar os filhos (detestaria ter que delegar essa tarefa a outras pessoas), mas em 4 horas diárias, cheias de outras coisas para fazer, como é possível desempenharmos o nosso papel de pais de uma maneira minimamente aceitável?

Alguém me sabe dizer?

Comentários

  1. Mammy, não me choca absolutamente nada que os miúdos tenham TPCS durante a semana. O meu sempre os teve durante a primária, que terminou em Julho passado e eu sempre o ajudei no que era necessário. Deixei coisas para fazer mais tarde, sim, mas nunca me recusei a ajudá-lo nos deveres escolares. Não estou a dizer que tu/vocês o façam, apenas que os acho necessários, desde que apareçam na sequência do que é dado na aula. Já quanto à função dos ATLs, se calhar estes é que deveriam ser repensados; das poucas vezes em que tive necessidade que o meu frequentasse um, eu tive sempre o cuidado de pedir às responsáveis que verificassem se os TPCs era feitos e só depois é que havia brincadeira. Quanto às AECs, que acontecem uma vez por semana, e por este motivo, defendo que não devem mandar TPCs. E sim, quero que sejam os pais a educar os filhos, pois eu, como professora (não o sou da primária, tenho o dever de os ensinar a minha área, não de lhes incutir regras e boa educação que deve vir de casa.

    ResponderEliminar
  2. Pseudo,

    Não sou contra os TPCs. Sou contra os TPCs, durante a semana, para crianças que estão oito horas por dia na escola!

    Não acho que seja função dos pais ajudarem os filhos a fazerem trabalhos de casa, tal como não acho que seja função da escola, se dos professores, educar as crianças.
    A função dos pais é educar. A função da escola é ensinar (instruir). É claro que os papéis não são assim tão rígidos: os pais ensinam um bocadinho e a escola educa um bocadinho. Um bocadinho!

    É óbvio que ajudo o meu filho a fazer TPCs, quando ele realmente precisa da minha ajuda. Mas evito ajudá-lo, porque acho os TPCs são importantes para os alunos testarem as suas capacidades sozinhos,para verem o que conseguem fazer sem a ajuda, ou a supervisão, das outras pessoas. E acho que essa é a maior importância deles. São exercícios de autonomia e de auto-avaliação, e que, na minha opinião, devem ir com erros para a escola para os professores poderem, também, avaliar o aluno, em vez de, como muitas vezes acontece, avaliarem os pais dos alunos.

    Eu ajudo o meu filhos com os TPCs, quando ajudo, tal como ajudaria com outra coisa qualquer que ele precisasse, porque sou mãe dele e não porque dê especial importância aos TPCs.

    Quanto às AECs, eu só inscrevi o J., porque ele pediu.
    Quando ele foi para a escola, achava-a uma seca, porque já sabia ler e fazer algumas contas e sentia que não estava a aprender nada de novo, como eu lhe tinha dito que ia acontecer.
    As AECs, no caso dele, serviram para que começasse a interessar-se pela escola.

    Mas quando as AECs passam a sobrecarregar o horário das crianças, cansando-as e roubando-lhes o tempo que teriam para brincar ou para fazer os TPCs, acho que deixam de ter uma função lúdica, pedagógica ou, até mesmo, útil.

    Bjs

    ResponderEliminar
  3. Olá Mammy!

    Decidi comentar este post porque já me vi nas duas situações que referes e acho que ambas têm vantagens e desvantagens.

    O meu filho mais velho frequentou um colégio privado até ao 2º período do 3º ano, altura em que mudámos de cidade e ele entrou para a escola pública. Nesse colégio os professores só podiam enviar TPC's ao fim de semana, exactamente porque os miúdos passavam muitas horas na escola (por vezes mais que 8...) e, portanto, era política do colégio não os sobrecarregar com mais trabalho. Em compensação, ao fim de semana, o meu filho chegava a estar um dia inteiro (e não estou a exagerar!) a fazer os TPC's, quando não tinha também trabalhos de grupo. Cheguei a queixar-me à professora que era demais, mas ela dizia que tinha que compensar o trabalho que não era feito durante a semana.
    Em Abril, o miúdo entrou para a escola pública e inscrevemo-lo nas AEC's, porque ele já estava habituado a ter aquelas horas ocupadas e também para facilitar a integração dele na escola. A nova professora mandava TPC's durante a semana e foi muito difícil para o meu filho adaptar-se a essa situação, mas depois percebeu que ao fim de semana tinha mais tempo livre e acabou por se adaptar.
    Tudo isto para dizer que, na verdade, prefiro que os TPC's venham todos os dias, porque ele os faz rapidamente, por vezes em 5 minutos já está despachado, outras vezes leva mais tempo, mas nunca mais que meia hora. Agora os fins de semana são mesmo para a família, em vez de terem, pelo menos, um dia reservado para os TPC's (chegámos a não ir a uma festa de aniversário por causa de um trabalho de grupo...).
    Quando a ajudar a fazer os TPC's, concordo plenamente contigo. Eu não ajudo o meu filho, não me sento com ele e também não vou verificar se estão correctos. Se ele tiver uma dúvida, esclareço na medida do possível, mas não ensino se ele não souber fazer. E isto porque os professores mo pediram e eu acho que é realmente o mais correcto. Se ele tiver dúvidas ou não souber fazer, tem que pedir à professora para explicar de novo, até que aprenda. E isto serve também para que a professora perceba que as crianças não aprendem todas da mesma forma nem com a mesma rapidez e eu acho que esta aprendizagem é muito útil.
    A única excepção a esta situação, no meu caso, relaciona-se com a caligrafia; o meu filho, infelizmente, tem uma letra péssima e eu tento sempre verificar se se consegue "decifrar" o que ele escreveu e, se for quase impossível, peço-lhe que volte a fazer. De resto, deixo-o à vontade e, até agora, tem resultado, ele aprende rapidamente, raciocina sozinho a maior parte das vezes e outras só precisa de um pequeno empurrãozinho.
    Enfim, como disse no início, já vivi as duas situações, e ambas têm vantagens e desvantagens, mas prefiro, honestamente, esta última.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  4. DNC,
    Eu acho é que se não marcavam TPCs durante a semana, na escola anterior do teu filho, se usavam essa política, não deviam mandá-los a dobrar aos fins-de-semana. Poderiam, por exemplo, tentar compensar a falta deles com outro tipo de actividades, cujo objectivo fosse o mesmo.
    "Penso eu de que..."
    Bjs

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue

Anita no Facebook

O Facebook anda a fazer-me mal. O chato é que preciso daquilo como ferramenta de trabalho e acaba por ser difícil desligar de vez ou até fazer um intervalinho com fins terapêuticos.
Ultimamente, ando tão farta de por ali andar que já tudo me parece os livros da Anita.
Antes do Verão: Anita corre quilómetros para caber no biquíni
Em férias:  Anita mete o pezinho na areia e o nariz no mar
Em dias de sol: Anita vai à esplanada com as amigas e diverte-se a potes
No fim das férias:  Anita volta para o trabalho chateadíssima, mas, pronto, a vida é assim e tem que trabalhar
À hora das refeições:  Anita cozinha um delicioso jantar cheio de super-alimentos e de baixas calorias ou  Anita vai almoçar a um sítio todo fashion, come imenso marisco e bebe sangria de champagne
Tarde de sábado:  Anita vai a uma exposição qualquer interessantíssima ou Anita sai à rua e vê as pessoas a passar
Sábado à noite:  Anita dança e bebe gin 
Tarde de domingo:  Anita vê um filme com a família ou Anita tem umas flores lindas…

Ler e escrever

Há uma candura e uma vontade de regressar à infância de quem lê e escreve. Ler, e escrever, vai para lá do que é o real. Leva-nos para um mundo imaginário, conduzido por quem escreve, mas só nosso, tão pessoal. Talvez por isso, ler e escrever sejam estreitos encontros com a solidão...

Quando se lê um livro, mergulha-se numa dimensão à parte. Trilha-se um caminho de ficção e trilha-se outro que só existe no nosso interior. Percorrem-se as dúvidas e as certezas, os sonhos e a realidade, como se fossem sempre tão próximos. Parte-se da fantasia para a existência, sem nunca se sair completamente de dentro de nós.
Ler, e escrever, é uma viagem ao tempo em que a imaginação nos comandava as emoções. É explorar o quarto escuro que nos apavorava ou os jardins que nos deslumbravam. É ir, e não voltar, aos lugares onde nos sentíamos sós e incompletos, mas ao mesmo tempo cheios de desconhecimento, inocência e ilusão.
Ler, e escrever, é um exercício egoísta, em que não cabe lá mais ninguém para além d…